Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Rock

Como um DJ de rádio salvou a carreira de um quebrado Jon Bon Jovi

Cantor não sabia a quem recorrer quando entregou fita de canção que se tornaria seu primeiro hit

Jon Bon Jovi (Foto: Getty Images)
Jon Bon Jovi (Foto: Getty Images)

Jon Bon Jovinão entrou do nada no mundo da música. Seu primo, Tony Bongiovi, é produtor musical e foi dono do estúdio Power Station, em Nova York, nos Estados Unidos. Gravou nomes como Gloria Gaynor, Talking Heads, Ramones, entre vários outros.

Ainda assim, o vínculo familiar não foi o suficiente para garantir o sucesso do vocalista do Bon Jovi na música. Foi preciso o envolvimento de um DJ de rádio que gostou muito do trabalho dele ainda nos primórdios.

Em uma sessão de perguntas e respostas promovida no Fairmount Century Plaza, hotel em Los Angeles, para celebrar seu 40º aniversário, Jon declarou ter sido salvo da falência por Chip Hobart, que trabalhava na estação nova-iorquina WAPP, hoje chamada WKTU.

+++LEIA MAIS: Jon Bon Jovi rebate críticas ao desempenho vocal e fala sobre problema de saúde: 'Confiante no meu médico'

“Eu lancei dois álbuns antes de Slippery When Wet (1986, responsável por seu estouro global) e o primeiro deles trazia a música ‘Runaway’ (primeiro hit). Recorri a um DJ, com uma fita cassete, porque estava frustrado como tantos outros jovens aspirantes a compositores: ninguém me ligava de volta. Nenhuma gravadora, nenhum empresário, nada.”

A busca por um DJ não ocorreu por acaso. Jon afirma ter pensado claramente por que procurar justamente esse tipo de profissional.

"Acabei pensando: ‘quem é o homem mais solitário, mas o mais apaixonado no mundo da música?’. Cheguei à conclusão: um DJ, porque está sozinho em uma sala, não sabe com quem está falando e é apaixonado por música e por artistas com os quais se importava.”
Caption

Jon Bon Jovi e o DJ que salvou sua carreira

Convencido de que não teria muitas chances após a tentativa com Chip Hobart, Jon Bon Jovi entregou uma fita com uma gravação de “Runaway” com músicos contratados, que sequer formavam uma banda com o cantor: o guitarrista Tim Pierce, o tecladista Roy Bittan, o baterista Frankie LaRocka e o baixista Hugh McDonald (que, curiosamente, foi vinculado ao Bon Jovi a partir da década de 1990). Foi o início de uma história vencedora na música.

“Bati na janela de uma estação de rádio e mostrei aquela música, ‘Runaway’, para esse DJ. Ele disse: ‘essa é uma música de sucesso’. Eu disse: ‘eu sei’. Com isso consegui um contrato de gravação e montei a banda.”

A história, claro, não é tão simples assim. Ao fazer contato com a rádio em questão, Jon falou com Hobart e com o diretor de divulgação da estação, John Lassman. Este recomendou que o cantor cedesse “Runaway” para entrar em uma coletânea de talentos locais, após o DJ realmente se encantar pela composição.

O artista, curiosamente, não queria. Porém, acabou convencido de que aquele seria o melhor destino para a gravação. O pessoal da rádio estava certo: a entrada na coletânea e na programação tornaram “Runaway” um hit. Só depois o Bon Jovi acabou sendo formado com os integrantes que conhecemos: Richie Sambora na guitarra, Alec John Such no baixo, Tico Torres na bateria e David Bryan nos teclados, além de Jon nos vocais.

Chip Hobart, o “herói” da carreira de Jon Bon Jovi, morreu em 2021, após uma longa batalha contra um câncer. Pelo Instagram, o cantor o homenageou:

“Todo garoto da música sonha em ouvir sua canção no rádio. Em 1983, eu levei isso a outro nível ao trazer ‘Runaway’ para uma estação de rádio. Agradeci a Chip mil vezes por aquele dia. Esta semana entrei em contato com meu velho amigo para convidá-lo para tocar ‘Runaway’ em um projeto muito especial em que estamos trabalhando. Descobri que ele havia falecido em março (de 2021). Obrigado meu amigo, pela 1001ª vez.”