Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Conheça The Band Camino, banda 'revelação' da GPWeek que foi notada por Taylor Swift [ENTREVISTA]

The Band Camino sobe ao palco da GPWeek no Allianz Parque na tarde deste sábado, 12

The Band Camino (Foto: Divulgação)
The Band Camino (Foto: Divulgação)

Dentre grandes bandas como Fresno, Twenty One Pilots e The Killers, o line-up da GPWeek conta com uma grata surpresa: The Band Camino, grupo fundado em 2015 e formado atualmente por Spencer Stewart (vocal e guitarra), Jeffery Jordan (vocal, guitarra e teclado) e Garrison Burgess (bateria). Além disso, eles foram até notados por Taylor Swift, em 2017, quando incluiu uma música deles em playlist.

Com alguns singles e EPs, The Band Camino lançou o primeiro disco de estúdio, o qual leva o mesmo nome da banda, em 10 de setembro de 2021 com 14 faixas ao todo. Mesmo com tempo relativamente curto de estrada, a banda já tocou em diversos grandes festivais, lugares do mundo e até conquistaram milhões de visualizações pelas plataformas de streaming.

+++LEIA MAIS: Kygo promete show na GPWeek com 'músicas não lançadas' [ENTREVISTA]

Em entrevista exclusiva à Rolling Stone Brasil, os três integrantes da banda falaram sobre a vinda ao Brasil (será a primeira vez), expectativas para o show na GPWeek e também fizeram um retrospecto desses mais de sete anos de carreira.

Mesmo sem nunca terem vindo ao Brasil ou América do Sul, os integrantes do The Band Camino conhece a fama do público e fãs latinos serem destaque e bastante eufóricos nos shows internacionais que acontecem pela região.

+++LEIA MAIS: The Killers toca em Brasília com Capital Inicial e Jovem Dionísio

"Quer dizer, eu obviamente vi muitos vídeos das minhas bandas favoritas tocando no Brasil e na América do Sul, e parece uma loucura," afirmou Jeffery Jordan. "Nós vamos trazer a energia, vamos nos divertir e curtir. Provavelmente será uma das maiores plateias para as quais já tocamos. É massivo."

Então, estamos apenas animados. Aterrissamos na sexta de manhã e depois voltamos no domingo à noite. Estaremos no Brasil apenas para o fim de semana. Será muito rápido, mas estamos ansiosos para ver e ter essa experiência.

Além de representar a primeira vez deles na América do Sul, os integrantes da banda estão bastante empolgados com GPWeek para abrir para The Killers, uma das principais atrações do festival que acontece no Allianz Parque neste sábado, 12.

+++LEIA MAIS: GPWeek anuncia show de Kygo em São Paulo

"Já os vimos juntos algumas vezes em festivais. Mas nunca foi algo de 'como que tão as coisas?' Então eu realmente espero poder pelo menos dizer ‘oi’ para o Sr. Flowers. Grandes inspirações," exaltou a banda. "Definitivamente uma das nossas bandas favoritas de todos os tempos e uma grande inspiração no que fazemos. Então, estou feliz pela oportunidade de jogar antes deles e Twenty One Pilots também."

Para a apresentação na GPWeek, The Band Camino promete "guitarras realmente altas" e "bastante bateria." Além disso, Jeffery Jordan destacou como a banda está bastante empolgada com o show: "Todo mundo vai trazer seu melhor, e espero que possamos fazer alguns fãs no Brasil."

+++LEIA MAIS: GPWeek: Festival com Twenty One Pilots 'não está na programação oficial' do Grande Prêmio de São Paulo


Rolling Stone Brasil: Essa é a primeira vez de vocês no Brasil, certo? Como estão suas expectativas?
Jeffery Jordan: Honestamente, eu realmente não sei o que esperar. Estou tão animado. Eu nunca estive na América do Sul. Acho que nenhum de nós já esteve na América do Sul. Então, estamos apenas animados. Aterrissamos na sexta de manhã e depois voltamos no domingo à noite. Então, estamos lá apenas para o fim de semana. Será muito rápido, mas estamos ansiosos para ver e ter essa experiência.

E como está a agenda de vocês, chegam quando aqui? Vocês ainda planejam conhecer um pouco o país ou já vão precisar seguir com outros shows?
Jeffery Jordan: Bem, estamos tentando descobrir o que vamos fazer no domingo, eu acho, porque sexta-feira temos coisas de passagem de som. E então sábado, nós vamos fazer o show. Jogamos às três horas no sábado. Então, depois disso, provavelmente vamos ficar no show e assistir The Killers. E quem sabe. Não sei se vocês têm recomendações sobre o que precisamos fazer por aí. Provavelmente vamos para a corrida de Fórmula 1 no domingo, por que não? Mas é difícil porque ficaremos [no Brasil] apenas por um dia, domingo é realmente o único dia que temos para fazer o que quer que seja. Tipo: 'Nós queremos ir para a corrida ou há algo que devemos ver?' Eu não sei.

