Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Rock

James Hetfield descreve de forma poética sua relação com a guitarra

Frontman do Metallica é muito lembrado por vocais e habilidades de composição, mas nem sempre é reconhecido pelo talento nas seis cordas

James Hetfield (foto: reprodução/ YouTube)
James Hetfield (foto: reprodução/ YouTube)

James Hetfield se consagrou, primariamente, como a voz do Metallica. Também é um dos principais compositores da banda ao lado do baterista Lars Ulrich. Tais habilidades fazem com que muitos se esqueçam de seu talento também na guitarra.

A história de Hetfield na música começou justamente como guitarrista. Em 1981, quando Ulrich publicou um anúncio nos classificados do jornal The Recycler “procurando músicos para tocar canções do Tygers of Pan Tang, Diamond Head e Iron Maiden”, James se apresentou no instrumento, não como cantor — e ao lado de outro guitarrista, Hugh Tanner. Assumiu os vocais porque não havia opção melhor à disposição, embora tenham considerado trazer John Bush (Armored Saint, Anthrax).

Por isso, não é de se estranhar que Hetfield tenha uma relação especial com a guitarra. E chegou ao ponto de tal conexão inspirar um novo livro, “Messenger: The Guitars of James Hetfield”, onde o músico compartilha sua coleção pessoal de instrumentos e revela a história de cada um deles em sua trajetória.

Em declaração ao podcast “The Metallica Report”(via Blabbermouth), James refletiu a respeito de como a guitarra pautou sua vida e comentou sobre a sua coleção. Inicialmente, sobre o último tópico mencionado, declarou:

“Fiz um livro sobre carros [‘Reclaimed Rust’], então fazer um livro de guitarra foi a próxima coisa. E eu já tinha isso em mente quando estávamos fazendo o livro do carro e do jeito que fotografamos os carros. Pensei: ‘tenho todas essas coisas guardadas na minha garagem, por que não posso compartilhá-las com o mundo ou tê-las em um livro para eu poder olhar e folhear, sem precisar abrir as portas da garagem ou os cases das guitarras?’.”

Uma reflexão quase poética sobre a relação com o instrumento musical veio na sequência, após ele explicar o porquê do título “Messengers” (“mensageiros”).

“Simplesmente fazia sentido. Minhas guitarras são como o canal do meu poder superior através do meu corpo, através da minha digestão, meu cérebro, meus dedos na guitarra, através de um amplificador em seus ouvidos. É um link. É uma espécie de mensageiro. E todas as guitarras que colecionei ao longo dos anos, especialmente todas as primeiras, os primeiros 10 anos de guitarras (OGV, So What, So Fucking What e Eet Fuk), todas essas guitarras têm nome. O mesmo acontece com todos os carros.”

James Hetfield, guitarrista “pianista”

Algo que muitos fãs de Metallica podem não saber é que a relação de James Hetfield com outro instrumento fez com que ele desenvolvesse sua habilidade na guitarra. O frontman do grupo, ainda na infância, chegou a fazer aulas de piano. Ele contou à Metal Hammer (via site Igor Miranda) em 2009 que a ideia partiu de sua mãe, Cynthia.

“Minha mãe tinha me visto na casa de um amigo meio que começar a bater no piano e pensou: ‘ah, ele vai ser músico… ok, vamos colocar ele pra fazer aula de piano’. Fiz aulas por alguns anos e foi meio que um saco, porque era aprendizado daquelas peças clássicas, coisas que eu não ouvia no rádio, sabe?”

Com o passar dos anos, essas aulas se mostraram decisivas para sua técnica diferenciada. Hetfield é reconhecido como um dos grandes guitarristas rítmicos do metal, devido à sua precisão de mão direita ao fazer base, além de conseguir tocar linhas complexas enquanto canta.

“Eu fico feliz de ter sido forçado a fazer isso, porque ter as mãos esquerda e direita fazendo coisas diferentes, além de cantar ao mesmo tempo, meio que plantou uma semente do que faço agora. Cantar e tocar é mais fácil do que seria se eu não tivesse feito aula de piano.”