Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Rock

Por que Noel Gallagher acha o Oasis a melhor banda de sua geração

Guitarrista diz que grupos como Blur e Stone Roses não chegavam aos seus pés, embora reconheça suas qualidades

Noel Gallagher (Foto: Getty Images)
Noel Gallagher (Foto: Getty Images)

O Oasis lançou seu primeiro álbum em 1994 e, a partir daí, ajudou a redefinir o rock daquele período. O sucesso foi tamanho que as vendas estimadas de seus três primeiros discos, disponibilizados na década de 1990, ultrapassa as 40 milhões de unidades em todo o mundo.

Hoje, Noel Gallagher diz que acreditava piamente nesse êxito. Até porque, na opinião do guitarrista e compositor, o Oasis era a melhor banda de sua geração.

Em entrevista à Mojo(via site Igor Miranda), Noel revelou a percepção que tinha, ainda na época, de seu próprio trabalho. O músico disse que ele e seus colegas tinham uma “crença inabalável” no projeto mesmo antes de ter composto seu primeiro hit, “Supersonic”.

“Todo mundo que escutou as demos do que viria a ser Definitely Maybe [primeiro álbum] estava pirando, então queríamos aproveitar o momento. Quando chegou a hora, estávamos prontos. Todo minuto que passava acordado, sabia que [o sucesso] iria acontecer.”

A análise de Noel vai além. O guitarrista entende que sua banda, cujas atividades foram encerradas em 2009, era superior a outras da mesma geração — e chegou a dar até exemplos de grupos que não estavam no mesmo patamar, todos eles britânicos, como Blur, Suede e Pulp. Ele explica o porquê:

“Naquele tempo, eu escutava Blur, Pulp ou Suede no rádio e pensava: ‘f#dam-se esses idiotas’. Olhando para trás, era uma época incrível para música independente, ou seja lá como você queira chamar. Mas a gente estava pronto pra tomar conta de tudo. Estávamos prontos para varrer o chão com todo mundo. Eu achava que o Blur, Pulp, Stone Roses, The La’s, seja lá que fosse, eram ótimas pessoas e tinham uma ou duas músicas ótimas, mas a gente tinha doze. Seja lá o quão barulhentos fossem, a gente era mais. O quão rápido eles tocavam, a gente era mais rápido. O quão bons eles fossem, a gente iria superar. Eram todas grandes bandas, mas nós éramos melhores. Simples assim.”

Noel Gallagher, Oasis e a grandeza

Ainda de acordo com Noel Gallagher, o Oasis tinha ambições maiores, o que levou a tal superioridade.

“Minhas ambições sempre foram bem maiores que simplesmente lotar o Brixton Academy [casa com capacidade para 4,9 mil pessoas em pé ou 2,3 mil sentadas]. Toda banda que eu conhecia tinha essa ambição, talvez até fazer duas noites. Eu não ligo pro Brixton Academy ou John Peel. Nós queríamos a coroa do U2. Uma vez que você compõe ‘Rock and Roll Star’, ‘Live Forever’, ‘Supersonic’, ‘Slide Away’, é tipo: ‘p#rra, todo mundo sai da frente agora’.”

Segredo para o sucesso

Na visão de Liam Gallagher, vocalista e irmão de Noel, o segredo para todo o sucesso do Oasis esteve no período entre 1991 e 1994, quando o grupo ainda não era “ninguém”. Em entrevista à BBC Radio 2 (via Far Out), o cantor destacou que a intensa agenda de shows em pequenas casas noturnas da Inglaterra ajudou a construir público e deixar todo mundo preparado para futuras oportunidades.

Eles, inclusive, decidiram priorizar o palco em vez da imprensa e de outras formas de divulgação. Liam entende que muitos artistas estão buscando fazer o contrário nos dias de hoje, algo questionável em sua opinião.

“Ainda chegávamos à garotada sem estar na revista porque estávamos fazendo shows. É isso que muitas pessoas se esqueceram, sabe? O Oasis não ficou grande por causa de algumas pessoas no rádio ou algumas pessoas em uma revista que nos exaltaram. O Oasis cresceu porque saíamos para nos apresentar, tocávamos todas as noites e atingíamos a molecada dessa maneira.”

O cantor deixou claro que não reduz a importância dos veículos de comunicação. Porém, segundo ele, o palco é sagrado.

“Obviamente a cobertura da imprensa ajuda um pouco, mas sempre chegávamos ao nosso público porque estávamos fazendo o que deveríamos fazer. Já essas bandas de hoje em dia, nenhuma delas quer entrar em uma van e fazer um show.”