Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Como o Guns N’ Roses soaria se fosse emo? E nu metal? Descubra

YouTuber regravou todas as músicas do álbum de estreia do grupo, Appetite for Destruction, ao estilo de bandas como Limp Bizkit, My Chemical Romance, Oasis e Motörhead

Igor Miranda (@igormirandasite) Publicado em 04/01/2023, às 18h28

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Guns N' Roses (Foto: Getty Images)
Guns N' Roses (Foto: Getty Images)

Não há dúvidas de que o Guns N’ Roses é uma das bandas mais importantes do hard rock. Ainda que tenha flertado com outros subgêneros, dos contornos épicos de Use Your Illusion (1991) à pegada moderna de Chinese Democracy (2008), eles nunca abandonaram por completo o estilo que os consagrou no álbum de estreia, Appetite for Destruction (1987).

Mas você já parou para pensar como eles soariam se resolvessem tocar na pegada emocore? E se fossem uma banda de nu metal ou grunge, como seria?

+++ LEIA MAIS: Como as drogas fizeram Izzy Stradlin sair do Guns N’ Roses, segundo ex-empresário

Um youtuber chamado Steve Welsh fez a si mesmo essa pergunta e buscou uma resposta. O músico regravou trechos de todas as canções de Appetite for Destruction, incluindo clássicos como “Sweet Child O’Mine” e “Paradise City”, sempre no estilo de alguma banda diferente.

Apenas a abertura com “Welcome to the Jungle” foi reproduzida de forma próxima ao Guns. Já “It’s So Easy” ganhou contornos do heavy metal do Motörhead, enquanto “Nightrain” foi interpretada como se fosse o AC/DC na era Bon Scott - curiosamente, uma das grandes referências de Axl Rose. “Out Ta Get Me” na veia punk/ska do Rancid e “Mr. Brownstone” no estilo britpop do Oasis dão sequência ao registro.

O nu metal dá as caras com a reimaginação de “Paradise City” como Limp Bizkit, assim como o emo do My Chemical Romance inspira “My Michelle”. As partes mais afáveis do material são marcadas por dois extremos: “Think About You” à moda The Cure ganha contornos góticos, enquanto “Sweet Child O’Mine” vira um hino classic rock na veia do Kiss.

+++ LEIA MAIS: Izzy Stradlin rebate Axl Rose e explica por que não está na reunião do Guns N’ Roses

You’re Crazy” vira um hard n’ heavy cadenciado na pegada do W.A.S.P., “Anything Goes” explora o clima doom do Danzig e o grunge/alternativo do Smashing Pumpkins inspira “Rocket Queen”. Ufa! Assista ao resultado a seguir.

Guns N’ Roses e Appetite for Destruction

Lançado em 21 de julho de 1987, Appetite for Destruction é o álbum de estreia mais vendido da história dos Estados Unidos e o sétimo disco mais comercializado no país de forma geral, com 18 milhões de cópias somente no país natal do Guns N’ Roses. Mundialmente, estima-se que sejam mais de 30 milhões de unidades distribuídas.

Curiosamente, o trabalho não fez sucesso logo de cara. Levou quase um ano até que suas vendas pudessem decolar, visto que inicialmente as rádios americanas e a MTV se recusavam a tocar músicas como “It’s So Easy” e “Welcome to the Jungle”. A situação mudou quando o videoclipe da segunda canção citada foi exibido de madrugada na emissora, após meses de negociação com os executivos responsáveis pela programação. O êxito comercial se multiplicou com o lançamento dos singles “Sweet Child O’Mine” e “Paradise City”.

+++ LEIA MAIS: O que cada ex-integrante do Guns N’ Roses fez após a saída da banda?