5 romances lésbicos dirigidos por mulheres: De Retrato de Uma Jovem em Chamas a Rafiki [LISTA]

Confira obras que subvertem o "male gaze", o chamado "olhar masculino”, nos cinemas

Julia Harumi Morita Publicado em 25/06/2021, às 12h00

None
Retrato de Uma Jovem em Chamas e Rafiki (Fotos: Reprodução /Twitter)

Relações lésbicas são retratadas há décadas nos cinemas e são um tópico frequente nas discussões sobre o chamado "male gaze", em tradução livre, o "olhar masculino" sobre o mundo e as mulheres, as quais são objetificadas pela câmera, pelo protagonista ou pelo público masculino e heterossexual.

Em contraste, o termo "female gaze" e "lesbian gaze", em português, o "olhar feminino" e "olhar lésbico", respectivamente, foram criados para descrever obras que subvertem a perspectiva masculina, de acordo com o The Guardian.

+++ LEIA MAIS: 6 diretores LGBTQ+ da cultura pop: Das irmãs Wachowski a Pedro Almodóvar [LISTA]

Nem todo filme dirigido por mulheres automaticamente coloca em prática o "female gaze", como nem todo filme lésbico dirgido por um homem é considerado fantasioso.

Mesmo assim, não é difícil ver as diferenças entre filmes como Retrato de Uma Jovem em Chamas (2019) ou Você Nem Imagina (2020), ambos dirigidos por mulheres, e Azul É A Cor Mais Quente (2013) ou Tudo Por Ela (2021), os quais foram dirigidos por homens, contam com longas cenas explícitas e, no caso da segunda obra, diálogos como: "Deve ser ótimo um homem. Podem colocar algo dentro das mulheres. Meus dedos não podem te preencher."

+++ LEIA MAIS: Estrelada por Liniker, Manhãs de Setembro reflete sobre a construção do afeto com visibilidade LGBTQ+ [ENTREVISTA]

Pensando nisso, a Rolling Stone Brasil separou cinco romances lésbicos dirigidos por mulheres, os quais vão além do toque carnal e constroem relacionamentos por meio de olhares, cenas íntimas atrapalhadas e até mesmo cartas. Confira:

Rafiki (2018)

Dirigido por Wanuri Kahiu, Rafiki conta a história de duas jovens do Quênia, o qual é tomado por conflitos políticos sobre os direitos LGBTQ+. Banido do próprio país, este foi o primeiro longa-metragem queniano selecionado para o Festival de Cannes.

+++ LEIA MAIS: 6 retratos necessários da bissexualidade na TV: De Grey's Anatomy a Brooklyn Nine-Nine [LISTA]


Retrato de Uma Jovem em Chamas (2019)

O filme francês, dirigido por Céline Sciamma, conquistou atenção mundial ao trazer um romance lésbico praticamente sem personagens masculinos e colocar o foco no consentimento. Na trama, Marianne é contratada para pintar um retrato em segredo de Héloïse, para ser entregue ao futuro noivo do casamento arranjado da jovem.


Fora de Série (2019)

Na estreia como diretora, Olivia Wilde apresenta uma típica história coming-of-age ambientada nos EUA. Mas, desta vez, uma das protagonistas é lésbica e cria coragem de se jogar um relacionamento antes de entrar na faculdade.

+++ LEIA MAIS: 6 romances e dramas gays para assistir na Netflix: De Hoje eu Quero Voltar Sozinho a Seu Nome Gravado em Mim [LISTA]


Você Nem Imagina (2020)

Dirigido por Alice Wu, Você Nem Imagina também mergulha no universo do ensino médio norte-americano, mas mostra uma relação platônica entre a tímida Ellie Chu e Aster Flores por meio de cartas de amor.


Alguém Avisa? (2020)

Estrelado por Kristen Stewart e Mackenzie Davis, Alguém Avisa? é um filme de Clea DuVall sobre Abby e Harper, que decidem passar o Natal com a família da última, mas precisam lidar com um problema: eles não sabem do relacionamento delas.

+++ LEIA MAIS: 6 documentários e reality shows para conhecer o universo drag [LISTA]


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL