Emidoiña - Alma de Fogo: Animação do disco de André Abujamra resgata vínculo entre humanidade e natureza no pós-covid [REVIEW]

Após Emidoiña - Alma de Fogo, disco indicado ao Grammy Latino, André Abujamra aposta em mitologia e metáforas em representação audiovisual do projeto

Marina Sakai (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 17/10/2021, às 10h00

None
Capa de Emidoina, disco visual de André Abujamra (Foto: Divulgação)

André Abujamra embarcou em um projeto diferente em 2018: ao longo de quatro discos, tinha o objetivo de dialogar com cada elemento da natureza — Água, Ar, Terra e Fogo. Alguns anos e 13 países depois, o artista lançou o álbum Emidoiña - Alma de Fogo em 2020, sobre o poder de destruição e regeneração das chamas. Agora, lançou uma representação audiovisual do trabalho.


Premissa de Emidoiña, de André Abujamra

A animação acompanha Iskandar, representação do próprio Abujamra, em uma missão para reencontrar o vínculo perdido entre humanidade e natureza. Parte do princípio que o mundo se rebelou contra os seres viventes, pois o Homem deixou o individualismo, a posse, vaidade e desejo dominarem. O filme é, basicamente, uma trajetória de herói: o protagonista atravessa rios, ultrapassa vulcões e enfrenta vilões tenebrosos para trazer de volta aquilo que não morre, o amor.

+++LEIA MAIS: NFT: como o futuro da venda da arte chegou no Brasil e porque conhecer novo modelo milionário de negócios

Abujamra é um homem de muitas profissões. Cantor, maestro, compositor, multi-instrumentista, ator, diretor é, acima de tudo, artista. Consciente para embutir algum aspecto de crítica social ou relação com o cenário presente — na época do lançamento do disco, a pandemia de covid-19 — o criador usou o fogo como metáfora para a doença, aquilo que destrói tudo.

Com desenhos em preto e branco que aparecem na tela no ritmo da música e uma incrível representação visual do som, Emidoiña carrega o público por uma trajetória repleta de simbologias com deuses egípcios e personagens mitológicos. A experiência é uma reflexão sobre de onde viemos e para onde vamos, a relação simbiótica entre vida e morte e como o amor une as pessoas — “ essa é a alma de fogo dos homens que queima e destrói, mas une o planeta,” de acordo com as palavras de Abujamra.

+++LEIA MAIS: Rock in Rio 2015: André Abujamra e André Moraes comandam mais um show de homenagens, desta vez a filmes de terror

Cada canção conta uma história própria, até chegar à música final, a qual conecta todas com o poder do fogo e da transformação. Mostra diversos alvos em formato de pessoas — da comunidade LGBTQ+, de religiões diferentes, raças e etnias variadas, pessoas com deficiências — e enfatiza como o fogo queima todas elas, sem distinção.

Por fim, Abujamra termina com uma nota otimista, a esperança de um mundo melhor. Tudo fica colorido — pela primeira vez na experiência audiovisual — com o Profeta sinalizando que a Terra agora é habitada pela paz, harmonia, liberdade e respeito. O fogo, portanto, cumpriu seu papel de destruição e regeneração. E a frase inicial do filme (“que todas as dores sejam lavadas pelo mar, que as lágrimas tristes virem pérolas”) finalmente passa a fazer sentido.

+++LEIA MAIS: “Desajustado”, André Abujamra desafia a chatice em O Homem Bruxa


Mais sobre o projeto

A ideia inicial para Emidoiña era ser apenas um disco e um show, mas o projeto audiovisual se desenvolveu com o tempo, graças ao período de isolamento em consequência da pandemia de covid-19. 

Com participações de grandes nomes como Criolo, Zélia Duncan, Chico César e o ator Rodrigo Santoro, o filme em animação produzido pela Openthedoor Studios e dirigido por Luciano Lagares participará do ANIMAGE - Festival Internacional de Animação de Pernambuco e chega às plataformas de streaming NOW, Vivo Play e Looke em 21 de outubro. O disco, por outro lado, foi indicado para o Grammy Latino 2021 na categoria Melhor Álbum de Rock ou Música Alternativa em Língua Portuguesa.

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Andre Abujamra (@andre_abujamra)

 

+++LEIA MAIS: Morre o ator e apresentador Antônio Abujamra, aos 82 anos, em São Paulo