6 escândalos mais chocantes do universo k-pop [LISTA]

Chantagem, tráfico de drogas e estupro coletivo são alguns dos crimes cometidos pelos artistas sul-coreanos

Redação Publicado em 19/02/2020, às 13h29

None
Lee Byung-hun, IU e Seungri (Fotos: Reprodução)

O K-Pop se tornou um fenômeno mundial e deu abertura para a divulgação e valorização da cultura asiática pelo resto do mundo. De acordo com o site Insider, a indústria popular sul-coreana fatura cerca de US$5 bilhões anualmente e estima alcançar 100 milhões de admiradores pelo mundo, o dobro da população da Coreia do Sul.

Apesar do popularidade inegável do K-Pop e da imagem impecável dos k-idols, de tempos em tempos, a indústria sul-coreana enfrenta escândalos envolvendo cantores, atores e diretores acusados pelos mais diversos crimes, desde chantagem até estupro coletivo.

Confira os 6 escândalos mais chocantes do universo K-Pop:

+++ LEIA MAIS:  Go Soo Jung, atriz de clipe do BTS, morre aos 24 anos

Chantagem

A modelo Lee Ji-yeon e a K-idol Dahee, do grupo Glam, chantagearam o ator Lee Byung-hun por email em uma tentativa de receber US$ 4,2 milhões. As duas artistas ameaçaram divulgar um vídeo em que o ator bebe e faz comentários inapropriados para elas. 

Contudo, o ator recorreu a Justiça e as duas artistas admitiram o crime. Lee, que tinha um caso com o astro, foi condenada a uma ano e dois meses de prisão, enquanto Dahee, que afirmou precisar do dinheiro para pagar uma dívida com a Big Hit Entertainment, foi condenada a uma ano. (Foto: Reprodução)

+++ LEIA MAIS:  O que esperar de Map Of The Soul: 7, do BTS?


Tráfico de drogas

Em 2014, a ex-integrante do grupo 2NE1, Park Bom, foi acusada de receber mais de 80 pílulas de Adderall por correio, medicamente banido da Coreia do Sul. Em resposta, a artista explicou que o uso da substância fazia parte de um tratamento de ansiedade e depressão.

A k-idol também afirmou que recebeu o remédio pelo correio porque não tinha como viajar até os Estados Unidos para comprá-las pessoalmente. Após as declarações, Park foi liberada das acusações. (Foto: Reprodução)

+++ LEIA MAIS:  7 parcerias do BTS que você certamente deveria ouvir: De Nick Minaj e Lil Nas X a Halsey


Estupro coletivo e distribuição de sex tape

Os astros Jung Joon-young e Choi Jong-hoon foram condenados a seis e cinco anos de prisão, respectivamente, por estupro coletivo de duas mulheres, em 2016. Além disso, Joon-young foi acusado de distribuir uma sex tape dele sem o consentimento da parceira. 

O crime fez parte do caso "Spycam Porn", que resultou em uma onda de protestos similares ao #MeToo. Diversas mulheres foram às ruas e declaram: "Minha vida não é seu pornô". (Foto: AP)

+++ LEIA MAIS:  Ex-astro de k-pop, Seungri é indiciado com acusação de prostituição


Sexualização infantil

A cantora IU foi alvo das inúmeras críticas após fazer referências sexuais ao personagem Zezé, do livro infantil Meu pé de Laranja Lima, escrito pelo brasileiro José Mauro de Vasconcelos e popularmente conhecido na Coreia do Sul. Primeiramente, IU negou a sexualização, porém, mais tarde, se desculpou pela canção.

Na música, ela canta: "Zeze, venha rápido em cima da árvore e beije as folhas / Não seja travesso e não machuque a árvore / venha em cima da árvore e pegue a folha mais nova / Você é inocente, mas perspicaz / Transparente, mas sujo e não tem jeito de saber o que vive dentro". (Foto: Reprodução)

+++ LEIA MAIS:  John Cena fã de K-Pop? Lutador escolhe integrante favorito do BTS


Corrupção

O diretor de clipes de K-pop e publicitário, Cha Eun-taek, se envolveu em um escândalo de corrupção ao lado da ex-presidente Park Geun-hye, em 2016. Os procuradores confirmaram que Eun-taek estabeleceu contato com um dos confidentes de Park para conseguir fechar contratos com empresas privadas e agências do governo.

Acusado de abuso de poder, coação e fraude, Cha foi condenado a três anos de prisão, enquanto Park, a primeira presidente do país condenada por corrupção, recebeu uma sentença de 24 anos de prisão. 

+++ LEIA MAIS:  Artista de K-Pop, Kang Daniel cancela agenda devido a problemas de saúde mental


Prostituição, jogos de azar e mais 

Um dos escândalos mais recentes foi o caso "Burning Sun scandal", um esquema de ilegal de prostituição, jogos de azar e violação de transações de câmbio por meio o clube noturno Burning Sun.

Entre os diversos astros do k-pop envolvidos está Seungri, o ex-integrante do grupo Big Bang. No momento, a promotoria sul-coreana tenta emitir um mandado de prisão, mas apenas conseguiu confiscar o passaporte de Seungri.

+++ LEIA MAIS:  Ryan Reynolds tieta estrelas de k-pop EXO: “Faço parte do grupo”


+++ SESSION ROLLING STONE: RUBEL TOCA MANTRA