Taylor Swift vai enfrentar julgamento por processo de direitos autorais em ‘Shake It Off’; entenda

Desde 2017, Taylor Swift enfrenta acusações de copiar o refrão de “Shake It Off” - e agora, a cantora vai participar de julgamento

Redação Publicado em 10/12/2021, às 12h59

None
Taylor Swift (Foto: Jamie McCarthy/Getty Images)

Hit de Taylor Swift, “Shake It Off” é alvo de polêmica desde 2017, quando a cantora foi acusada pelos compositores Sean Hall e Nathan Butler de copiar o refrão de outra música, lançada previamente. Depois de anos, a estrela vai enfrentar um julgamento relacionado ao processo.

Conforme noticiou a NME, a dupla de compositores acusa Swift de ter copiado versos da canção “Playas Gon’ Play”, escrita por eles em 2001 para a banda 3LW - e apesar de a ação ser julgada improcedente, em 2018, pela justificativa da letra ser muito “banal”, a decisão foi revogada em 2019.

+++ LEIA MAIS: Beatles, BTS, Taylor Swift e mais: Os músicos mais bem pagos de 2020 [LISTA]

No refrão de Swift, a artista canta “‘Cause the players gonna play, play, play, play, play” and “haters gonna hate, hate, hate, hate, hate“ [em tradução livre para o português, “Jogadores vão jogar, jogar (...) e odiadores vão odiar, odiar (...)”]. Na canção de Sean Hall e Nathan Butler, o trecho é parecido: “Playas, they gonna play, and haters, they gonna hate.”

Decisão de juiz sobre acusação

Em 2020, um juiz confirmou que o caso, relacionado aos direitos autorais do verso, iria adiante. Michael Fitzgerald afirmou que Hall e Butler “alegaram suficientemente uma seleção e arranjo protegível ou uma sequência de expressão criativa”, e classificou o trecho como “semelhante o suficiente” para um processo judicial continuar.

+++ LEIA MAIS: Taylor Swift é ‘amuleto da sorte’ do Corinthians? Entenda a relação da cantora com time de futebol

Segundo informações da BBC (via NME), Swift solicitou um julgamento sumário — uma decisão imediata de que ela não havia infringido direitos autorais em “Shake It Off” —, mas o juiz Fitzgerald recusou, e a data do julgamento será marcada.

Para justificar a decisão o juiz escreveu: “Embora haja algumas diferenças perceptíveis entre as obras, também há semelhanças significativas no uso das palavras e na sequência / estrutura. O tribunal não pode atualmente determinar que nenhum jurado razoável possa encontrar semelhanças substanciais de fraseado lírico, arranjo de palavras ou estrutura poética entre as duas obras.” A defesa de Swift não se manifestou.

+++LEIA MAIS: Por que Taylor Swift escolheu Dylan O’Brien e Sadie Sink para o clipe de 'All Too Well'?