“Algumas pessoas se conectarão com esse álbum, outras não”, diz Mark Lanegan sobre o novo disco de covers

Ex-vocalista do Screaming Trees vive um ano cheio de colaborações e revisitará a carreira durante a apresentação no festival brasiliense Porão do Rock, nesta sexta, 30

Pedro Antunes Publicado em 28/08/2013, às 12h15 - Atualizado às 12h16

Mark Lanegan
Chris Strother/Divulgação

A rouquidão é a mesma, mas em embalagens completamente diferentes. Mark Lanegan, dono de uma das melhores vozes do grunge, na ponta de lança do Screaming Trees, vive um 2013 de pluralidade sonora capaz de tirá-lo das prateleiras de rock e colocá-lo naquela destinada aos artistas indecifráveis.

Porão do Rock 2013 terá Soulfly, Mark Lanegan, The Mono Men e Suicidal Tendencies. Veja as principais atrações.

Até mesmo por isso, nesta nova vinda ao Brasil, como uma das atrações de peso do festival independente Porão do Rock, realizado em Brasília nesta sexta e sábado, 30 e 31, ele virá acompanhado de apenas outros dois guitarristas – sem baterista e baixista. “Sim, somos eu e mais dois caras”, confirma ele, em um (raro) dia de bom humor, em agosto. “A ideia é fazer um apanhado de toda a minha carreira”, explica.

Veja a cobertura da Rolling Stone Brasil no festival Porão do Rock de 2012.

O formato da banda, mais versátil, permitirá que ele se debruce de forma mais apropriada em uma carreira que inclui canções com bandas de rock a projetos experimentais, como o ainda não lançado Imitations, segundo disco de covers da carreira do cantor, mas, segundo ele, um dos álbum mais genuínos já gravados por ele. “Esse é um disco que eu penso em fazer há muito tempo”, explica ele, sobre o trabalho previsto para ser lançado em 17 de setembro.

“Quando eu fiz o outro disco de covers [I'll Take Care of You, de 1999], eu já havia ficado com esse novo trabalho em mente. Eu adorei fazê-lo, mas, da próxima vez, sabia que seria diferente. Queria que fosse algo conceitual, com orquestração, e que tivesse muitas faixas cantadas por Andy Williams”. Em Imitations são três as canções que se tornaram famosas na voz do cantor, produtor e apresentador de TV que morreu em 2012, aos 84 anos: “Solitare”, “Lonely Street” e “Autumn Leaves”. “Ele é um dos meus cantores favoritos de todos os tempos. Talvez, nos Estados Unidos, ela não seja tão reconhecido, mas, para mim é um dos melhores”.

“Eu só me interesso pela música que eu estou fazendo, sou egocêntrico demais para ligar para o resto que está acontecendo”, diz Mark Lanegan.

A canção escolhida para ser o primeiro single deste novo trabalho foi “I’m Not the Loving Kind”, uma música dolorida criada por John Cale – o fundador do Velvet Underground, ao lado de Lou Reed, é outra referencia de cantor para Lanegan. “É uma grande canção. Eu amo esta música desde a primeira vez em que a ouvi”, derrete-se ele.

Ouça “I’m Not the Loving Kind”:

Imitations faz um passeio musical pelo lado desconhecido de Mark Lanegan, uma colcha de retalhos que tem início no pop de rádio ouvido durante a infância, no fim dos anos 60 e início da década seguinte, passando ainda por Frank Sinatra (“Pretty Collous”) e chegando a Nick Cave and Bad Seeds (“Brompton Oratory”).

“Sabe, é um tipo de coisas que eu faço que sei que não será para todo mundo”, diz ele, com franca avaliação deste novo disco. “Algumas pessoas se conectarão com esse álbum, outras não. Eu me conecto com ele e isso é especial para mim. Se alguém mais gostar, é a cereja no topo do bolo. É o disco que eu mais gostei de fazer, porque está cheio de canções que eu amo.”

