Pulse

5 segredos e brincadeiras de Harry Potter que só quem leu os livros conhece [LISTA]

J. K. Rowling é uma escritora habilidosa, e cria ganchos enormes entre os livros da saga

Redação Publicado em 29/10/2019, às 17h12

None
A cicatriz foi um dos aspectos mais importantes de Harry Potter - do início ao fim (Foto: Reprodução / Warner Bros)

Harry Potteré uma das sagas de maior sucesso do mundo geek. Os filmes têm bilheterias milionárias; os livros, reinventaram a maneira de jovens se relacionarem com publicações. Mesmo assim, grande parte dos fãs conheceram o bruxo pelas telonas, e não pela obra de J. K. Rowling.

Porém, como costuma acontecer, os livros têm muitos fatos que ficaram de fora dos filmes. Rowling é excelente autora, e esconde segredos em pequenos detalhes - percebidos só pelos mais assíduos leitores. 

+++ LEIA MAIS: 8 anos depois, Harry Potter revela detalhe curioso sobre roupas de Voldemort nos filmes

Separamos, aqui, algumas nuances deJ. K. Rowling ao longo da saga Harry Potterque nunca chegaram aos filmes da Warner Bros. Veja:


Rita Skeeter, a animaga

Rita Skeeter, a jornalista fofoqueira, inferniza a vida de Harry Potter. Principalmente durante o Torneio Tribruxo, em O Cálice de Fogo - fazendo fuxico sobre ele no jornal Profeta Diário, a maioria mentiras. E, o mais incrível: ela sempre conseguia descobrir tudo o que acontecia na vida do menino - quer ele estivesse no meio de uma aula, ou andando pelos jardins de Hogwarts

E então, Hermione Granger mostra a sua genialidade - ela deduz que Skeeter é, na verdade, uma animaga (bruxa que vira um animal) e pode se transformar em besouro; assim, espiona todos. A garota a prende em um pote, e faz ela prometer que nunca mais vai escrever sobre Harry.

+++ LEIA MAIS: 9 provas de que Hermione Granger é personagem mais inspiradora de Harry Potter [LISTA]

É uma pena que as cenas ficaram de fora das telonas. Em primeiro lugar, por exaltar a inteligência de Hermione. E também por deixar de fora um lado bem sombrio dela - capaz de prender e ameaçar uma pessoa.


Professora Trelawney previu morte de Dumbledore

O natal em Hogwarts é sempre uma alegria - e Harry mal pode esperar para ver o salão principal enfeitado com os 12 pinheiros gigantes e comer a ceia deliciosa. Mas, em Prisioneiro de Azkaban, a reunião foi pequena (os bruxos estavam com medo de Sirius Black) e todos que estavam no castelo - professores e alunos - comeram juntos.

+++ LEIA MAIS: Bruxos no dentista? 9 questões mal resolvidas do universo de Harry Potter [LISTA]

A última a chegar no local foi a vidente charlatã Sibila Trelawney, professora de adivinhação que sempre acreditava que Harry morrerria tragicamente. Assim que chegou ao salão, ela contou o números de pessoas à mesa - 12 - e não quis sentar. Quando 13 comem juntos, acredita ela, o primeiro a levantar se morre.

Dumbledore não acredita no papo e levanta para recebê-la. Mas o que ninguém sabia é que, quando ele fez isso, já havia 13 pessoas à mesa - uma delas era Pedro Petigrew disfarçado como Perebas, rato de Rony Weasley. E, certamente, o primeiro da mesa a falecer é o diretor. Como previsto por Trelawney.


Severo Snape lê mentes

Em Ordem da Fênix, descobrimos que Snape é legilimens - ele pode “ler” mentes. Mas J. K. Rowling contou isso bem, bem antes. Em Pedra Filosofal, quando Harry, Rony e Hermione acreditam que o professor tentava roubar a Pedra, o protagonista ficou preocupado com uma possibilidade: ele achava que o mestre de poções conseguia ler a mente dele. Quem diria? Conseguia mesmo!


Moto de Sirius Black

Os fãs de Harry Potter conheceram Sirius Black em Prisioneiro de Azkaban. O garoto passa o livro inteiro achando que o homem era o assassino de seus pais - para depois descobrir que ele era o melhor amigo amigo deles, além de seu padrinho - e totalmente inocente.

+++ LEIA MAIS: Por que o rosto de Voldemort, vilão de Harry Potter, é tão desfigurado?

O personagem, até então misterioso, porém, foi um dos primeiros citados na saga. No primeiro capítulo de A Pedra Filosofal, Hagrid leva Harry, ainda bebê, à Rua dos Alfeneiros. Chega em uma moto voadora - e disse que “cruzou com o jovem Sirius [Black]” e ele emprestou o veículo. Até diz que vai devolvê-lo, mas nunca o encontra.

Somente uma linha, mas com uma relevância gigantesca no futuro. Enquanto Hagrid tirava o pequeno Harry dos escombros da casa destruída, Sirius chegou. Ele era o melhor amigos dos Potter. Desesperado, começou a tentar ajudar o casal - e entregou a moto para o meio-gigante levar o bebê para um lugar seguro. A perdição: como ele estava lá quando a polícia chegou, foi culpado pelo crime. Acabou preso em Azkaban por 13 anos por um crime que não era dele (no caso, o assassinato de Pettigrew).


Cicatriz

Quando o bebê Harry chega à Rua dos Alfeneiros para morar com os Dursley, McGonnagal e Dumbledore o esperam. A professora repara na cicatriz em formato de raio na testa do pequeno, e pergunta se o diretor não pode consertar. Ele poderia tentar, mas não o faz, pois cicatrizes podem ser úteis (ele mesmo tem uma no joelho esquerdo que é uma cópia exata do mapa do metrô de Londres!). 

+++ LEIA MAIS: Parabéns, Harry Potter: Como é a vida do bruxo aos 39 anos?

Apenas cinco livros depois, em Ordem da Fênix, que descobrimos como a cicatriz é util: serve como uma ligação à Voldemort, arqui-inimigo de Harry, e uma “porta de entrada” para os pensamentos do bruxo malvado. Mais para a frente ainda, no final de Relíquias da Morte, descobrimos como, além de tudo, isso acontece porque Potter é uma Horcrux de seu inimigo - o que o obriga a se sacrificar para matar Voldemort.

Então, do primeiro ao último instante, a história de Harry Potter estava baseada na cicatriz. O que leva à última frase dos sete livros: “A cicatriz não incomodara Harry nos últimos dezenove anos. Tudo estava bem.”