Pulse

7 maiores atrocidades que o Coringa já fez nas HQs [LISTA]

Com um filme mais pesado a caminho, listamos os piores feitos do Palhaço do Crime nas revistas em quadrinhos

Vinicius Santos Publicado em 01/09/2019, às 11h00

None
Coringa na Graphic Novel A Piada Mortal (Arte: Brian Bolland / DC Comics)

O novo filme do Coringa vem aí, sendo o primeiro de uma produção de filmes mais densos e pesados da DC Comics, sem necessariamente ter conexão com os filmes do DCEU (sigla para o termo não oficial em inglês que designa o Universo Estendido da DC no cinema), e por isso promete tomar mais liberdades com o personagem.

Joaquin Phoenix contou que o filme é mais um estudo de personagem e uma possível versão de sua origem, e o trailer final assustador mostra que a produção não irá pegar leve ao retratar os possíveis traumas e a intensidade da loucura do Palhaço do Crime.

Listamos abaixo as coisas mais sinistras que o Coringa fez nas revistas, para entender e se preparar o clima do filme que vem em novembro.


Remover o próprio rosto


Arte: Greg Capullo/ DC Comics

Quase todas as atrocidades cometidas pelo Coringa são fruto da obsessão dele pelo Batman, e essa não podia ser diferente. No arco dos Novos 52 chamado Morte da Família, o palhaço fica nostálgico dos tempos onde era apenas ele e Homem-Morcego brigando na noite de Gotham e decide caçar a matar todos os membros da Bat-família (o mordomo Alfred, comissário Gordon, Robin, Batgirl e outros).

Como se esse objetivo não fosse perturbado o suficiente, o Palhaço do Crime ainda resolve remover a pele do rosto ao fugir do asilo Arkham e a deixa na parede da cela onde estava preso, um ato teatral e macabro.


Atirar em Barbara Gordon


Arte: Brian Bolland/ DC Comics

Em A Piada Mortal, talvez a história independente mais famosa sobre o vilão, o Coringa tem como objetivo comprovar uma tese para si mesmo e para o Batman: tudo que basta para um homem ficar completamente louco é um dia ruim, não importa o quão bom como pessoa ele seja.

Para tal, o palhaço faz de tudo para dar ao comissário Jim Gordon o pior dia da vida dele. Sequestra o policial, atira em Barbara Gordon (Batgirl e filha do comissário), deixando-a paraplégica, e ainda força Jim Gordon a ver fotos da filha (tiradas pelo próprio Coringa) agonizando após o tiro.

É uma cena arrepiante e candidata forte a maior crueldade já feita pelo vilão.


Removeu a pele de um homem (ainda vivo)


Arte: Lee Bermejo / DC Comics

Em Coringa, uma história solo protagonizada pelo vilão e escrita por Brian Azzarello, foi apresentado uma versão do palhaço muito similar visualmente a do ator Heath Ledger. O objetivo da história, porém, era ser uma versão muito mais chocante do palhaço gângster do que no filme Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008), e cena a seguir prova isso.

Na história, o Coringade alguma forma conseguiu convencer os médicos do Asilo Arkham de que não era louco e foi liberado da instituição. Ele então resolve visitar Monty, um antigo parceiro de crimes que acabou se tornando um líder do submundo ilegal de Gotham.

Porém, Monty havia transformado Harley Quinn em uma stripper, uma decisão que ele veio rapidamente a se arrepender, porque o Coringa arrancou a pele dele enquanto ainda estava vivo como forma de se vingar.

Para mandar um recado para os resto do mundo do crime, o palhaço sádico soltou Monty na casa noturna na qual a Arlequina trabalhava e todos viram o chefe criminoso morrer no palco. Brutal.


Usou um bebê para matar uma policial


Arte: Greg Land / DC Comics

Em uma das sagas da revista do Batman, chamada de Terra de Ninguém, Gotham é devastada por um terremoto sem precedentes, e o governo dos Estados Unidos declara a cidade uma Terra de Ninguém, ou seja, sem a proteção da lei.

A cidade é então abandonada pelas autoridades, e os criminosos fazem a festa enquanto os cidadãos tentam proteger suas casas. O Coringa, que obviamente não ia ficar sem fazer nada, resolve sequestrar todos os bebês das maternidades e matá-los simplesmente para causar o caos.

Sarah Essen, oficial da Polícia de Gotham e esposa do comissário Gordon, vai até o local onde o vilão mantém as crianças aprisionadas e confronta o Coringa. O Palhaço do Crime arremessa um bebê no chão e, quando Sarah se joga para salvar a criança, o vilão a mata com um tiro na cabeça. É difícil escolher o que ele fez de pior nessa sequência.


Matar toda a platéia pela atenção do Morcego


Arte: Frank Miller / DC Comics

Na HQ de Frank MillerBatman - O Cavaleiro das Trevas, que mostra um Batman mais velho e aposentado há dez anos, o Coringa aparece em um primeiro momento em estado catatônico, já que o palhaço não via sentido na própria existência com o Homem-Morcego fora de cena.

Ao ver o Batman de volta à ativa, o Coringa resolve fazer um retorno a altura. Convence seu psiquiatra a indicar que ele está apto a participar de um talk show, e dentro do programa o palhaço libera seu gás do riso, matando toda a platéia e ainda exige no meio da transmissão ao vivo que o Batman volte a caçá-lo. O palhaço sabe mesmo chamar atenção.


Iludir o superman para matar Lois Lane


Arte: DC Comics

Nos quadrinhos Injustice: Gods Among Us (em português: Injustiça: Deuses Entre Nós), criado para anteceder a história do game de mesmo nome, o Coringa decide mudar o foco do Batman para o Superman, e faz uma das mais grandiosas atrocidades que qualquer vilão da DC já fez.

O Palhaço do Crime usa uma variação de seu gás do riso para fazer o Homem de Aço acreditar que sua esposa Lois Lane é na verdade seu arquiinimigo, o Apocalypse. O Supermanpor engano leva Lois para o espaço achando que ia lutar com o inimigo e a mata. Ah, falamos também que Lois Lane estava grávida do filho de Clark Kent? E que, para piorar ainda mais, o Coringa explode Metrópolis, a cidade do Super, com uma bomba nuclear.

Esse plano diabólico quebra o espírito do filho de Krypton, que desiste dos ideais, mata o Coringa e por fim torna-se um ditador amargurado disposto a acabar com o mal no mundo na base da opressão. Mais uma vez, o palhaço foi longe demais.


Assassinar Jason Todd, o Robin


Arte: Jim Aparo/ DC Comics

Essa última atrocidade envolve parcialmente os fãs do Batman também. Durante a publicação da saga chamada Uma Morte em Família, em 1988, a DC fez uma votação por telefone para decidir o destino do segundo Robin,Jason Todd. O povo falou, e decidiu pela morte do herói.

O que o povo não decidiu foi a maneira que Jason Todd iria morrer. Os capangas do Coringa surpreendem o Robin, o golpeiam, e o Palhaço do Crime espanca o garoto brutalmente com um pé de cabra. Não bastando isso, o vilão ainda arma uma bomba e manda o local onde emboscou o menino prodígio pelos ares. Talvez alguns fãs tenham se arrependido da escolha que fizeram.

+++ A playlist da Drik Barbosa - De Emicida a Erykah Badu