Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Joji desabafa sobre coração partido em Smithereens, melhor disco da carreira [REVIEW]

Sucessor de Ballads 1 (2018) e Nectar (2020), Smithereens mostra um Joji lamentando um relacionamento fracassado e a relação dele com a própria música

Joji (Foto: Divulgação)
Joji (Foto: Divulgação)

Mesmo com uma carreira artística na internet e música bastante inusitada, George Kusunoki Miller, mais conhecido atualmente como o cantor Joji, tornou-se um dos artistas mais interessantes e legais de se acompanhar e escutar. Nesta sexta, 4, ele lançou o terceiro disco de estúdio, intitulado Smithereens, o qual a Rolling Stone Brasil recebeu antecipadamente pela Warner Music Group para fazer esta review.

Sucessor de Ballads 1 (2018) e Nectar (2020) - além do EP In Tongues (2017), Smithereens conseguiu ser o melhor da carreira de Joji. No álbum, o artista fala bastante sobre coração partido em um relacionamento com idas e vindas, além da relação com saúde mental e o mundo ao redor dele.

+++LEIA MAIS: A Reinvenção e Queda de Joji: como o Filthy Frank se tornou rei do YouTube e acabou cancelado

Smithereens não podia começar melhor. A música que abre é “Glimpse of Us,” a qual se tornou um grande hit no TikTok e acumula quase 600 milhões de reproduções no Spotify. Além disso, a faixa dita bastante o tom do disco: bastante melancólico e letra sobre um relacionamento fracassado que afetou o cantor, acompanhada de notas de piano lentas. O título também dialoga bastante, porque por todas as nove canções mostram ele, literalmente, em “pedaços.”

@victorrayy I should really learn the rest of this song 😭 #aglimpseofus#fyp#victorray♬ original sound - victor ray

O legal é que, na ordem das músicas, Joji narra esse suposto relacionamento de forma não-linear. Por exemplo, “Glimpse of Us” mostra como teve um certo período após o término - e ele tenta superar por meio de outros casos e namoros, mas nunca funciona.

Porque, às vezes, eu olho nos olhos dela
E é aí que eu encontro um vislumbre de nós
E eu tento me apaixonar pelo toque dela
Mas estou pensando em como foi
Disse que estou bem e disse que segui em frente
Eu só estou aqui passando o tempo em seus braços
Esperando que eu encontre um vislumbre de nós

+++LEIA MAIS: Desvendando os clipes da era Nectar do fenômeno e ex-youtuber Joji: de Sanctuary a Gimme Love

Já na faixa seguinte, “Feeling Like The End,” o cantor narra a reta final desse relacionamento com batidas mais rápidas e até dançantes, um bom contraste da letra mais triste: “Muitas, muitas coisas que fizemos juntos / Você costumava me prometer que seria para sempre / Sentindo como se fosse o fim, não acho que vai melhorar, baby.”

De volta ao piano, em uma sonoridade bastante parecida com uma sequência de sono, “Die For You” também se direciona à pessoa que terminou com ele para falar como ainda “morreria por você” mesmo com ela seguindo com a vida. No entanto, em “Before The Day Is Over,” Joji indica como esse ciclo romântico teve outra volta; eles tentaram fazer funcionar mais uma vez, mas sem sucesso.

Diga algo em breve, podemos perder tudo
Algo que podemos usar para quebrar nossa queda
Não há mais nada a fazer quando começamos a enrolar
E eu estava esperando que pudéssemos conseguir desta vez

+++LEIA MAIS: Justin Timberlake fake, cantoria na esteira e mais: tudo o que rolou em The Extravaganza, primeiro show online de Joji

Em uma parte mais acústica de Smithereens, a letra de “Dissolve” enfim focar mais no eu-lírico. Nela, o cantor fala bastante sobre os problemas dele, muito além desse relacionamento, mas são responsáveis por transbordar na vida amorosa. Joji volta a falar sobre isso em “BLAHBLAHBLAH” após a ótima “Night Rider.” “Ela disse que eu sou burro, cercado por estranhos / Quando ouço sua voz, estou muito profundo / Sentindo-se desfeito, não posso ser o único / Eu quero ser eternamente jovem.”

Para o final do disco, temo a melhor música das nove em uma competição realmente difícil. “YUKON (INTERLUDE)” aborda os temas de Smithereens mais profundamente, no qual, além de abordar o coração partido, fala com tenta superar isso com uso de drogas e a própria música dele, descrita como um mercúrio (elemento químico venenoso) que brilha de maneira “incerta.”

+++LEIA MAIS: Panic! at the Disco entrega Viva Las Vengeance genérico e mediano [REVIEW]

A nona e última música, “Freestyle,” funciona como uma epifania, na qual Joji aborda essa luta interna dele, na qual não consegue superar um relacionamento que acabou, enquanto reconhece não estar sozinho e pretende sair de uma situação negativa.

E estou cansado dessa loucura
Cansado de ficar preso
Não quero ficar sozinho

Com poucas faixas com letras que não exploram situações complexas em uma narrativa amarrada, Smithereens consegue ter uma sonoridade sólida e letras que te fazem refletir bastante sobre a vida. Mesmo em “pedaços,” Joji denota como, mesmo em nossos piores momentos, não estaremos sozinhos e devemos buscar pela vitória, por mais simples que seja ou pareça.

+++LEIA MAIS: Pink Floyd relança Animals; ainda atual, disco precisava de nova versão? [REVIEW]