The Killers não puderam fazer shows em 2020 - então, decidiram escrever um disco ambicioso e conceitual [ENTREVISTA]

Brandon Flowers explicou como revisitou a infância em Nephi, EUA, para compor o disco do The Killers, Pressure Machine

Andy Greene | Rolling Stone EUA. Tradução: Mariana Rodrigues (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 13/08/2021, às 18h15

None
The Killers (Foto: Ethan Miller/Getty Images)

Nos primeiros dias da pandemia, quando estava começando a ficar claro como a turnê de 2020 do The Killers não iria acontecer, Brandon Flowers descobriu como a mente ficava voltando para a infância na pequena e remota cidade de Nephi, em Utah, Estados Unidos. "Havia uma saudade nostálgica no ar e um pouco de tristeza," diz o cantor. "Comecei a pensar sobre onde estava nos anos 1990, e essas histórias simplesmente floresceram."

Essas histórias formam a base do próximo disco do The Killers, Pressure Machine, lançado em 13 de agosto. É um registro conceitual sobre a vida em Nephi, contado da perspectiva de vários habitantes da cidade, que aborda tudo, desde o abuso de drogas prescritas e pobreza até o crime, homofobia e depressão. Apesar do tom sombrio do álbum, há toques de esperança e alegria espalhados por ele.

+++ LEIA MAIS: Mr. Brightside, do The Killers, e Um Maluco no Pedaço: alguém misturou as duas músicas e o resultado é razoavelmente bom

"Quando estava escrevendo essas músicas, pensava em coisas como o livro de Sherwood Anderson Winesburg, Ohio ou aquele livro Pastures of Heaven [de John Steinbeck]," diz Flowers, "onde estão todos esses contos que acontecem neste cenário. Por algum motivo, tive a audácia de tentar eu mesmo. Assim que percebi que aconteceriam aqui e que seriam histórias verdadeiras, tudo realmente caiu em nosso colo."

Ele escreveu as letras antes de qualquer música ser criada, espalhando fotos de Nephi pelo teclado para se inspirar. Assim que ele ficou pronto, a banda se reuniu em um estúdio em Cotati, Califórnia, com os produtores Jonathan Rado e Shawn Everett, a mesma equipe que trabalhou no ano passado Imploding the Mirage. Isso foi no início de 2020 e a pandemia estava apenas começando a se espalhar. "Foi difícil," diz Flowers. "Shawn se inclina para a hipocondria. Ele estava usando óculos, óculos de proteção e três máscaras no estúdio. Foi louco. [Baixista] Mark [Stoermer] também teve dificuldades e não conseguiu entrar no estúdio. Mas também usávamos máscaras e fazíamos testes regularmente. Fomos muito diligentes."

+++ LEIA MAIS: The Killers disseca clipe de 'Mr. Brightside' em novo vídeo: ‘Esqueci como éramos bonitos’

O álbum começa com "West Hills," sobre um morador da cidade desesperado de Nephi que é preso com Oxycodone. "Eles me pegaram por possuir o suficiente para matar," canta Flowers, "os cavalos que correm livres nas colinas do oeste."

O álbum de alguma forma fica ainda mais sombrio em "Terrible Thing," que gira em torno de um adolescente gay que está pensando em suicídio. "Cresci com crianças que só anos depois sabia que eram gays," diz Flowers. "Deve ter sido tão difícil. O mundo está se movendo em uma direção mais positiva e mais inclusiva, mas isso ainda estava nos anos 1990 e as pessoas mantinham isso por perto."

+++ LEIA MAIS: Brandon Flowers diz separar o que diz Morrissey da arte dele: ‘Não vou destruir mais discos do The Smiths’

A maioria das canções são tiradas das próprias memórias de Flowers em Nephi ou de coisas sobre as quais ele leu nos últimos anos, mas em "Desperate Things" se desvia para um conto ficcional de um policial que se apaixona por uma vítima de violência doméstica e acaba assassinando seu marido. É um conto que poderia caber facilmente no Nebraska de Bruce Springsteen, e é diferente de tudo no catálogo do The Killers.

"Basicamente, peguei uma história que era um escândalo na cidade quando morava lá e tomei algumas liberdades no terceiro verso e transformei em uma balada assassina," diz Flowers. "Em uma música pop ou rock típica, existem apenas dois versos. Não é até você começar a entrar em Springsteen e [John] Prine e outras coisas que você chega a um terceiro ou quarto verso. Mas ajuda você a desenvolver uma história."

+++ LEIA MAIS: Ouça como seria ‘Mr. Brightside’, do The Killers, na versão do Blink-182

"In Another Life" e "In the Car Outside" remetem aos sonhos frustrados e ao amargo arrependimento da meia-idade, mas o disco termina com uma esperança genuína em "The Getting By." "Talvez seja o necessário para se levantar de manhã," canta Flowers, "e colocar mais um dia de sol que te segure até que esteja tudo bem... Esta cidade inteira está amarrada ao torso dos caminhos misteriosos de Deus."

