Travis Scott, Drake, Apple e Live Nation encaram processo de US$ 2 bilhões após Festival Astroworld

Dez pessoas morreram pisoteadas no Festival Astroworld, de Travis Scott, além das centenas de feridas

Nancy Dillon | Rolling Stone EUA. Tradução: Marina Sakai (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 19/11/2021, às 18h19 - Atualizado em 20/11/2021, às 12h30

None
Travis Scott (Foto: Jamie McCarthy / Getty Images)

Um processo enorme pedindo US$ 2 bilhões, cerca de R$ 11 bilhões, em danos de Travis Scott, Drake, Apple, Live Nation e outros foi movido em nome de 282 demandantes ligados à tragédia do Festival Astroworld que tirou a vida de 10 pessoas em Houston, no Texas (EUA). A nova reclamação do advogado Thomas J. Henry é a mais recente iteração de um caso em rápida evolução que tem crescido exponencialmente desde que foi apresentado pela primeira vez em nome de um único frequentador do show, Kristian Paredes, em 8 de novembro.

“Os réus pretendiam ganhar uma quantia exorbitante de dinheiro com este evento e, mesmo assim, optaram por economizar, cortar custos e colocar os participantes em risco,” disse Henry em comunicado nesta quinta, 18 de novembro. “Meus clientes querem garantir que os réus sejam responsabilizados por suas ações e querem enviar a mensagem a todos os artistas, organizadores de eventos e promotores de que o que ocorreu no Astroworld não pode acontecer novamente.”

+++LEIA MAIS: Travis Scott: Criança de 9 anos morre após coma induzido devido à tragédia no Festival Astroworld

A ação judicial alega que a compra, promoção e implementação multimilionária de direitos exclusivos de streaming online pela Apple desempenhou um papel crítico no desastre de controle de multidões. "Relatórios iniciais da investigação da catástrofe de Astroworld indicam que o local foi arrumado de modo que atendesse ao streaming online da Apple do show em detrimento da segurança do espectador,” afirma o processo.

“A Apple Music tinha câmeras, tripés, pessoas encarregadas das câmeras e barreiras de metal em torno de cada uma; esses aparelhos efetivamente dividiam o local tanto horizontal quanto verticalmente pelas barricadas de metal. O posicionamento de câmeras de streaming para a transmissão da Apple Music limitou os meios de saída de muitos frequentadores; esta condição perigosa inevitavelmente impediria os indivíduos de se dispersarem.”

+++LEIA MAIS: Travis Scott ‘não sabia o que estava acontecendo’ durante show no Festival Astroworld, diz advogado

A Apple não respondeu imediatamente ao pedido de comentário sobre o processo da Rolling Stone EUA na quinta, 18. Houve muitas acusações, muitas delas foram autoridades, que mandaram mensagens inconsistentes e retrocederam em relação às declarações originais,” disse o advogado de Travis Scott, Edwin F. McPherson, em comunicado à Rolling Stone EUA.

Ele chamou atenção do chefe de polícia de Houston, Troy Finner, por colocar a responsabilidade no rapper, embora tenha dito ao The New York Times que interromper abruptamente um show de 50 mil espectadores, em sua maioria jovens, traria sérias preocupações relacionadas a “tumultos.”

+++LEIA MAIS: Travis Scott: Drake se pronuncia sobre tragédia em Festival Astroworld: 'Coração partido'

McPherson também disse que o plano de operações relatado do show “indica que apenas o diretor do festival e os produtores executivos têm autoridade para interromper o show, nenhum dos quais faz parte da equipe de Travis.”

“Isso também entra em conflito com as próprias ações anteriores do Departamento de Polícia de Houston quando desligou a energia e o som neste mesmo festival em 2019, quando a apresentação durou mais de cinco minutos,” disse o advogado. “As investigações devem ir além de apontar dedos, para que juntos possamos identificar exatamente o que aconteceu e como podemos evitar que algo assim aconteça novamente.”

+++LEIA MAIS: Travis Scott está 'perturbado' e quer se conectar com todas as famílias afetadas pela tragédia do Festival Astroworld

Em 16 de novembro, um processo separado pedindo pelo menos US$ 750 milhões de Scott, Drake, Apple, Live Nation e outros foi movido em nome de 125 pessoas pelo advogado Tony Buzbee. Falando à Rolling Stone, Buzbee afirmou que os réus “ignoraram” uma série de bandeiras vermelhas e deveriam assumir responsabilidade. “Quando pessoas dizem, 'Tony, como você pode processar a Apple TV, gravadoras e essas outras entidades?' Bom, eu diria que eles concordaram com isso. Estavam promovendo, encorajando e lucrando com isso,” disse. “É lucro acima de pessoas. E se o show não continuar, pessoas não recebem salários.”

Também acrescentou como ninguém foi “incentivado a parar este show,” do momento em que a plateia chegou à performance da última música no palco, porque muito dinheiro estava na linha. “Garanto, se a audiência tivesse atacado o palco ou interferido com os artistas, meu Deus, teriam chamado todos os policiais dentro de 100 milhas. Mas enquanto os cantores não estivessem em perigo, quem dá a mínima para as pessoas, acho, foi a atitude. Não pode ser assim.”

+++LEIA MAIS: Travis Scott: Jovem de 22 anos, Bharti Shahani morre devido aos ferimentos em tumulto do Festival Astroworld

Scott, cujo nome legal é Jacques Webster, disse em publicação no Twitter que está “absolutamente devastado” com o fato de que fãs morreram na plateia durante seu show no NRG Park. Adicionou em uma mensagem de vídeo no Instagram que “nunca poderia ter imaginado a severidade da situação” enquanto estava se apresentando.

Drake chamou o show mortífero de uma “tragédia devastadora” em seu próprio post. “Odeio vir a essa plataforma para expressar uma emoção tão delicada quanto luto, mas é onde me encontro,” escreveu o rapper. “Meu coração está partido pelas famílias e amigos dos que perderam suas vidas e por todos os que estão sofrendo. Continuarei rezando por todos eles e ajudarei de todas as formas que puder. Deus esteja com vocês.”

+++LEIA MAIS: Travis Scott: Rapper enfrenta 60 processos após tragédia em Festival Astroworld

Dúzias de outros processos do Astroworld foram colocados em ação no Harris County District Court em Houston, incluindo o do pai de Ezra Blount, o menino de nove anos que foi pisoteado no show e ficou em coma por dias antes de morrer em um hospital infantil. Buzbee disse à Rolling Stoneque espera que várias outras ações sejam consolidadas em um único tribunal em Houston sob um juiz nomeado pela Suprema Corte do Texas, provavelmente nos próximos 60 dias.

Criança de nove anos é vítima fatal do festival

Uma criança de nove anos morreu após ficar cinco dias em coma induzido por conta do incidente no festival de música Astroworld, do rapper Travis Scott. De acordo com BBC, familiares de Ezra Blount confirmaram a morte do garoto no último domingo, 14 de novembro. 

+++ LEIA MAIS: Travis Scott: Festival Astroworld deixa pelo menos 8 mortos e centenas de feridos; entenda

Blount estava no ombro dos pais quando o tumulto começou e o público começou a se esmagar. Nesse momento, o pai desmaiou e ao acordar não encontrou mais o filho. Após uma busca, a família o localizou em um hospital infantil.