Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Escritor

Tom DeLonge, do Blink-182, lança novo livro de ficção científica

O músico deve lançar 'Trinity' em 11 de junho

Redação Publicado em 29/02/2024, às 11h22

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Tom DeLonge, do Blink-182 (Foto: Matt Winkelmeyer/Getty Images)
Tom DeLonge, do Blink-182 (Foto: Matt Winkelmeyer/Getty Images)

Tom DeLonge, do Blink-182, escreveu um novo livro de ficção-científica que deve ser lançado em 11 de junho. O romance, chamado Trinity, foi escrito em parceria com AJ Hartley, com quem DeLonge trabalhou em Sekret Machine. Leia sinopse:

É 1962, em Trinity, Nevada, uma pequena cidade à beira do deserto, lar de uma base militar que serve como campo de testes nucleares. Van Lopez e seu irmão Andy têm coisas suficientes para se preocupar, mantendo seu caminhão funcionando e a gangue criminosa local satisfeita, para dar atenção aos testes nucleares. Van tem sonhos, ou — ele não tem certeza do que chamá-los — que ele não consegue explicar ou esquecer, mas quando vê luzes misteriosas no céu, ele luta para dar sentido ao que agora parece ser suas memórias mais antigas.

No dia do teste atômico, a explosão nuclear derruba algo sobre Trinity que não deveria estar lá — algo que não é deste mundo. Agora Van está correndo por sua vida, perseguido por um agente soviético assassino e forças governamentais determinadas a impedir que tudo o que ele viu — e tudo o que ele lembrou — saia. Romances e rivalidades chegam a um clímax enquanto ele luta pelo que mais preza, e nessa batalha final ele pode ter que fazer aliados de seus inimigos mais antigos.

"Essa história acontece em torno de um evento seminal de OVNIs que eu acredito que aconteceu", disse DeLonge (via NME). "Embora o local possa ter sido alterado, a importância do que eu acredito ter acontecido permanece. AJ e eu queríamos capturar a sensação de estar nesse momento crucial na cultura americana em 1962: os carros, a corrida espacial, o início das mudanças sociais, mas também sob as pressões do Vietnã, da Guerra Fria e de um novo ceticismo sobre o sigilo governamental."

"Queríamos ver tudo isso a partir da perspectiva de jovens que estão lutando para encontrar um senso de si mesmos e são, por várias razões, desajustados, até excluídos, lutando por um senso de identidade e propósito. Pegamos muita verdade e a envolvemos em uma história legal e rebelde para ajudar a explicar a enormidade e complexidade do assunto."