Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Dream Theater promete show 'inacreditável' no Rio de Janeiro e elogia fãs brasileiros [ENTREVISTA]

Em entrevista à Rolling Stone Brasil, James LaBrie, frontman do Dream Theater, também falou do disco A View from the Top of the World (2021)

Dream Theater (Foto: Rayon Richards)
Dream Theater (Foto: Rayon Richards)

Após cerca de dois anos longe dos palcos por conta da pandemia de coronavírus, Dream Theater enfim retornou a fazer apresentações ao vivo. No começo dessa volta, a banda de metal progressivo estadunidense carimbou o passaporte para vir ao Brasil em duas apresentações: São Paulo e Rio de Janeiro.

O show de São Paulo aconteceu no Tokio Marine Hall na última quarta, 31, enquanto o do Rio de Janeiro acontece na noite desta sexta, 2. Em entrevista exclusiva à Rolling Stone Brasil, James LaBrie, frontman do grupo, comentou as expectativas para vir ao país, assim como produção do mais recente disco de estúdio deles, A View from the Top of the World (2021).

+++LEIA MAIS: Ex-baterista do Dream Theater critica Aerosmith por afastamento de Joey Kramer: ‘Ridículo’

"Os shows serão inacreditáveis," afirmou LaBrie. "Todo mundo está animado para voltar. Você sabe, estamos em turnê desde fevereiro de 2022. [...] É ótimo estar de volta e fazer o que amamos fazer. E eu sei que isso vale para os fãs também: poder voltar, curtir shows, voltar para a cena musical."

Na entrevista, o vocalista revelou que, após tanto tempo longe dos palcos, os integrantes da banda tiveram um certo nervosismo antes de fazer o primeiro show de 2022, como se fossem "uma banda de colegial."

Mas, quando subimos no palco, e estávamos na primeira música - e definitivamente na segunda música -, tudo voltou ao normal. E todos nos sentimos muito bem.

+++LEIA MAIS: Para os amantes de rock: confira 7 vinis para aumentar sua coleção

Além disso, durante pandemia de coronavírus, Dream Theater trabalhou em A View from the Top of the World, 15º álbum de estúdio da banda. James LaBrie explicou que o trabalho "é um ótimo exemplo do espírito humano," visto que "todos tivemos tempo de dar um passo atrás e refletir sobre o que realmente importa na vida e perceber como ela é muito frágil" durante o processo criativo.

Leia, abaixo, a entrevista de James LaBrie à Rolling Stone Brasil na íntegra:

+++LEIA MAIS: Macy Gray anuncia quatro shows em São Paulo


Rolling Stone: Como estão as expectativas de vocês para esses dois shows no Brasil pós-pandemia?
James LaBrie: Acho que vão ser inacreditáveis. Todo mundo está animado para voltar. Você sabe, estamos em turnê desde fevereiro de 2022, na verdade, fizemos uma turnê norte-americana. E então, fomos para a Europa, onde ficamos até o início de junho. Agora, acabamos de voltar do Japão e da Indonésia, cerca de uma semana atrás.
É ótimo estar de volta e fazer o que amamos fazer. E eu sei que isso vale para os fãs também: poder voltar, curtir shows, voltar para a cena musical. Quero dizer, eu acho que é o que todos nós desejamos, seja banda ou fã, não importa.

É sobre voltarmos a ficar juntos e curtir o que amamos. E isso é música, você sabe. Então, é que os dois shows serão incríveis, você sabe, estamos realmente ansiosos para fazer essas performances, com certeza.

Rolling Stone: O que seus fãs podem esperar dos shows em São Paulo e no Rio? Qual será a diferença entre essas duas apresentações?
James LaBrie:
 Ambos os shows serão incríveis. Nós temos uma setlist muito forte com músicas que achamos que serão exatamente o que todo mundo está procurando, no que diz respeito à emoção, e toda essa conexão com o Dream Theater como uma entidade musical, eu acho que tudo se resume às músicas que vamos tocar, que são muito poderosas.
Realmente cria um passeio muito dinâmico ao longo da noite. Então, você sabe, São Paulo será um grande show, porque é apenas, você sabe, um belo local. E depois o festival. Quero dizer, é diferente no festival, porque vai haver tantas pessoas, 100.000 pessoas ou algo assim.
Você sabe, há tantas bandas tocando no dia. Isso realmente prepara todos os fãs para um grande dia de música, com tantas bandas diferentes.
E então, quando continuarmos, teremos um ótimo conjunto de músicas, pronto para tocar, e será um show poderoso. Você sabe, nós vamos continuar lá e vamos chutar traseiros.

