Clairo revive elementos dos anos 1970 para o doce e delicado Sling [REVIEW]

Acompanhada de paisagens sonoras deslumbrantes, Clairo mostra a potência como letrista no segundo disco da carreira, Sling

Isabela Guiduci Publicado em 17/07/2021, às 12h00

None
Capa de Sling (Foto: Reprodução)

Nostalgia, referência ou reimaginação: chame do que preferir, mas é inegável a viagem no tempo de Sling conduzida por Clairo Cottrill. Da estética aos elementos sonoros, a jovem cantora de 22 anos mergulha o ouvinte na música dos anos 1970 no novo disco da carreira, com influências diretas às discografias deJoni Mitchell e Carole King - e faz um trabalho impecável. 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Claire Cottrill (@clairo)

 

Diferente do disco de estreia, Immunity, e do ‘soft-pop’ dançante acompanhado de sintetizadores na maior parte das canções apresentadas anteriormente por Clairo, Slingdá espaço à flauta, cordas, melodias suaves de piano e ao pedal steel (um tipo de guitarra elétrica). Uma sonoridade ainda mais confortável e aconchegante toma conta de todo o novo trabalho, com destaque às construções sonoras deslumbrantes.

+++LEIA MAIS: Jovens imaginativos, autênticos e no quarto: o cenário do bedroom pop no Brasil [ENTREVISTA]

Co-produzido por Jack Antonoff e com backing vocals de Lorde, Slingresgata a estética e espírito indie de Immunity. No entanto, ao se aproximar dos elementos sonoros do acolhedor folk acústico dos anos 1970, com melodias elegantes e paisagens sonoras expressionistas, distancia-se do que Clairo entregou antes do novo disco, e expande os horizontes da artista. 

No segundo álbum, Clairo Cottrill prova e consagra as habilidades como letrista. As vulnerabilidades, sensibilidades e angústias - escancaradas ao longo da carreira - são apresentadas com uma maturidade impressionante para uma jovem de 22 anos. A transparência lírica é uma aposta certeira da trajetória artística da compositora.  

+++LEIA MAIS: Olivia Rodrigo ecoa dores de romances trágicos e desfruta da estética do bedroom pop em Sour [REVIEW]

Dessa vez, porém, a cantora mostra que, apesar das inseguranças e angústias, precisa cuidar de si antes de se envolver romanticamente com alguém. O retrato da honestidade, como contou Clairo à Rolling Stone EUA recentemente, vem de um momento em que “estava perto de realmente perder a cabeça e não querer estar aqui”: “Realmente não vi um motivo,” afirmou.

A artista é precursora do bedroom pop [pop de quarto, em tradução livre], estilo que, como o título sugere, floresce nos quartos dos artistas. Em Sling, continua a revisitar o gênero, característico pela liberdade criativa, a voz suave e delicada, e um grande espelho para introspectividade. A sonoridade alternativa segue como um dos pilares da discografia da também compositora.

+++LEIA MAIS: McCartney III - Imagined é uma festa experimental e contemporânea com convidados magníficos de Paul McCartney [REVIEW]

Chegamos à abertura do disco com “Bambi”, “Amoeba” e “Partridge”. Magistralmente, a cantora abre o álbum com as três faixas, guiadas por melodias deliciosas e aconchegantes de pianos - um nível lírico sincero também aparece nas canções. Com graciosidade e delicadeza, Clairo convida sutilmente o ouvinte para seu universo artístico. 

Levada pelas cordas, “Zinnias” ganha um ritmo potente conforme é desenvolvida, e dá espaço para uma construção sonora lindamente crescente e envolvente. De maneira grandiosa, a compositora antecede uma das faixas mais fascinantes - em lírica e sonoridade - do álbum, “Blouse”.

+++LEIA MAIS: Apesar de boas músicas pop, Justin Bieber apresenta um amontoado de discursos superficiais em um flerte distante com R&B em Justice [REVIEW]

Quinta música, “Blouse” é uma confissão identitária de uma mulher frente a muitas relações heteronormativas: “Por que eu te digo como me sinto, quando você está apenas olhando para a minha blusa?” diz o refrão. A melodia profunda da canção combina aos desabafos e complexidade lírica, assim como backing vocals de Lorde

Wade” e “Harbor” vêm em sequência e seguem explorando, com graciosidade e sensibilidade, os pensamentos mais vulneráveis de Clairo - acompanhados das cordas e pianos, detalhes melódicos presentes ao longo de todo o disco. 

+++LEIA MAIS: Pop triste e sincero: Girl In Red fala sobre as angústias da geração dos 20 e poucos anos [ENTREVISTA]

Outro ponto alto do álbum chega com a oitava faixa, “Just For Today”. A canção traz uma forte lírica sobre saúde mental, frustração com a indústria musical e um questionamento relevante sobre continuar a carreira. É uma confissão quase acústica que derrama sentimentos em cada nota.  

A instrumental “Joanie” potencializa a aura angelical do disco. Inspirada na própria cachorra da artista, Joanie, a música conta com altos e baixos na melodia devido à interessante proposta de imaginar a energia diária de um animal de estimação.

+++LEIA MAIS: Lana Del Rey retorna com folk e experimentos sutis em Chemtrails Over The Country Club [REVIEW]

Ainda, a faixa é a responsável por abrir caminho para uma das peças centrais de Sling, "Reaper". Aqui há uma espécie de pensamentos de Cottrill sobre a esperança em relação à maternidade, e em meio aos  devaneios, volta à temática da ansiedade, que controla a mente dela no presente.  

Clairo segue com as confidências complexas e sinceras na décima primeira canção do disco, “Little Changes”. Nela, a artista reflete sobre manipulação masculina em um relacionamento: “Ele me amou o suficiente para me acalmar, mas tentou me enganar para fazer pequenas mudanças.”

+++LEIA MAIS: Quem é Olivia Rodrigo: família, carreira, Sour e mais [LISTA]

Management” soa como a escolha perfeita para encerrar essa viagem de confissões de ClairoCottrill: “Ela só tem 22 anos,” diz na canção. Acompanhada de uma sonoridade que parece capturar a essência do disco, a artista encerra florescendo: “Estou fazendo isso pelo meu futuro eu/Aquele que precisa de mais atenção.”

É incrível como as 12 faixas de Slingsão um conjunto definitivo, e nada parece fora do lugar, redundante ou mal-combinado. Até canções as quais levam mais segundos para um desdobramento fascinante são bem posicionadas neste diálogo sincero e confessional de Clairo Cottrill. As músicas formam um encaixe musical sublime - e impressionante. 

+++LEIA MAIS: Twenty One Pilots investe no pop nostálgico em Scaled And Icy, disco mais irreverente do duo [REVIEW]

Embora seja apenas o segundo disco da carreira da jovem artista, Slingé um álbum artisticamente interessante com líricas intensas, acentuadas e desenvolvidas somadas às sonoridades delicadas e graciosas. De fato, o projeto marca uma transformação significativa na trajetória da cantora, em todos os aspectos. 

Sling, de Clairo, já está disponível em todas as plataformas digitais.

+++LEIA MAIS: Qual é o disco mais ouvido da história do Spotify?


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL