Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Há 44 anos, Ozzy Osbourne era expulso do Black Sabbath

Em 1979, Ozzy Osbourne agravou crise no Black Sabbath e foi expulso da banda

Redação Publicado em 27/04/2023, às 13h48 - Atualizado em 03/05/2023, às 10h47

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ozzy Osbourne (Foto: Getty Images)
Ozzy Osbourne (Foto: Getty Images)

É difícil pensar no Black Sabbath sem a figura de Ozzy Obourne, um dos maiores vocalistas da história do rock. No entanto, no dia 27 de abril de 1979, há 44 anos, o músico era expulso da banda, conforme o Loudwire recordou.

O momento do Black Sabbath não era dos melhores. O grupo havia lançado o disco Never Say Die!, que, assim como seu antecessor (Technical Ecstasy), teve uma recepção fria de público e crítica. 

+++ LEIA MAIS: A impagável reação de Ozzy Osbourne ao ouvir rapper regravando sua música

Osbourne, então, voltou a ter sua confiança abalada e passou a abusar de drogas e álcool, impossibilitando que cantasse para a gravação de um novo projeto do Sabbath. Apesar das tentativas dos outros integrantes, o músico foi demitido.

"Não conseguimos continuar com Ozzy. Embora todos quisessem, não conseguimos. Nada acontecia e isso levaria ao fim da banda. Não queríamos demiti-lo, mas precisamos fazer isso para continuar," afirmou Tony Iommi, guitarrista.

A banda chegou a alugar um estúdio para gravação de um álbum, mas Ozzy "desapareceu" por seis semanas assim que as novas músicas foram surgindo.

"Ozzy estava indo a baladas e não voltava para casa," Iommi disse no livro Louder Than Hell: The Definitive Oral History of Metal. "Isso chegou a um ponto em que nada acontecia com ele. Ele se separou de nós."

+++ LEIA MAIS: Conversar com cavalo? A única droga que conseguiu vencer Ozzy Osbourne

A versão de Ozzy é um pouco diferente. Segundo o vocalista, Tony o fazia gravar takes repetidos, mesmo que não houvesse nada de errado com sua voz. Ele sentia que estava sendo punido pelos seus desaparecimentos.

"Eu estaria mentindo se dissesse que não me senti traído pelo que aconteceu no Black Sabbath. Crescemos juntos a algumas ruas de distância. Éramos uma família, como irmãos. Me demitir por estar f*dido foi hipocrisia. Estávamos todos f*didos. Se eu estou chapado e você está chapado, como você pode me demitir por estar chapado?", afirmou em seu livro I Am Ozzy.