Rolling Stone: Como está a volta aos palcos após tanto tempo longe deles na pandemia?
James LaBrie: 
Bem, nosso primeiro show em 2 de fevereiro, em Phoenix, EUA. Então, antes de tudo, foi emocionante pensar: 'Ok, vamos voltar e fazer o que amamos fazer.' Mas, ao mesmo tempo, todos nós sentíamos que éramos uma banda de colegial, sabe, se reunindo e tocando na frente da escola. Porque não fazíamos isso há mais de dois anos.
Então você tinha tudo isso e um pouco de nervosismo. Mas, quando subimos no palco, e estávamos na primeira música - e definitivamente na segunda música -, tudo voltou ao normal. E todos nos sentimos muito bem. Mas havia um pouco de nervosismo inicial porque não fazíamos isso há muito tempo.
Sentimo-nos ótimos, mas foi um pouco, foi um pouco diferente para a banda, com certeza. Como tenho certeza que tem sido para muitas outras, quando forem fazer seu primeiro show após tanto tempo longe.

Rolling Stone: Vocês já vieram algumas vezes para o Brasil. O que você mais gosta do público brasileiro?
James LaBrie:
Se você pensar na primeira vez na qual viemos ao Brasil, em 1998, ficamos completamente impressionados com a quantidade de fãs no Brasil. Eles apenas nos abraçaram, você sabe, e nos deixaram saber desde o início que nos amavam. E eles amam nossa música. Os shows foram tão eletrizantes porque os fãs estavam lá cantando muito animados, com grandes sorrisos.
Nós ficamos tipo: 'Uau, isso é incrível, que experiência!' Isso realmente nos encanta, porque percebemos o quão profundamente comovidos eles são por nós. E são grandes fãs, e eles estiveram lá desde a primeira vinda. Cada apresentação que fazemos no Brasil é sempre um grande show, sempre com muita energia.

Nossos fãs no Brasil são de primeira qualidade, com certeza.

Rolling Stone: A View from the Top of the World foi seu último disco de estúdio. Como foi produzir ele na pandemia e como vocês pretendem trabalhar com o álbum nos dois shows aqui no Brasil?
James LaBrie:
A View from the Top of the World é um ótimo exemplo do espírito humano, porque você precisa perceber que, quando entramos no estúdio para produzir o disco, estávamos no meio da pandemia. Todos tivemos tempo de dar um passo atrás e refletir sobre o que realmente importa na vida e perceber como ela é muito frágil.
Você vê todas essas pessoas morrendo com esse vírus e foi horrível de testemunhar. Mas, aqui estamos, temos nossas famílias, temos uns aos outros e somos saudáveis. Não podemos ignorar isso. Muito desse sentimento, essa emoção e essa percepção de quão precioso tudo é, realmente alimentou as músicas.
De certa forma, inspirou-nos a escrever o tipo de álbum que fizemos com A View from the Top of the World, só porque estávamos tão agradecidos por poder fazer o que amamos. Então, acho que o disco é um verdadeiro testamento da resiliência humana, do espírito humano e apenas de estarmos juntos e unidos, além de conseguirmos criar e fazer o que sabíamos.

Rolling Stone: Como é o processo de vocês para escolher as músicas que vão para os shows?
James LaBrie:
É muito difícil de montar porque temos muitas músicas, e conhecemos nossos fãs, todos os fãs têm músicas particulares que amam. É um processo de eliminação, onde cada cara da banda escreve uma lista de músicas que gostaria de ver na setlist. O que fazemos é escolher o que sentimos. Então, começamos a pensar: 'Ok, espere um pouco minuto, quais músicas tocamos em um tempo? Que músicas nossos fãs curtem?' Percebemos ao longo dos anos.

Levamos tudo isso em consideração. De maneira lenta, mas segura, montamos o setlist.

Rolling Stone: Vocês já estão pensando no sucessor de A View from the Top of the World? Ou estão focados na turnê mundial?
James LaBrie:
Neste momento, estamos olhando para nossa agenda: provavelmente estaremos em turnê até meados de 2023. Depois disso, provavelmente daremos uma pausa. E então nós começar a pensar em outro disco.
Sabe, eu também estou promovendo meu álbum solo, Beautiful Shade Of Grey (2022). Vai demorar um pouco até Dream Theater voltar ao estúdio, criando o novo disco, com certeza.

Rolling Stone: Algum recado que você quer dar para seus fãs?
James LaBrie:
Em primeiro lugar, Brasil, nós te amamos. Vocês mostraram a todos nós no Dream Theater o quanto amam nossa música e quem somos. Não podemos agradecer o suficiente. Sempre ficamos tão empolgados e animados para chegar aí e fazer nossos shows.
[Em 2022] não será exceção. Este vai ser um momento incrível para nós fazermos os shows de São Paulo e Rio de Janeiro. Será um momento incrível para nós.