Led Zeppelin: Robert Plant pediu para, depois de morrer, filhos lançarem músicas raras e inéditas de graça

Robert Plant pensa além e se importa com os fãs de Led Zeppelin: quer deixar trabalhos inéditos e gratuitos para os fãs

Redação Publicado em 07/09/2021, às 11h30

None
Led Zeppelin em 1968 (Foto: Reprodução/ Instagram/Jørgen Angel)

Robert Plant não para. O ex-Led Zeppelin trabalha em um novo disco com Alison Krauss, Raise The Roof, para ser lançado em 2021. Mas pensa também no futuro - bem além, até para depois da própria morte. O cantor comentou, em entrevista para MOJO, sobre as músicas feitas em vidas para serem lançadas "do além":

"Todas as aventuras que tive com música e turnês, lançamentos de discos, projetos que não terminei ou esse tipo de material - só coloquei todos, cataloguei, e coloquei em algum tipo de ordem [...] Disse pros meus filhos para, quando eu chutar o balde, liberar isso para o público sem cobrar nada - só para eles verem quantas besteiras existiram de 1966 até agora. É uma jornada."

+++ LEIA MAIS: 15 filmes em destaque no Festival de Cinema de Veneza 2021: de Duna a Led Zeppelin

Novo projeto de Robert Plant

Antes de morrer, porém, Robert Plant tem muito o que viver. Começando por Raise The Roof, um revival da parceira feita com Krauss em 2007. Foi colaborativo; T Bone Burnett produziu, Jay Bellerose estava na bateria; Marc Ribot, David Hidalgo, Bill Frisell e Buddy Miller nas guitarras; Dennis Crouch e Viktor Krauss no baixo, e vários outros. São 12 músicas.

Documentário Becoming Led Zeppelin

Bernard MacMahon, cineasta, lançou no Festival de Vezena de 2021, durante a primeira semana de setembro, o documentário Becoming Led Zeppelin - ou Tornando-se Led Zeppelin. 

No filme, em desenvolvimento há alguns anos, conhecemos os bons e mau momentos da banda, além da vida dos integrantes

+++ LEIA MAIS: Becoming Led Zeppelin: estreia, trailer e tudo que sabemos sobre documentário da banda [LISTA]

O longa inclui imagens raras e novas entrevistas com Robert Plant,Jimmy Page e John Paul Jones. O diretor Bernard MacMahon afirmou querer um retrato “que se parecesse com um musical… [Com] sequências de fantasia, inspiradas em Singin’ in the Rain.”