YouTube retira vídeo de J Balvin da plataforma por machismo e racismo; entenda

YouTube retira o clipe de "Perra," de J Balvin e Tokischa após acusações de racismo e machismo

Redação Publicado em 20/10/2021, às 17h02

None
J Balvin (Foto: Michael Loccisano/Getty Images)

O mais recente videoclipe de J Balvin para a música "Perra," em parceria com Tokischa foi excluído pelo próprio YouTube no domingo após acusações de racismo e machismo nas cenas do vídeo do cantor colombiano, segundo informações do Blitz. A plataforma retirou o conteúdo depois de um protesto assinado pela vice-presidente da Colômbia e outras lideranças locais.

Apesar de o vídeo estar fora do ar, os relatos da imprensa internacional explicam que as cenas apresentam Tokischa e outras mulheres com orelhas de cachorro enquanto engatinham. Outro momento do clipe dirigido por Raymi Paulus Tokischa traz a cantora Tokischa em um canil, via RevistaMonet. 

+++LEIA MAIS: 5 artistas latinos que dominam o YouTube: Anitta, Shakira, J Balvin e mais [LISTA]

Segundo informações do Los Angeles Times, o comunicado assinado pela vice-presidente da Colômbia, Marta Lucía Ramirez, e pela líder do Conselho Presidencial para Igualdade de Gênero, Gheidy Gallo Santos, critica o conteúdo "misógino" do vídeo, além da "objetificação sexual de mulheres negras." O documento assinado destaca cenas do vídeo em que duas mulheres engatinham com coleiras.

Na letra de "Perra," J Balvin compara a obsessão por sexo com a devoção de um cachorro na busca por um parceiro. Um dos trechos da faixa diz: "Eu sou como um cachorro excitado / Em busca de outro cachorro para pegar."

+++LEIA MAIS: Grammy Latino 2020: Veja todos os brasileiros indicados e vencedores da premiação

Nas redes sociais, muitos perfis mostraram a indignação com a atitude do cantor acerca do clipe da música. "É incrível que os seres humanos possam cair tão baixo, J Balvin com "Perra." Você caiu muito baixo, o que desgosta tanto a letra quanto a música, é incrível como tem gente ignorante que idolatra e o defende, é completamente detestável," escreveu um perfil. 

Embora o YouTube tenha tirado do ar, o vídeo foi compartilhado por outros perfis na plataforma. Em sua maioria, os clipes reproduzidos também foram retirados do ar devido aos direitos autorais, via Blitz