O poeta e dramaturgo europeu que não é Shakespeare

Leia aqui a entrevista com Alberto Ammann, protagonista de Lope, do diretor brasileiro Andrucha Waddington; filme narra o início da vida adulta do poeta espanhol Lope de Vega

Por Stella Rodrigues Publicado em 04/03/2011, às 13h28

Alberto Ammann como Lope de Vega de Lope

Ver Galeria
(3 imagens)

"Achei que fosse ficar louco." A experiência inicial do jovem ator Alberto Ammann com o filme Lope foi bastante tensa, conforme ele mesmo definiu. Ammann foi selecionado para viver o grande poeta e dramaturgo espanhol Lope de Vega, personalidade de bastante relevância cultural para seu país, apenas 25 dias antes do primeiro "Ação!" ser pronunciado pelo diretor brasileiro Andrucha Waddington. Do contrato assinado ao primeiro dia no set, o ator teve muito trabalho para poder levar à telona a vida - ou pelo menos um recorte dela - do prolífico escritor. "Eram 20 horas de trabalho por dia", contou Ammann em entrevista ao site da Rolling Stone Brasil. Essas horas eram divididas entre muita leitura, estudo de campo dos locais por onde o personagem passou, treino para adaptar seu sotaque argentino, aulas de equitação e luta de espadas e muitas análises de roteiro com o elenco.

Ammann assumiu um desafio de peso ao ser escalado para o papel principal em Lope, que chega aos cinemas nacionais nesta sexta, 4. Com pouquíssima experiência no cinema, o ator mergulhou de cabeça na vida de um mito da literatura, considerado por muitos como o precursor do teatro que não distingue claramente comédia e drama, unindo os gêneros. Muitos atribuem esta revolução artística, mostrada no filme, a William Shakespeare, o que abre um debate que nunca pôde ser solucionado, já que os dois foram contemporâneos.

Não bastasse a correria de ter pouco tempo para se preparar e as proporções da figura historicamente, a escolha de um argentino para um papel espanhol levantou as sobrancelhas dos mais tradicionais. "Essa pressão foi importante", revelou o protagonista. "Foi meu segundo filme, e com atores que admirava e admiro muito. E mais, estou contando a história de Lope de Vega, que é um personagem muito espanhol. Pensei: 'um argentino fazendo um espanhol, vão me queimar em praça pública com o Andrucha, que é brasileiro!'. Depois, quando soubemos que Jorge Drexler faria a trilha... Um brasileiro, um argentino e um uruguaio, aí sim ficou perfeito", brincou, afirmando que para superar esses medos, contou com muita ajuda do diretor. Andrucha também tinha à sua frente um desafio, já que esta foi sua primeira experiência cinematográfica internacional. "Isso me pareceu ter mais a ver com preconceitos, inclusive o meu mesmo. E foi interessante para mim enfrentar meus próprios preconceitos. A maioria gostou muito do filme, o que prova que, na realidade, [a variedade de origens da equipe] não tem relevância artística nenhuma, pelo contrário, só enriquece a trama", concluiu Alberto.

Trama essa que pouco tem a ver com a pompa histórica atribuída a Lope. A narrativa mostra um jovem perdido, após deixar a armada espanhola e voltar para casa, ainda sem saber que rumo dar para à própria vida. Logo que chega, sua mãe (personagem de Sonia Braga, em uma breve ponta) morre e ele assume uma dívida para pagar as despesas do enterro. Encontra na escrita a profissão que pode lhe ajudar a ganhar o dinheiro necessário. Em meio a sonhos de nobreza e ambição profissional e social, apaixona-se triplamente: pelo teatro e por duas mulheres. Uma delas é Isabel, uma amiga de longa data que reencontra após a guerra. Ela está sendo cortejada pelo influente Marquês de Navas (vivido pelo brasileiro Selton Mello), que contrata Lope para redigir poemas românticos que conquistassem o coração da moça. O escritor cumpre tão bem a tarefa que Isabel descobre o verdadeiro autor das belas palavras e se apaixona por Lope. Nesse ínterim, o poeta se envolve também com a filha casada do poderoso empresário teatral Jeronimo Velázquez . Vale frisar que foram tomadas algumas liberdades criativas, não seguindo completamente o que aconteceu na realidade.

A sinopse acima - de paixão, dúvida, busca de posicionamento profissional -, com pequenas alterações, poderia ser aplicada a um filme sobre qualquer jovem, em várias eras da humanidade. E foi aí que entrou a maior preocupação de Ammann - ele deveria retratar um ídolo popular da literatura e do teatro, mas sem endeusá-lo como tal. Afinal, aquele Lope romântico e inconsequente ainda estava em processo de se tornar a lenda da escrita e cuja obra faz parte do currículo de muitos jovens alfabetizados em espanhol, inclusive o próprio ator.

"Estudamos Lope na escola na Argentina, mas não como na Espanha, lá estudam muito, muito. Lope é um personagem bem forte na cultura espanhola. Muitas crianças foram ver obras de Lope muito pequenas e sempre têm esse registro de ser algo chato, cansativo, porque as levam com 8 ou 10 anos para ver uma peça de Lope quando queriam jogar bola! Eles viram os olhos quando falam de Lope", explicou o ator. "Para nós, foi muito bom ver gente bem jovem gostando do filme, porque ele não fala de Lope de Vega, o escritor consagrado, fala de Lope de Vega, o rapaz que está se encontrando na vida."

Lope Vs. Shakespeare

Lope sofre uma comparação inevitável com William Shakespeare, outro revolucionário das artes cênicas. A diferença principal entre eles, porém, é a longevidade e alcance da fama de cada um - desnecessário citar que o inglês tem seu nome reconhecido com muito mais facilidade do que o espanhol. "Lope foi, de alguma maneira, um revolucionário das letras, mas o alcance de sua obra é certamente menor que a de Shakespeare, que é tido como o maior escritor que já existiu. Eu me atreveria a dizer algo que algumas pessoas podem não gostar, que Shakespeare escreveu melhor. Acredito que, em quantidade, Lope tem mais. Mas ele tem obras que não são tão fantásticas, enquanto tudo de Shakespeare é incrível. A importância de Lope tem mais a ver com a missão do teatro e sua transformação", opinou Alberto Ammann, que após os estudos forçados nos tempos de menino se aprofundou mais na obra de Lope na universidade.

Assim como os escribas são examinados sob uma mesma ótica, não foi diferente com o filme Lope, que chegou às telas 12 anos depois da estreia de Shakespeare Apaixonado (dirigido por John Madden). Na obra noventista, o jovem Bardo, antes da fama, está sem dinheiro e, ao se apaixonar, encontra a inspiração necessária para escrever. Apesar dos traços semelhantes, protagonista e diretor rejeitam a comparação. Ammann define Lope como "mais cru, mais realista" em termos de estética, citando a ambientação das ruas - de aparência suja, como eram, de fato, à época - como uma das diferenças. "Dizem que o cheio de Madri podia ser sentido a 5 km da cidade! Estamos acostumados a ver personagens de filmes sempre maravilhosos, limpos, perfumados e dando vontade de abraçar, mas é preciso encontrar um equilíbrio com o realismo aí", comentou Ammann, que ao vivo é uma versão limpa e perfumada do homem barbudo e por vezes encardido que estrela Lope. Veja acima fotos do filme e, abaixo, o trailer.