O álbum conta com a participação de Joe Pug, Sara Watkins e Phoebe Bridgers, e também marca o retorno do guitarrista do The Killers,Dave Keuning. Ele ficou de fora do Imploding the Mirage e das últimas turnês para lidar com questões pessoais e esgotamento decorrente de anos na estrada. Ele não estava envolvido em todo o processo criativo, mas "In the Car Outside" e "A Pressure Machine" começaram com os acordes de guitarra, e ele toca em outras músicas do álbum.

+++ LEIA MAIS: Fã adolescente toca com The Killers e arrasa em “For Reasons Unknown”; assista

"Foi legal tê-lo de volta," diz o baterista Ronnie Vannucci Jr. "Você sempre percebe quando alguém entra novamente na sala ou sai da sala, o que eles trazem. Foi bom ter seu elemento de volta lá. Tocamos juntos há cerca de 20 anos. Foi bom."

Eles estavam quase terminando o registro quando decidiram enviar um funcionário da NPR a Nephi para gravar conversas com habitantes reais. Ele voltou com histórias incrivelmente pessoais tão vívidas que a banda decidiu começar cada música do álbum com trechos delas.

+++ LEIA MAIS: Fã oferece US$ 20 para The Killers tocar música em show - e a banda aceita

"Estávamos no modo de masterização, mas era o último ingrediente necessário para concluir esse projeto para nós," diz Vannucci. "Isso nos deu mais uma contabilidade da vida real, mais do que nossas interpretações por meio de canções e música. […] Eram pessoas com seus sotaques e suas histórias. Ele juntou tudo para nós."

A banda fez um show virtual no final de junho para o festival Splendor in the Grass da Austrália, com Keuning e Stoermer de volta ao palco com o grupo pela primeira vez em anos, mas eles não planejam lançar uma turnê formal até março, quando partirão para a Nova Zelândia. Chegaram à América do Norte em agosto de 2022.

+++ LEIA MAIS: The Killers toca Mr Brightside e clássico do The Smiths com Johnny Marr na guitarra; assista

Mas a primeira é uma aparição em 21 de agosto no show We Love NYCdo Central Park ao lado de Bruce Springsteen, Paul Simon, LL Cool J, Elvis Costello e muitos outros, com ingressos disponíveis online agora. Eles também tocaram no Delaware's Firefly Festival em 24 de setembro, e no Florida's Sandjam Music Festival no início de outubro. A partir de agora, de acordo com a banda, Keuning planeja se juntar a eles na estrada, mas Stoermer vai ficar em casa. O baixista de turnê Jake Blanton vai mais uma vez ocupar seu lugar.

"Faremos um show de aquecimento no Terminal 5 [na cidade de Nova York] antes do show do Central Park," disse Flowers. "Fizemos alguns shows incríveis no Terminal 5. Fico pensando em qual música vamos abrir. Espero poder manter minha compostura. Tocar ao vivo é parte da nossa identidade e algo que perdemos, essa conexão com as pessoas e essa comunidade."

+++ LEIA MAIS: Brandon Flowers homenageia a mãe em show do The Killers

Muitas bandas estão na estrada agora, incluindo Dave Matthews Band, Phish, e Green Day, mas o The Killers é super cauteloso por não agendarem nenhum show como atração principal até 2022. "Não queremos que a banda traga de volta o covid-19, a variante K," diz Vannucci. "Há muitas conjeturas envolvidas em turnês e responsabilidade. E apenas por respeito geral pelas pessoas lá fora e por manter todos saudáveis, apenas queríamos ser cuidadosos com isso e não precipitarmo-nos."

E mesmo que tenham dois álbuns completos cheios de músicas que nunca tocaram ao vivo, na próxima vez que pegarem a estrada, já estão pensando em outro disco. Ainda está nos estágios iniciais. "Nós nos encontramos por uma semana em San Diego há pouco tempo na casa de Dave," disse Flowers. "Éramos nós quatro juntos, a primeira vez que fizemos isso em anos. Mas precisamos ensaiar em janeiro para a turnê. Não sei se podemos encontrar tempo [para terminar outro álbum], embora com certeza vamos nos encontrar novamente antes do Natal."

+++ LEIA MAIS: The Killers toca música que critica o muro de Donald Trump pela primeira vez ao vivo

Enquanto isso, Flowers está ansioso para compartilhar o Pressure Machine com o mundo. Trabalhar no álbum finalmente deu a ele a chance de ver Nephi sob uma luz muito diferente. "Como um adolescente, eu queria sair," diz. "Só muito mais tarde é que desenvolvi uma maior compreensão da beleza do lugar. Estava tão livre. As pessoas nem mesmo precisavam trancar as portas. Tive um tipo diferente de educação lá. Posso apreciar isso agora."


+++ CONFIRA TUDO SOBRE A BANDA 5 SECONDS OF SUMMER!