Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Como era trabalhar com o Nirvana em estúdio? Produtor de Nevermind revela

Butch Vig conta que usou paixão de Kurt Cobain pelos Beatles para convencê-lo a deixar disco mais acessível

Igor Miranda (@igormirandasite) Publicado em 28/12/2022, às 18h28 - Atualizado em 04/01/2023, às 10h35

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Nirvana (Foto: Divulgação)
Nirvana (Foto: Divulgação)

Segundo álbum de estúdio do Nirvana, Nevermind (1991) é um dos discos mais vendidos de todos os tempos, com mais de 30 milhões de cópias comercializadas em todo o planeta. Indo além, o trabalho foi responsável por moldar o rock e até mesmo a cultura pop do início da década de 1990, com uma proposta que ia contra praticamente todos os excessos dos anos 1980.

Além de Kurt Cobain (voz e guitarra), Krist Novoselic (baixo) e Dave Grohl (bateria), houve um componente importante para chegar a tal resultado. Trata-se do produtor Butch Vig, que também é baterista do Garbage, mas tornou-se mais conhecido por ter gravado bandas como Smashing Pumpkins, Sonic Youth e o próprio Nirvana.

+++ LEIA MAIS: Nirvana: 'Bebê de Nevermind' entra com novo recurso contra banda

Em entrevista ao Consequence, transcrita pelo Music Radar, Vig revelou não ter se impressionado com o Nirvana antes de produzi-los. À época, a banda tinha apenas um álbum lançado, Bleach (1989), que trazia ainda uma sonoridade crua e menos lapidada do que a apresentada em Nevermind.

“Achei meio unidimensional, mas havia uma música, ‘About a Girl’,  que para mim era uma música pop brilhante, soava como uma composição no estilo Lennon-McCartney. [...] Quando começamos a trabalhar, eles não tinham criado ‘Smells Like Teen Spirit’.”

Butch acompanhou todas as sessões de composição de Nevermind e viu que o potencial do Nirvana só crescia. Uma das primeiras criações foi a música “In Bloom”, um dos grandes hits do álbum e definida pelo produtor como “fantástica, com ótima melodia em cima de uma estrutura de acordes”.

+++ LEIA MAIS: Por que Dave Grohl se sentia como um 'alien' na infância?

Porém, o patamar atingido com “Smells Like Teen Spirit” foi outro. O produtor destaca:

“Alguns dias depois, surgiu uma fita cassete de ‘Smells Like Teen Spirit’. Kurt apresentou o novo baterista, Dave Grohl, como ‘o melhor baterista do mundo’. Assim que a música começou a tocar, a qualidade da gravação estava muita distorcida, uma m*rda, mas dava para ouvir tudo ali e dava para ver que era uma composição muito consistente.”

Nirvana e Beatles

Lembra que Butch Vig comparou “About a Girl”, música do primeiro álbum do Nirvana, a uma composição de John Lennon e Paul McCartney, certo? Na sequência da entrevista, o produtor disse que usou a paixão de Kurt Cobain pelos Beatles para desenvolver as composições.

+++ LEIA MAIS: Nirvana: Courtney Love culpa ‘Smells Like Teen Spirit’ por morte de Kurt Cobain

“Descobri que ele era fã dos Beatles e admirava a estética de John Lennon e o estilo de composição melódica de Paul McCartney. Arquivei isso como um ponto de referência para usar nas gravações. [...] Eu falava: ‘vamos fazer uma camada adicional de gravação’. Kurt ficava bravo e impaciente e eu dizia: ‘estamos tentando fazer isso soar maior que tudo’. Ele se negava, pois achava que ‘parecia falso’ gravar muitas camadas, mas eu o lembrava de como os vocais dos Beatles eram duplicados. Ele ficava em silêncio por cinco segundos e acabava concordando.”

Ainda que Cobain fosse um punk “raiz”, do tipo que ficava receoso quando sentia que algo comprometia a sinceridade de sua música, Nevermind foi concebido desde o início para soar mais acessível. E não foi preciso “reinventar a roda” para chegar a esse resultado, segundo o produtor.

"Ele estava desconfiado, porque embora tivesse assinado contrato com [a gravadora] Geffen, ele queria manter sua autenticidade punk. E a gravação de Nevermind é realmente simples. São basicamente eles tocando a música, com alguns overdubs e algumas harmonias e vocais. Eu realmente me concentrei mais na performance e no som de tudo que estava sendo gravado. Esse é o som de Nevermind.”