5 motivos para acreditar que Contágio não envelheceu muito bem [LISTA]

Nove anos depois de estrear nos cinemas, a produção de Steven Soderbergh acompanha a história de uma pandemia misteriosa que assola o mundo todo

Redação Publicado em 25/03/2020, às 07h30

None
Contágio (Foto: Claudette Barius / Warner Bros. / Reprodução)

Nove anos depois de estrear nos cinemas, o filme Contágio, de Steven Soderbergh, voltou a ser um dos 10 filmes mais buscados no iTunes em janeiro. Os números são consequência do surto de coronavírus.

A produção de 2011 acompanha Beth Emhoff (Gwyneth Paltrow), que, ao voltar da China para os Estados Unidos, desenvolve sintomas que parecem uma gripe, mas que evoluem até ela ser internada. Eventualmente, o mundo inteiro adoece e uma misteriosa pandemia se instala.

+++ LEIA MAIS: 7 filmes adiados por causa do coronavírus - Velozes e Furiosos, Lugar Silencioso e mais

As semelhanças com o COVID-19 são várias, no entanto, nem tudo retratado no filme também vale para a vida real e para o contemporâneo.

O site ScreenRant selecinou 5 motivos para acreditar que o filme não envelheceu muito bem. Confira a lista:


Foco no Estados Unidos

Todas as histórias do filme focam apenas em pessoas dos Estados Unidos. Com isso parece que a pandemia não é em escala global, e afeta apenas residentes do país norte-america, enquanto outros lugares são ignorados.

+++ LEIA MAIS: Os Simpsons ‘previu’ coronavírus - e até que Tom Hanks ia ficar de quarentena


Uso de placebo

O uso da substância pela OMS no filme exagerou no fictício. Como o site define, os placebos "são definitivamente inertes e não têm valor terapêutico além de seus efeitos psicológicos".

+++ LEIA MAIS: 7 filmes plenos e fofos para assistir e relaxar na era do coronavírus [LISTA]


Panfletos e propagandas impressas

Como o vírus do filme é extremamente mortal, as pessoas evitavam ao máximo andar nas ruas. Por isso, o uso de propagandas impressas sobre prevenção não fazia muito sentido. Além disso, muitas pessoa se informam na internet.

+++ LEIA MAIS: Coronavírus pode custar mais de R$ 22 bilhões à indústria cinematográfica mundial; entenda


Adaptação inadequada da quarentena

Apesar da trama girar em torno de uma pandemia, onde as pessoas ficam isoladas, o filme não conseguiu retratar de forma precisa os impactos da quarentena - nem como é esse processo.

+++LEIA MAIS: Ryan Reynolds doa US$ 1 milhão contra coronavírus - e consegue fazer disso uma piada com Hugh Jackman


Retrato da China

Assim como na vida real, o filme também mostra que a pandemia do longa teve origem na Ásia. Apesar disso, o filme não foi muito feliz com a narrativa de personagens chineses. A produção mostru guardas chineses hostis e ainda revelou um anatgonista.

+++ LEIA MAIS: Ministério da Saúde e casas de shows ainda não têm planos para lidar com coronavírus em grandes eventos


+++ CORONAVÍRUS: DEVEMOS REALMENTE CANCELAR SHOWS E EVENTOS?