Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / The Weeknd

O único artista que faria The Weeknd voltar a gravar feats

Cantor se notabilizou por parcerias variadas com artistas de diferentes estilos, mas prometeu encerrar prática

The Weeknd (Foto: Getty Images)
The Weeknd (Foto: Getty Images)

Algumas das músicas mais populares da carreira de The Weeknd são parcerias — ou “feats”, como já se tornou convencional de se chamar até mesmo no Brasil. “The Zone” e “Live For” foram gravadas com Drake, enquanto “Starboy” e “I Feel It Coming” são colaborações com o Daft Punk.“Love Me Harder” traz sua voz com a de Ariana Grande. Há ainda “Pray for Me” com Kendrick Lamar e “One Right Now” junto a Post Malone, entre outras — a lista é grande.

Porém, os dias de “feats” estão chegando ao fim. Ao menos é o que diz o artista, que durante um show na Polônia, no último dia 9 de agosto, anunciou:

“E eu só quero dizer, esta será a última parceria que farei em minha carreira, então quero apresentá-la para vocês esta noite.”

A canção se chama “Another One of Me”, mas é só isso que se sabe a respeito. O músico canadense não revelou quando esta faixa será lançada, nem mesmo o nome do artista ou grupo que estará junto dele.

Posteriormente, na rede social X (antigo Twitter), The Weeknd apresentou uma ressalva. Segundo ele, há apenas um nome capaz de convencê-lo a trabalhar em um “feat” novamente. Trata-se do Daft Punk, duo de música eletrônica cujas atividades foram encerradas em 2021.

“A parceria final… a menos que o Daft Punk volte a tocar junto.”

O cantor não é bobo, claro. Além de ter consciência do quanto a dupla é lendária para a música em geral, ele sabe do tamanho do sucesso conquistado com “Starboy” e “I Feel It Coming”. Ambas as faixas foram lançadas em 2016, como parte do álbum Starboy, e atingiram altas posições nas paradas. A primeira canção citada, em especial, atingiu a posição mais alta das paradas de mais de 10 países, incluindo Canadá, Portugal, Holanda, França e Estados Unidos — neste último, inclusive, garantindo pela primeira vez um topo ao Daft Punk.

Por outro lado, é importante lembrar que o músico não costuma cumprir suas curiosas promessas. Em maio último, ele parou de usar o pseudônimo The Weeknd para adotar o nome real Abel Tesfaye. Em entrevista à W Magazine(via site Igor Miranda), chegou a dizer: “Estou trilhando um caminho catártico agora. Estou chegando em um lugar na vida em que estou pronto para fechar o capítulo de The Weeknd”. Até o momento, porém, ele segue usando a alcunha que o deixou mundialmente famoso.

The Weeknd e Daft Punk

Em 2021, The Weeknd fez uma verdadeira declaração de amor ao Daft Punk. Ao conversar com a revista Variety, garantiu que o duo “é uma das razões pelas quais eu faço música”.

Por outro lado, se ele estiver aguardando por um retorno da dupla formada por Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter, é melhor esperar sentado. Não há qualquer sinal de retomada. Também em 2021, o duo anunciou o fim de suas atividades, após três décadas, com um vídeo pra lá de emblemático.

Em entrevista à BBC (via NME), Bangalter surpreendeu ao revelar por que o Daft Punk chegou ao fim. Ele culpou, curiosamente, o avanço da inteligência artificial.

Daft Punk era um projeto que borrava a linha entre realidade e ficção com esses personagens robôs. Era muito importante para mim e Guy-Manuel não estragar essa narrativa. Amo tecnologia como uma ferramenta, mas estou amedrontado pela natureza e relação entre máquinas e nós mesmos. [...] No Daft Punk, tentamos usar essas máquinas para expressar algo extremamente emocionante que uma máquina não consegue sentir, mas um ser humano consegue. Sempre estivemos no lado da humanidade e nunca no lado da tecnologia… por mais que eu ame esse personagem, a última coisa que eu gostaria de ser, nesse mundo em que vivemos em 2023, é um robô.”

Ao todo, a dupla lançou quatro álbuns de estúdio: Homework (1997), Discovery (2001), Human After All (2005) e Random Access Memories (2013), todos eles premiados com discos de ouro e platina.