Rolling Stone Brasil
Busca
Facebook Rolling Stone BrasilTwitter Rolling Stone BrasilInstagram Rolling Stone BrasilSpotify Rolling Stone BrasilYoutube Rolling Stone BrasilTiktok Rolling Stone Brasil
Música / Exclusivo

Duda Beat vira o disco em turnê dançante: "a hora de arriscar é agora"

Em entrevista à Rolling Stone Brasil, cantora explicou como tomou ainda mais as rédeas da própria música em 'Tara & Tal' e o que esperar da turnê que começa nesta quinta-feira (16)

Duda Beat (por Gabriela Schmidt)
Duda Beat (por Gabriela Schmidt)

Duda Beat quis dar um tempo para o público aprender suas letras. Foi um mês entre o lançamento de Tara & Tal, o terceiro álbum da cantora pernambucana, e o lançamento da Tara & Tour, novo show, que ela apresenta na noite desta quinta-feira (16) no Espaço Unimed, em São Paulo. Mais que uma estratégia, é a maturidade de Duda, que ela buscou imprimir tanto no disco quanto na turnê.

Capa de 'Tara e Tal', de Duda Beat (Divulgação)

"Na última turnê a gente teve muita coisa acontecendo ao mesmo tempo no palco. A Tara & Tour é um novo show onde a luz é protagonista. Acho que as coisas vão amadurecendo", disse a cantora em entrevista à Rolling Stone Brasil.

"Vai ser um show que eu vou trazer muitas músicas do Te Amo Lá Fora e do Sinto Muito. Todas as músicas do novo álbum, que foi uma coisa que não aconteceu no último no último show, né? Eu tirei algumas músicas do Te Amo Lá Fora que não cabiam muito. Então vamos trazer todas as músicas desse disco novo nesse show e eu tô muito feliz, acho que a galera vai ver um super espetáculo, com início, meio e fim, com uma história sendo contada."

E a história que Duda conta aqui é a do preparo para uma noite dançante: "é um álbum que vai acompanhar a pessoa do momento que ela tá trocando de roupa para sair até o momento que ela volta para casa. Era esse o meu desejo sim, o de acompanhar a essa pessoa noite inteira". Segundo Duda, o clima do disco "reflete um momento muito gostoso da minha vida em Recife, quando eu saía, ia para as tendas eletrônicas das praias de Pernambuco."

A evolução, conta a cantora, compõe uma mudança para a "sofrência pop", pela qual ela tornou-se conhecida: "esse vai ser um álbum para dançar - ainda vai ter ali os 30% de sofrência, mas eu quero me jogar".

+++ LEIA MAIS: Duda Beat dá detalhes de novo disco e cita resistência de rádios do sudeste: 'não consigo entender'

Duda Beat (por Gabriela Schmidt)

De pulso firme

Duda garante que a assertividade é parte de seu método de trabalho - é ela a dona do projeto, quem dá o ponto final nas decisões criativas, não apenas deste álbum, mas também dos anteriores, Te Amo Lá Fora (2022) e Sinto Muito(2018) - os dois, como Tara & Tal, produzidos ao lado de Luks e Tomás Tróia:

"Eu sou a produtora também junto com eles, porque eu fico o tempo inteiro. Às vezes eu entrego a canção, letra, melodia e harmonia. Eu digo como eu quero a música, 'quero assim, quero dançar desse jeito, acho que essa música tem que ter assim'. Então é isso, eu sempre compartilho as coisas com eles e eles me atendem, afinal eu sou a cliente, de certa forma [risos], a sócia-majoritária dessa situação. A gente faz a três mãos, mas no final quem decide sou eu, o que eu quero, como eu quero, quanto tempo..."

Tara & Tal marca também um capítulo diferente para Duda Beat - trata-se do primeiro álbum da cantora que não é distribuído de forma independente. Em novembro de 2023, ela assinou com a Universal Music Brasil. A parceria, garante, não afetou em nada o processo criativo do terceiro disco, que já estava pronto à época do contrato com a companhia. Mas foi, por outro lado, passo importante para onde ela deseja chegar com sua obra:

"Para mim foi um passo importante. Sinto que cheguei num teto. Com a gravadora sinto que vou sair desse teto um pouco, vou chegar em lugares que, sozinha, talvez eu não conseguisse. Por exemplo, talvez um feat internacional que eu tenho muita vontade, eles podem me ajudar."

Ainda assim, a cantora faz questão de reforçar a importância que iniciar a carreira como uma artista independente teve para ela: "Todo mundo chega para mim e fala assim: 'Ah, eu quero lançar uma carreira'. Eu eu respondo: 'começa independente'. Foi a melhor coisa que eu fiz na vida, porque eu consegui entender como funciona, quanto eu valho, quanto eu ganho, quanto eu gasto, quanto eu invisto. Como independente, eu fui no meu limite e foi maravilhoso. Agora eu quero dar mais um passo."

+++ LEIA MAIS: Jessie Ware e Duda Beat podem se unir em feat? Cantoras respondem

Duda Beat (por Gabriela Schmidt)

A hora de arriscar

Dona de uma sólida carreira ascendente, Duda prepara, com o show de hoje, o primeiro capítulo ao vivo do que ela própria determina como uma nova fase em sua carreira. E afirma navegar bem pelas inseguranças que o momento despera: "Eu acho que a vida inteira eu vou ter inseguranças", diz.

"Inseguranças no sentido do novo, né, de lançar o novo. Porque sou uma artista que gosto de ousar, de me arriscar. Eu fico me convencendo também, de que as pessoas vão entender. Se não entenderem também, eu já tenho o show garantido, que a galera gosta, então tá tudo bem também. A hora de me arriscar é agora."

Um show garantido, é claro, mas que não abandona a necessidade de Duda de ousar, arriscar e subverter. A diferença agora está na experiência de uma cantora que, em apenas seis anos, saltou de um talento regional para um dos atos pop mais conhecidos do país.

"Eu me conheço, então eu sempre vou trazer um negócio diferente, um negócio novo, senão vou me entediar. Porque quando eu surgi, e depois que surgi, eu não fui taxada como a 'nova alguma coisa'. Eu sempre fui a Duda Beat, que inaugurou a prateleira da sofrência pop, do pop alternativo, o que quer que seja. Então isso é muito poderoso, não tem como comparar. E isso é o que me faz ser eu."

DUDA BEAT – ESTREIA TARA E TOUR

Data – 16 de Maio
Abertura dos portões – 20h
Início show – 22h
Local – ESPAÇO UNIMED
Rua Tagipuru, 795 - Barra Funda - São Paulo - SP