Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Ventana Sur

Brasil planeja imposição na indústria cinematográfica internacional e anuncia medidas

Durante painel no Ventana Sur, brasileiros destacaram iniciativas para promover coproduções internacionais

Redação Publicado em 28/11/2023, às 16h35

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ventana Sur (Foto: Reprodução/Instagram)
Ventana Sur (Foto: Reprodução/Instagram)

O Ventana Sur, evento dedicado ao mercado audiovisual, iniciou nesta segunda-feira, 27, e segue até sexta-feira, 1º, em Buenos Aires, na Argentina. Durante o painel "Visão Geral da Indústria Audiovisual Brasileira e Oportunidades de Colaboração com São Paulo", os palestrantes destacaram que o Brasil está interessado em "coproduções internacionais" (via Variety).  

Investimento

De acordo com André Ricardo Araújo Virgens, coordenador geral da Secretaria Nacional do Audiovisual, a Lei Paulo Gustavo distribuiu em maio deste ano R$ 2,8 bilhões para diversos setores do audiovisual em todo o país. São Paulo, por exemplo, recebeu R$ 300 milhões, conforme Liliana Crocco, coordenadora da unidade de promoção cultural de São Paulo.

O estado do sudeste gerencia agora um incentivo de R$ 8 milhões para atrair filmagens internacionais para São Paulo, com a oferta de descontos de 20% a 30% das despesas qualificadas limitadas a R$ 3,2 milhões, informou Luiz Toledo, diretor de investimentos e parcerias estratégicas da Spcine.

Planos

"Estamos em um momento de mudança, mudança contínua, de reconstrução, o que significa que estamos retomando iniciativas que foram interrompidas nos últimos anos", disse Virgens.

O Brasil participa de iniciativa que planeja acordo entre os países do Mercosul para promover coproduções: "Se tudo der certo, esse acordo será assinado pelos presidentes na Cúpula do Mercosul na próxima semana, em tempo recorde", continuou.

João Roni, sócio da produtora Ocean Films, ainda destacou que o "Brasil está atrás de muitos países menores devido ao tamanho do mercado interno". Ele adicionou: "Temos a responsabilidade de crescer, com nossas infraestruturas, atentos às oportunidades de negócios".

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!