6 motivos para ficar hipnotizado por Little Fires Everywhere

O drama familiar inspirado no best-seller homônimo expõe as microagressões do racismo estrutural e os desafios da maternidade

Redação Publicado em 28/06/2020, às 17h00

None
Kerry Washington como Mia Warren e Reese Witherspoon como Elena em Little Fires Everywhere (Foto: Divulgação / Hulu)

Little Fires Everywhere é a nova sensação da Hulu e Amazon Prime Video. Exibida nas duas plataformas de streaming, a minissérie é produzida e estrelada por Reese Witherspoon e Kerry Washington. Baseada no best-seller homônimo, escrito por Celeste NG, Little Fires Everywhere é um drama familiar que aborda questões como o racismo estrutural, a sexualidade, etnias e a maternidade em oito episódios hipnotizantes e intrigantes. 

+++ LEIA MAIS: 6 séries adolescentes protagonizadas por não-brancos [LISTA]

Com clima de suspense, a série acompanha a chegada da artista plástica Mia Warren (Kerry Washington) e a filha adolescente Pearl Warren (Lexi Underwood) na cidade de Shaker Hights, no subúrbio de Ohio. As novas moradoras são rapidamente notadas por Elena Richardson (Reese Witherspoon) por sempre andarem em um carro velho, sujo e cheio de malas. Rica e controladora, Elena tem um imóvel vago e sugere alugar o local para Mia e Pearl. A parir deste momento, os contrates entre as duas famílias aparecem e desencadeiam reviravoltas na trama — e levantam o mistério que apresenta a série: quem causou o grande incêndio? 

+++ LEIA MAIS: 5 livros urgentes para entender o racismo no Brasil e no mundo [LISTA]

Com roteiro intrigante, envolvente e com questões profundamente necessárias a serem discutidas, reunimos 6 motivos para você maratonar a série. Veja abaixo: 

As microagressões do racismo

Ao perceber que Mia e Pearl estavam procurando um lugar para morar, a Elena oferece alugar o imóvel que ela tinha vago por um preço abaixo do mercado e convida sutilmente para que Mia seja a nova empregada doméstica da casa dela. Assim, Mia "teria uma qualidade de vida melhor". Em outras palavras, Elena quer ser a "White Savior" — que significa "Salvador Branco", um complexo que define quando uma pessoa branca tenta ajudar pessoas não-brancas de maneira egoísta — e tirar Mia de uma situação que ela considera humilhante.

A tensão entre as duas personagens acontece desde o primeiro encontro e permeia ao longo de toda a série mostrando as sutilezas do racismo estrutural, o privilégio branco e as lutas de classe.  

+++ LEIA MAIS: Como apoiar movimentos sociais como o Black Lives Matter e organizações antirracistas pela internet; veja lista

O mito da família tradicional e perfeita 

A minissérie desmistifica muito bem o posto estereotipado de uma família tradicional americana. Elena tem a ideia de que a própria família é o típico sonho americano. Casada com Bill (Joshua Jackson), advogado, ela passou a vida inteira empenhada na criação dos quatro filhos — que ao longo da série, fazem questão de evidenciar as rachaduras desse conceito de perfeição que a protagonista idealizou. 

+++ LEIA MAIS: Normal People não é o seu romance ideal de TV — e é por isso que você deveria assistir

Diálogos ácidos que fortalecem a narrativa 

Sem receio de embate, Mia sempre se posiciona de forma cirúrgica diante os desconfortos propostos ao longo da narrativa. Em várias situações, a personagem desenha de forma feroz a diferença sobre os privilégios de cada uma das famílias, seja nos diálogos com a filha Pearl ou nos confrontos com Elena. Em algum momento, a personagem te faz refletir sobre as questões do mundo — e isso é extremamente valioso. 

+++ LEIA MAIS: Você deveria assistir Tuca & Bertie: a 'prima de Bojack Horseman' esnobada pela Netflix trata de amor moderno, amizade entre mulheres, abuso e sobriedade

A maternidade sob várias perspectivas 

Em Little Fires Everywhere, a maternidade é exposta por vários pontos de vista. Durante a narrativa, vemos arcos de personagens se desenvolverem desde uma mãe que deixou toda a ambição profissional para se dedicar a uma vida em família ou uma que personagem que nunca conseguiu engravidar até uma que precisou abandonar a filha recém-nascida, pois não tinha condições de sustentá-la. De alguma forma, todas essas histórias se conectam e o caminho até elas é cru e honesto.

+++ LEIA MAIS: Como violência policial e racismo são normatizados pela produção audiovisual brasileira [ANÁLISE]

Uma boa trilha sonora

Mesmo que a série tenha várias outras questões para se preocupar, ela é super bem acompanhada com trilhas de várias divas. Lauryn Hill, Alanis Morissette, Mariah Carey e Erykah Badu são alguns nomes. Little Fires Everywhere se passa nos anos 1990, mas possui recortes de décadas para revisitar o passado das protagonistas Mia e Elena com canções das respectivas épocas. 

+++ LEIA MAIS: Além de Bacurau: 15 produções nacionais para entender o racismo e a desigualdade social no Brasil

Um grande elenco

Além da dupla dinâmica, Reese Witherspoon e Kerry Washington, todo o elenco de apoio — e que tem jornadas individuais muito interessantes — dão peso a série. Além do marido de Elena, Bil, que parece ser mais sensato sobre as questões da família, os quatro filhos da personagem, interpretados por Jade Pettyjohn, Megan Stott, Gavin Lewis e Jordan Elsass fazem um trabalho brilhante e tratam cada questão com muito realismo. Lexi Underwood, que interpreta Pearl, filha de Kerry Washington, também é radiante.

+++ LEIA MAIS: 5 motivos para ficar fissurado por High Fidelity, estrelada por Zoe Kravitz


 


+++ A PLAYLIST DO SCALENE