Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / ROCK

Dave Mustaine explica como raiva pelo Metallica levou à criação do Megadeth

Músico foi expulso da banda após série de comportamentos erráticos e colocado em viagem de ônibus de 4 mil quilômetros

Dave Mustaine (Foto: Reprodução Instagram)
Dave Mustaine (Foto: Reprodução Instagram)

Não é segredo para ninguém que Dave Mustaine tem uma relação cheia de altos e baixos com o Metallica, banda que integrou entre 1981 e 1983. O músico foi dispensado da função de guitarrista após uma série de problemas internos envolvendo alcoolismo e comportamento errático. Montou o Megadeth com a intenção de soar “melhor e mais pesado” que seu antigo projeto e conquistou a fama mundial, mas nunca deixou de falar dos ex-colegas.

Hoje, felizmente, a relação é mais branda. Porém, ao refletir sobre o passado, Mustaine admite que sentimentos negativos motivaram a criação da banda que lidera há décadas, o Megadeth.

Em entrevista à Metal Hammer (via Guitar.com), o vocalista e guitarrista contou que suas primeiras ambições para o grupo foram “impulsionadas pela vingança”. Após causar uma série de problemas — em especial devido ao seu alcoolismo —, o músico foi demitido do Metallica e imediatamente colocado em uma viagem de ônibus de Nova York (onde eles estavam) a Los Angeles. São mais de 4 mil quilômetros.

“Fui movido pela vingança. Fiquei bravo com o que aconteceu com o Metallica e, durante todo o caminho para casa, fiquei pensando: ‘serei mais rápido, serei melhor e minhas músicas serão mais pesadas’.”

Um dos primeiros parceiros musicais de Dave nessa etapa foi Kerry King. O futuro guitarrista do Slayer ocupou uma vaga no Megadeth de forma temporária. Mustaine define isso como uma “gentileza” por parte do colega de instrumento.

“Quando Kerry veio conosco [para cinco shows no início de 1984], ele estava nos fazendo um grande favor. Ele não tinha planos de estar no Megadeth porque amava o Slayer, e essa era a banda dele. Eu realmente não queria tirá-lo de outra banda. Caçar membros de uma banda nunca foi algo que eu tenha gostado.”

Relutância para cantar

Em outro trecho da entrevista, Dave Mustaine contou que relutou muito para se tornar o vocalista do Megadeth. No Metallica, ele assumia apenas a guitarra.

“Fiquei relutante até o último minuto. Mas então eu finalmente disse: ‘ok, f#da-se, não posso ser pior do que alguns desses outros caras que testamos’.”

Opinião sobre o substituto

Em outra entrevista, agora à Guitar World(via site Igor Miranda), Dave Mustaine admitiu que passou do ponto nos deboches a Kirk Hammett, guitarrista que o substituiu no Metallica a partir de 1983. De acordo com Dave, Kirk nunca fez nada diretamente a ele e apenas ocupou sua vaga após convite dos remanescentes: James Hetfield (voz e guitarra), Lars Ulrich (bateria) e o saudoso Cliff Burton (baixo).

“Eu sempre tirei sarro de Kirk. E injustamente, pois ele nunca fez nada comigo. Sempre que eu me sentia perseguido ou desprezado por James ou Lars, era muito fácil escolher Kirk para implicar.”

Ainda em sua declaração, Dave revelou o que mais faz respeitar seu colega de instrumento: o fato de nenhum de seus solos originais terem sido alterados nas gravações do álbum Kill ‘Em All. Lançado também em 1983, o disco traz músicas compostas ainda com Mustaine na banda, mas Hammett teve o cuidado de preservar os solos criados por seu antecessor.

“A verdade é que Kirk me honrou ao tentar tocar meus solos nas primeiras músicas do jeito que ele fez. Acho que algumas pessoas teriam feito do jeito delas. Então, achei honroso que Kirk pegou meus solos e fez o possível para tocá-los como eu fiz.”