Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Onde estão as grandes bandas?

Bruce Dickinson, do Iron Maiden, culpa promotores por falta de bandas headliners

Bruce Dickinson relatou conversa que teve com um promotor durante última passagem no Brasil

Redação Publicado em 12/12/2023, às 14h16

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Bruce Dickinson (Foto: Carlos Alvarez/Getty Images)
Bruce Dickinson (Foto: Carlos Alvarez/Getty Images)

Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden, criticou promotores de shows em entrevista à Bandit Rock (via NME). Ele relatou conversa que teve com um promotor durante última passagem no Brasil, quando divulgou o novo álbum solo The Mandrake Project.

Segundo o artista, o promotor reclamou da falta de headliners. Dickinson culpou as "grandes corporações", que teriam "tomado tudo" para fazer dinheiro e "propagar os grandes headliners, mas não trazem as bandas que criam o drama para criar a base de fãs".

+++LEIA MAIS: Iron Maiden anuncia show único no Brasil em 2024; saiba data, cidade, preços e mais

Você não se torna um headliner da noite para o dia. Você se torna um headliner ao fazer muitos shows em muitos lugares e quando fãs e pessoas começam a te seguir e, de repente, você está na Arena Wembley pensando: 'Meu Deus, esses caras estão tocando em arenas'. E o próximo passo é: 'Meu Deus, eles serão headliners de um festival'. E é nesse momento em que entra naquele mundo.

Os promotores de hoje em dia, para Dickinson, são diferentes dos que ajudaram a alçar o Iron Maiden à fama. A banda britânica começou como convidada especial em shows em Chicago e Nova York, por exemplo, e passou por uma rede de promotores até que pudesse ser a atração principal de uma cidade.

Atualmente, porém, Bruce aponta que os promotores "trazem as bandas do mesmo jeito": “Você descobre que os promotores, aqueles promotores individuais, estavam todos assumindo riscos individuais”.

O cantor alertou que promotores oferecem muito dinheiro para os músicos, "mas você não pode fazer nada depois disso" e se torna dependente de um único empresário. "Posso ser injusto, mas tenho a impressão de que o cenário era muito mais vibrante em termos de bandas iniciantes que poderiam surgir e surpreender as pessoas", adicionou.