Ainda em 2013, Mark Lanegan lançou um corajoso disco com Duke Garwood, multi-instrumentista inglês. O álbum, intitulado Black Pudding, nasceu de um papo despreocupado entre eles há alguns anos, segundo Lanegan, mas ganhou forma em 2012. São 12 faixas, com experimentações de Garwood em cordas, pianos e sintetizador fatiadas com precisão pela afiada voz de Lanegan.

Moby anuncia novo disco com participações de Wayne Coyne e Mark Lanegan.

Ainda neste ano, ele participou do mais novo projeto do produtor Moby, “The Lonely Night”, lançado como single no Record Store Day, dia que celebra as lojas de disco em todo o mundo, mas especialmente forte nos Estados Unidos. A canção estará presente em Innocents, mais novo disco do produtor. “Sou um grande fã de Moby, desde que ele lançou aquele disco que fez todos falarem dele, lá nos anos 90”, diz ele, talvez referindo-se ao álbum Play (1999), o primeiro a se tornar um fenômeno de público e crítica.

O mesmo Lanegan que lançou um trabalho experimental com Garwood; uma canção eletro com Moby; e planeja um álbum de covers participou de um dos discos de rock mais aguardado do ano: ... Like Clockwork, que marca o retorno do Queens of the Stone Age. Ele, colaborador do grupo há tempos, colaborou com Josh Homme em letras e alguns backing vocals.

Queens of the Stone Age alcança topo das paradas pela primeira vez.

Questionado se ele saberia em que prateleira procurar por um disco dele, diante de tanta pluralidade, Lanegan brinca – isso, mesmo, o cantor, famoso pela rabugice em algumas entrevistas, faz uma piada ao telefone. “Eu me considero um cantor. Pelo menos, no passaporte, é o que eu coloquei: ‘cantor’. Primariamente, eu me via como um cantor de rock. Mas, se você ouvir o disco com Duke [Garwood], você verá que não é isso. Eu sei como eu me vejo e sei que as pessoas me veem de uma forma diferente. Mas não é problema meu”, diz ele. “Foram os caras do Screaming Trees que fizeram isso [o tornaram cantor]. Não era porque eu tinha uma boa voz, mas porque eu não sabia tocar bateria, mesmo”, ri o músico, por fim.

Ouça “The Lonely Night”, parceria de Mark Lanegan e Moby:

Veja a programação completa do Porão do Rock 2013:

Sexta-feira, dia 30 de agosto:

Palco Uniceub

18h – Penteando Macaco

19h10 – The Galo Power

20h20 – Dead Fish

22h – Nem Liminha Ouviu

23h10 – Alf

1h20 – Leela

Palco BRB:

18h35 – Banda de seletiva

19h45 – Kita

21h25 – Banda de La Muerte (Argentina)

22h35 – Selvagens a Procura de Lei

0h – Capital Inicial

1h55 – Matanza

Palco Budweiser:

19h05 – Cabibóde

19h55 – Falls of Silence

20h45 – Kábula

21h35 – Devotos

22h55 – Os Maltrapilhos

23h45 – Test

0h50 – Soulfly (EUA)

Sábado, dia 31 de agosto

Palco Uniceub

17h30 – Saurios

18h40 – Supercombo

19h50 – Sexy Fi

22h – Uh La La

23h10 – Mark Lanegan (EUA)

0h50 – The Mono Men (EUA)

Palco BRB

18h05 – The EgoRaptors

19h15 – Rocca Vegas

20h25 – Os Paralamas do Sucesso

22h35 – Na Lata

0h15 – Rios Voadores

1h55 – Lobão

Palco Budweiser

19h – Pastel de Miolos

19h50 – Prisão Civil

20h40 – Unconscious Disturbance

21h30 – Krisiun

22h50 – Galinha Preta

23h55 – Leptospirose

1h – Suicidal Tendencies