Vi que vocês gostam de The Killers, qual a expectativa de abrir para eles? Tem algum outro artista na GPWeek que vocês curtem?
Jeffery Jordan: Todos nós somos grandes fãs de The Killers há muito tempo. Já os vimos juntos algumas vezes em festivais. Mas nunca foi algo de 'como que tão as coisas?' Então eu realmente espero poder pelo menos dizer ‘oi’ para o Sr. Flowers. Grandes inspirações. Definitivamente uma das nossas bandas favoritas de todos os tempos e uma grande inspiração no que fazemos. Então, estou feliz pela oportunidade de jogar antes deles e Twenty One Pilots também.
Spencer Stewart: Sim, o show deles é incrível. Twenty One Pilots também faz um set sensacional… eles são estrelas, cara, estrelas.

Falando em expectativas, o que seus fãs e público do festival podem esperar do show de sábado?
Garrison Burgess: Guitarras realmente altas, bateria grande, você sabe. Estamos realmente empolgados em fazer esse show. Acho que vai ser bom. Todo mundo vai trazer seu melhor, e espero que possamos fazer alguns fãs no Brasil.
Jeffery Jordan: Sim, ouvimos dizer que o público da América do Sul é muito divertido. Quer dizer, eu obviamente vi muitos vídeos das minhas bandas favoritas tocando no Brasil e na América do Sul, e parece uma loucura. Nós vamos trazer a energia, vamos nos divertir e curtir. Provavelmente será uma das maiores plateias para as quais já tocamos. É massivo.

Agora falando mais sobre a carreira de vocês, vocês lançaram o primeiro disco ano passado. Conta como foi a sensação de lançar um trabalho tão importante e um pouco do processo criativo dele.
Jeffery Jordan: Foi muito, muito bom. Somos uma banda há sete anos. Então tem sido um longo caminho para lançar diferentes singles e EPs. E então chegamos ao ponto em que nós, você sabe, tínhamos o orçamento, o tempo, as músicas e os recursos para fazer um álbum completo. Foi muito legal. Mas foi estranho, porque fizemos o disco inteiro durante a pandemia. Assim que o mundo meio que fechou, estávamos entrando em modo de estúdio. E então nós meio que tínhamos tanto tempo em nossas mãos que levamos meses e meses para fazer isso. Ficamos em um estúdio em El Paso, Texas por um mês, apenas trabalhando lá. E então voltamos para Nashville, e então tivemos muito tempo. Estávamos escondidos, trabalhando e usando muito de nossa criatividade. Então foi realmente interessante lançar o álbum e ver a situação meio que se abrindo de novo. Nós finalmente estávamos fazendo shows novamente e lançando essa coisa que foi apenas nossa por tanto tempo. Foi uma experiência muito estranha, mas legal.
Spencer Stewart: Sim, experiência totalmente legal poder tirar um mês para focar no disco. Sinto como provavelmente nunca teremos essa oportunidade novamente de sentar e fazer um álbum completo em um mês e apenas nos escravizar todos os dias.

Vocês têm dois cantores na banda, Jeffery e Spencer. Como é dividir essa função e como surgiu essa proposta de duas pessoas cantarem? Foi algo mais natural?
Jeffery Jordan: Aconteceu bem naturalmente. Começamos tocando em shows de covers e festas de faculdade. Eu e Spencer nos conhecemos na faculdade. E então, uma vez que decidimos começar uma banda juntos, era como se nós dois fôssemos cantores, ambos cantássemos músicas. Então, fazia sentido seguir o fluxo. Mas isso sempre acontece muito naturalmente. Como raramente temos que falar sobre, você sabe, quem vai cantar o quê. Nós somos, obviamente, melhores amigos e irmãos, e passamos tanto tempo juntos e vivemos tanta vida juntos. Acho que nossas vozes soam definitivamente diferentes. Mas muita gente não percebe que a banda tem dois cantores. Acho que passamos tanto tempo juntos e parecemos juntos que meio que sabemos gostar de nos misturar de uma certa maneira. Somos tipo parentes em harmonia, coisas assim. Podemos ler as mentes uns dos outros. Fatos.

Vocês tem um tempo curto de carreira, mas já tocaram em festivais grandes, como Lollapalooza, shows internacionais e até foram notados pela Taylor Swift - além de milhões de streams pela internet. Vocês já sentiam que iam ter esse sucesso? Como eram as expectativas de vocês?
Jeffery Jordan: Nós sempre dissemos que queríamos ser a maior banda do mundo. Então acho que estamos no caminho certo, espero que tocar no Brasil mude o jogo para nós. Mas quero dizer, a coisa de Taylor Swift aconteceu muito cedo para nós. Nós éramos uma banda por tipo, há uns dois anos, e ela aleatoriamente colocou uma de nossas músicas, que gravamos por conta própria em Memphis, em uma de suas playlists. Então foi um momento louco. Aconteceu rápido. Mas nunca tivemos um momento em que nos tornamos virais ou algo realmente explodiu. Tipo, nunca tivemos um dia em que ficamos: ‘Oh meu Deus, acabamos de ganhar tantos seguidores ou tantas visualizações’. Por sete anos, tem sido como um fã de cada vez e um show de cada vez, tipo, você sabe, apenas como pegar alguns fãs enquanto passamos pela rotina de fazer turnês e apenas lançar música consistentemente os anos. Então tem sido rápido. E é legal gostar, pensar no passado e ficar tipo, uau, veja o que conseguimos fazer em sete anos, mas nem sempre parece assim às vezes, quando você está nas trincheiras.