4 motivos para assistir à série animada da Arlequina na HBO Max [LISTA]

Estrelada por Kaley Cuoco, série animada da Arlequina é uma das produções atuais da DC de maior sucesso

Felipe Grutter (com supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 18/07/2021, às 12h00

None
Cena de Harley Quinn (Foto: Reprodução/HBO Max)

Harley Quinn, série animada da Arlequina, é uma das melhores produções baseadas nos quadrinhos da DC Comics da atualidade. Com duas temporadas, o seriado era produzido originalmente pelo streaming DC Universe, mas migrou para a HBO Max, disponível no Brasil desde 29 de junho de 2020.

O elenco da animação conta com nomes como Kaley Cuoco (Arlequina), Lake Bell (Hera Venenosa), Alan Tudyk (Cara-de-Barro), Ron Funches (Tubarão-Rei), Tony Hale (Doutor Psycho), Matt Oberg (Homem Pipa), Diedrich Bader (Batman) e Jason Alexander (Sy Borgman). Sucesso de público e crítica, a terceira temporada da série foi confirmada.

+++LEIA MAIS: Diretor pede desculpa pela forma como Arlequina foi retratada em Esquadrão Suicida; entenda

Veja, abaixo, cinco motivos para assistir à série animada da Arlequina na HBO Max:


Personagens

Todos os personagens de Harley Quinn são bem aproveitados e bastante carismáticos, desde os principais, como Arlequina, Hera Venenosa e Tubarão-Rei, aos mais toscos, como Homem Pipa e Sy Borgman. A produção sabe aproveitar todas as qualidades dos vilões e heróis - e fazer piada com as bizarrices.

+++LEIA MAIS: Cena de sexo entre Batman e Mulher-Gato é cortada de animação; entenda

Além disso, os principais têm chance de desenvolvimento e evolução. Arlequina se livra cada vez mais do Coringa (Alan Tudyk), Doutor Psycho tenta se redimir de maneira completamente errônea e falha, o público vê a história e dramas de Tubarão-Rei e as empreitadas de Cara-de-Barro na atuação.


Humor

Sendo um desenho animado, a produção possui momentos bizarros e extremamente caricatos, mas nada fica forçado demais. Cada personagem traz uma vertente de humor diferenciada. Arlequina tem o lado mais maluco, Tubarão-Rei e Cara-de-Barro são mais desastrosos, e Sy Borgman apresenta toda bizarrice.

+++LEIA MAIS: Margot Robbie tem motivo nobre para seguir como Arlequina; entenda


Emancipação da Arlequina

Fora dos quadrinhos, Arlequina quase nunca teve a chance de se separar do Coringa e viver sem a manipulação e toxicidade do relacionamento com o vilão. A personagem se livrou do personagem em Aves de Rapina: Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa (2020). Porém, a série fez isso um pouco diferente.

Harley Quinn não se apressa em desenvolver a emancipação da personagem. Como tem formato episódico, tem mais tempo para explorar o caráter da protagonista, mostrando as recaídas e os momentos nos quais começa a perceber como viveu um relacionamento abusivo.

+++LEIA MAIS: 5 HQs da Arlequina para ler antes de Esquadrão Suicida [LISTA]


Repaginação de elementos clássicos do Batman e DC Comics

A produção inverte as características de alguns personagens icônicos da DC. Por exemplo, Tubarão-Rei e Cara-de-Barro deixam de ser vilões brutos, e ganham mais emoções e humor - algo nada ruim. Além disso, Jim Gordon (Christopher Meloni) deixou de ser um policial sério e respeitado para mostrar fragilidade ao virar um alcoólatra por fracassos na vida pessoal.


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL