McFly: Nostalgia e encontro de gerações marcam estreia da turnê brasileira em São Paulo

McFly se apresentou nesta terça, 17, no Espaço Unimed, em São Paulo

Emanuela Lemes e Mariana Rodrigues Publicado em 18/05/2022, às 01h20 - Atualizado em 19/05/2022, às 09h45

McFly em São Paulo
Foto: Breno Galtier / T4F

Nem mesmo as temperaturas baixas conseguiram parar os fãs do McFly que passaram horas na fila para a primeira de seis apresentações da turnê Young Dumb Thrills, o qual superou as expectativas e fez valer a pena a espera, após as apresentações serem adiadas por conta da pandemia.

A banda britânica agitou a plateia do Espaço Unimed - antes Espaço das Américas - na noite desta terça, 17, com hits que aqueceram não apenas a casa de show, mas também o coração dos fãs que esperam por uma década para ver Harry Judd, Tom Fletcher, Danny Jones e Dougie Poynter novamente.

mcfly em sp
McFly em São Paulo (Foto: Breno Galtier / T4F)

 

Apesar dos ingressos não estarem esgotados para esta apresentação, não faltou público - e muito menos emoção - durante o show. Mesmo com uma plateia predominante adulta, não teve quem não se transformou em adolescente quando as luzes vermelhas do palco anunciaram a chegada do McFly, quem abriu a setlist com “Red,” faixa da coletânea The Lost Songs (2020).

+++ LEIA MAIS: McFly: O que esperar dos shows no Brasil?

Com brincadeiras para descontrair o público a todo instante, McFly entregou um repertório especial ao público brasileiro, com 21 faixas nostálgicas e hits que marcaram a juventude de quem cresceu com a banda, além de entrar para as playlists das gerações mais novas que também não ficaram de fora dessa febre britânica.

McFly
McFly em São Paulo (Foto: Breno Galtier / T4F)

 

Em resposta aos três anos de hiato da banda, Jones relembrou que ainda tem o dom para encantar o público. “É ótimo estar de volta, Brasil. Sentimos saudades,” disse. E até arriscou um “obrigado” e “tudo bem” em português, com ajuda de uma “cola” anotada na palma da mão.

mcfly no brasil
McFly em São Paulo (Foto: Breno Galtier / T4F)

 

As faixinhas com glitter, as vozes roucas e os pulos que fizeram o chão tremer mostraram que, mesmo depois de 10 anos, o espírito e a empolgação de um show do McFly continua o mesmo. Apesar de pequenos problemas com som, nada impediu a noite de se tornar inesquecível.

+++ LEIA MAIS: McFly no Brasil: Datas, locais, ingressos e tudo que sabemos sobre shows no país [LISTA]

“Estamos tendo problemas técnicos. Mas fazemos isso há 20 anos, então sabemos como fazer isso - Nada vai nos parar,” afirmou Poynter. E os hits como “One for the Radio” não deixaram dúvidas de que eles não estavam exagerando quando disseram isso. Além disso, com músicas antigas e mais recentes misturadas, a setlist mesclou nostalgia com apresentações inéditas, como a faixa “Josephine,” apresentada ao vivo pela primeira vez nesta noite.

E não foram só guitarras e a batida pop punk que agitou o público. Em “Walking in The Sun,” os violões tomaram o palco para as músicas acústicas e arrancaram lágrimas até dos mais durões. E a emoção foi tanta, que o grupo parou a faixa “Ultraviolet” para socorrer uma fã - quem, na verdade, apenas tinha perdido o celular. “Se algo acontecer, não sinta vergonha de nos contar,” disse Fletcher.

setlist mcfly

E não foi só o público que ficou emocionado. Era quase impossível para os integrantes esconderem os sorrisos e a alegria de ouvirem as letras serem cantadas em uníssono - mesmo quando eles próprios não as lembravam, como aconteceu com “No Worries,” que aparentemente nem estava na setlist, mas convenceu Fletcher e os demais a cantarem alguns versos junto aos fãs.

+++ LEIA MAIS: McFly liga para fã que mandou carta há 17 anos; assista

Assim como outros shows que aconteceram no Brasil este ano, principalmente no Lollapalooza, manifestações políticas do público também não ficaram de fora. “Ei, Bolsonaro, vai tomar no c*” e gritos a favor de Lula tomaram conta da plateia - apesar do grupo não parecer apoiar protestos durante apresentações, já que Jones disse: “Ahn... Podemos começar a próxima música?”. 

mcfly em sp
McFly em São Paulo (Foto: Breno Galtier / T4F)

 

E não era só na plateia que houve um encontro de gerações, nos palcos também. McFly transformou “5 Colors in Her Hair” em um medley com um incrível solo de baixo e guitarra de “Bad Guy,” da Billie Eilish. Além disso, Jones também se arriscou em um JAM, um sessão de rap improvisada, apresentando os integrantes da banda de maneira nada convencional antes de fecharem o show com “The Heart Never Lies.”

Para finalizar, agradeceu mais uma vez aos fãs: “Não acredito que vocês voltaram mesmo depois de 10 anos!”. Além de deixar lembranças que ficarão para sempre no coração do público, também jogaram palhetas, baquetas e até uma bandana – que passou por dentro da calça de Jones – na plateia.

+++ LEIA MAIS: Fenômeno do pop punk, McFly volta ao Brasil para a primeira turnê desde a pausa para 'vida adulta': 'Será insano' [ENTREVISTA]

Após cerca de duas horas de show, McFly se despediu da primeira noite da turnê brasileira e uma das mais inesquecíveis para a banda, como Jones disse: “Vocês são umas das plateias mais barulhentas e talentosas que já tivemos.” Com hits, saltos, pulos, gritos e poses de verdadeiras estrelas do pop rock, McFly mostrou que não importa quanto tempo passem longe dos palcos, o talento e a disposição estão longe de acabar.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por McFly (@mcflymusic)