8 furos que não fazem sentido na história de Harry Potter: por que ninguém foi lutar contra Voldemort e mais

Os livros e os filmes da saga deixam muitas lacunas na narrativa do menino bruxo

Redação Publicado em 09/09/2020, às 10h30

None
Harry Potter e Voldemort (Foto: Reprodução)

Apesar dos livros e filmes de Harry Potter terem construído um universo complexo de escolas, governos e bancos mágicos, existem muitos detalhes que não são explicados na franquia literária e cinematográfica. 

O site Screen Rant listou 10 coisas que confusas de Harry Potter até mesmo para quem leu os livros e a Rolling Stone Brasil separou oito furos narrativos da lista que não fazem sentido na saga. Confira: 

As pinturas animadas

Assim que começa estudar em Hogwarts, Harry aprende que os quadros da escola de magia e bruxaria se mexem e ainda podem interagir com as pessoas reais. Segundo o Screen Rant, J.K. Rowling já explicou que as pinturas são retratos de pessoas que já morreram e que elas não possuem memórias nem podem ter sentimentos. 

Porém, essa descrição não faz sentido. Nos livros e nos filmes, a Mulher Gorda - que protege a entrada da Torre da Grifinória - mostra frustração e Alvo Dumbledore aconselha Snape mesmo depois da morte. 

+++ LEIA MAIS: Harry Potter: 14 mortes que ainda não superamos nos 21 anos da Batalha de Hogwarts [LISTA]


O passado dos professores

Ao longo dos anos letivos de Harry em Hogwarts, a escola enfrentou diversos problemas por causa da conduta dos professores, principalmente os de Defesa Contra as Artes das Trevas.

Quirinus Quirrell levou Voldemort para dentro do castelo, Gilderoy Lockhart era uma farsa e Alastor Moody serviu de disfarce para  Bartô Crouch Jr. colocar o plano do Lorde das Trevas em ação. 

Se Hogwarts é um dos lugares mais seguros do mundo bruxo - como Dumbledore disse certa vez - por que ela não possui nenhum recurso ou feitiço para desvendar o passado dos professores e as intenções deles? 

+++LEIA MAIS: Harry Potter: quanto tempo realmente durou a busca pelas Horcruxes de Voldemort?


Adivinhação 

A Adivinhação, definitivamente, não era a matéria mais popular de Hogwarts. A própria Hermione, aluna nota 10 da turma, não acreditava na eficácia do método de prever o futuro. E, de acordo com o Screen Rant, Dumbledore considerou retirar a disciplina da grade horária.

O poder de adivinhação normalmente está relacionado a um dom natural, mas Hogwarts indica que é possível adquirir a habilidade por meio de aulas. Então por que ninguém leva  a matéria a sério? A adivinhação poderia ser muito útil na batalha contra Voldemort e poderia evitar muitas mortes.

+++LEIA MAIS: Por que a Horcrux em Harry Potter não foi destruída na batalha contra o Basilisco em ‘Câmara Secreta’?


A mágica dos testrálios 

No quinto ano letivo, Harry começa ver os testrálios, criaturas mágicas que puxam as carruagens de Hogwarts e só podem ser vistas por que já “viu a morte”. O problema com este pequeno arco narrativo é que o bruxo viu Cedrico morrer em O Cálice de Fogo, no quarto ano.

Segundo J.K. Rowling, Harry demorou para ver os testrálios porque não conseguia aceitar a morte do colega. Porém, não faz sentido a visão dos animais depender do psicológico de alguém. Além disso, Harry testemunhou a morte dos pais quando ainda era um bebê, então deveria estar familiarizado com os animais desde o primeiro ano.

+++LEIA MAIS: 3 coisas em comum entre Voldemort, de Harry Potter, e Sauron, de O Senhor dos Anéis


O uso de varinhas 

No último volume da saga, Harry atinge o comensal da morteGreyback com um feitiço triplo, realizado com três varinhas ao mesmo tempo. Este ato gera muitas dúvidas sobre o uso das varinhas. 

Por que não vemos outros bruxos usarem mais de uma varinha? Esta técnica deixa o feitiço mais forte? Então, por que os alunos de Hogwarts aprendem que a magia fica mais forte conforme o bruxo acredita nela?

+++LEIA MAIS: Funcionários da editora de J.K. Rowling fazem greve após polêmicas


Por que os comensais da morte não fazem o voto perpétuo?

Voldemort construiu um exército de seguidores fiéis, os quais lutavam para construir um novo  mundo bruxo sob o comando do Você-Sabe-Quem. Mas, ao longo dos anos, nem todos os comensais da morte continuaram acreditando na genialidade do vilão, por exemplo, Lucius Malfoy. 

Muitos bruxos se tornaram seguidores de Voldemort por medo e não devoção. E, com certeza, o vilão sabia disso. Então por que ele não fez um voto perpétuo com os comensais da morte? Assim, ele não teria que se preocupar em ser traído por nenhum dos comensais da morte.

+++LEIA MAIS: Spin-off da origem de Voldemort pode ser produzido com astro de Stranger Things cotado para o elenco; entenda


Por que os feitiços legilimens e obliviate são permitidos?

No universo de Harry Potter, existem algumas maldições imperdoáveis: Crucio, utilizado para torturar alguém; Imperius, que permite controlar as ações de outra pessoa; e Avada Kedavra, qua mata subitamente qualquer um.

Contudo, existem outros feitiços poderosos e perigosos que são permitidos, por exemplo, o legilimens, que permite entrar na mente de outro bruxo, mesmo sem autorização. Já com o obliviate, é possível apagar memórias específicas de alguém. Como não existem regras para evitar o uso inadequado dessas magias?

+++ LEIA MAIS: Robert Pattinson, Emma Thompson, David Tennant e mais: 17 atores incríveis que fizeram parte de Harry Potter - e esquecemos


Por que a comunidade internacional de bruxos não se uniu para impedir Voldemort?

Nos livros e filmes de Harry Potter, apenas o Ministério britânico mostra algum tipo de mobilização e investigação para prender os comensais da morte e deter o Lorde das Trevas

Voldemort ameaçava dominar Hogwarts, o Reino Unido e, quem sabe, todo o mundo. Então, por que a comunidade internacional de bruxos não se uniu para impedi-lo?

+++ LEIA MAIS: Snape ensina Poções porque J.K. Rowling odiava química, revela autora


+++ BK' lança novo disco e fala sobre conexão com o movimento Vidas Negras Importam: 'A gente sabia que ia explodir'