David Crosby, Graham Nash e Stephen Stills se unem a Neil Young e retiram músicas do Spotify

Ex-companheiros de grupo, David Crosby, Graham Nash e Stephen Stills apoiaram Neil Young ao retirar músicas do Spotify: 'Desinformação perigosa'

Andy Greene | Rolling Stone EUA. Tradução: Marina Sakai (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 02/02/2022, às 17h19

None
Da esquerda para direita: Graham Nash, Neil Young, David Crosby e Stephen Stills (Foto: Reprodução / Twitter)

David Crosby, Graham Nash e Stephen Stills não concordaram em muitos assuntos desde que dissolveram o grupo Crosby, Stills, Nash & Young em 2015 após uma disputa acirrada, mas a decisão de Neil Young de remover sua música do Spotify os inspirou a se unir e fazer o mesmo.

Em declaração em grupo, estão pedindo às suas gravadoras que removam o catálogo da CSNY do Spotify junto com seus trabalhos solo. “Apoiamos Neil e concordamos com ele que há desinformação perigosa sendo veiculada no podcast de Joe Rogan do Spotify” disseram. “Embora sempre valorizemos pontos de vista diferentes, espalhar desinformação conscientemente durante esta pandemia global tem consequências mortais. Até que uma ação real seja tomada para mostrar que a preocupação com a humanidade deve ser equilibrada com o comércio, não queremos nossa música — ou a música que fizemos juntos — esteja na mesma plataforma.”

+++LEIA MAIS: Neil Young pede para Spotify removê-lo do catálogo após ultimato sobre podcast antivacina; entenda

Nash começou o processo de tirar sua música do Spotify no início desta semana, mas Crosby indicou que não conseguiu fazer tal movimento após vender seus direitos publicação em 2021. Até o momento, todos os discos do CSN/CSNY estavam disponíveis no Spotify, juntamente com os catálogos solo completos de David Crosby, Stephen Stills e Graham Nash. Não está claro quando isso mudará ou se eles têm o poder de remover seus álbuns simplesmente emitindo uma solicitação pública.

Os discos de Neil Young foram retirados do serviço na semana passada devido à desinformação sobre covid-19 sendo divulgada no podcast de Rogan. “Apoio a liberdade de expressão,” escreveu o músico. “Nunca fui a favor da censura. Empresas privadas têm o direito de escolher com o que lucrar, assim como eu posso optar por não ter minha música suportando uma plataforma que espalha informações nocivas.”

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Neil Young Archives (@neilyoungarchives)

 

+++LEIA MAIS: Neil Young oferece assinaturas no Amazon Music após polêmica com Spotify; entenda

Rogan respondeu com um vídeo em que prometeu fazer um trabalho melhor ao apresentar os dois lados do debate sobre vacinas. “Talvez me esforce mais para trazer pessoas com opiniões diferentes – isso é importante, e farei o meu melhor para ter certeza de que pesquisei esses tópicos, os controversos em particular, e ter todos os fatos pertinentes em mãos antes de discuti-los.”

O Spotify, por sua vez, prometeu adicionar um “aviso de conteúdo” a qualquer podcast que discuta covid-19. “Com base no feedback das últimas semanas, ficou claro para mim que temos a obrigação de fazer mais para fornecer equilíbrio e acesso a informações amplamente aceitas das comunidades médicas e científicas que nos orientam nesse período sem precedentes,” disse o CEO Daniel Ek em comunicado. “Essas questões são incrivelmente complexas.”

+++LEIA MAIS: l Young não fará turnês até que pandemia de covid-19 tenha terminado: 'Não ligo se for o único'

Após a mudança de Young, Nils Lofgren e India.Arie também removeram suas músicas do Spotify.