Amazon Music já cresce 3 vezes mais do que do Spotify

Sem inovações tecnológicas, Amazon insiste em geração acostumada com lojas de discos

Amy X. Wang / Rolling Stone EUA Publicado em 12/07/2019, às 15h40

None
Amazon Echo (Foto:Mike Stewart/AP/REX/Shutterstock)

Quando a Amazon estreou seu solitário serviço de streaming de música em 2016, o negócio da música o classificou apenas como um clone de Spotify que chegou tarde demais no negócio. Mas os esforços da companhia de e-commerce, de modo quase escondido, começaram a crescer e virar um dos maiores da indústria. 

Dias depois da Amazon ter chamado Taylor Swift, SZA e Dua Lipa para um show importante, o Financial Times reportou que o número de pessoas com subscrições no Amazon MusicUnlimited - que completa a opção mais limitada oferecida pelo Prime Music - cresceu 70% no último ano. Enquanto o Spotify, que domina o negócio em número de inscritos , teve um crescimento em subscrições de apenas 25%. Mark Mulligan, analista de música da Media Research, comentou com o FT que o Amazon Music é a “zebra” dos serviços de streamings e pois as pessoas “não prestam tanta atenção nele [quanto prestam na Apple e Spotify], mas ele foi muito efetivo.”

+++ Reinado do Spotify pode estar ameaçado por rivais de streaming gratuito 

E por que a Amazon cresceu tanto?! Eles não vão atrás da parcela demográfica óbvia dos jovens fãs de música, muitos dos quais já são leais ao Spotify e Apple Music. Ao invés disso, eles focam em clientes mais velhos, especialmente aqueles que ficam no limbo entre a geração-loja-de-discos e os jovens streamers. De acordo com o Media, somente 5% dos usuários do Spotify tem 55 ou mais anos de idade, em um contraste de 14% da Amazon.

Amazon entende o valor de receber esses clientes perdidos no meio da estrada - aqueles que usam o streaming ocasionalmente, as pessoas que ligam bem mais para ouvir música em seus rádios - e posicionou seu serviço como uma vantagem no lugar de inovação. Uma subscrição na Amazon Music Unlimited, nos EUA, tem três preços e três medidas: US$ 10 por mês, ou US$ 8 para membros premium, e US$ 4 para pessoas que só ouvem em dispositivos Echo (torre-assistente da Amazon), fazendo com que seja mais fácil, mais conveniente e mais barato, já que mais de 100 milhões de pessoas dos EUA assinam o Amazon Prime. 

+++ LEIA MAIS: Spotify não vai mais permitir que artistas publiquem as próprias músicas na plataforma 

Enquanto os outros competidores lutam para se diferenciar uns dos outros com novos programas ousados ou super interativos, os executivos da Amazon admitiram que a Amazon Music, tanto no modelo Prime quanto Unlimited, é simplesmente um “serviço de música mainstream para os fãs mainstream de música.” Não é nada visionário, mas funciona - e bem demais, aliás.

+++ VÍDEO: Di Ferrero escolhe os melhores de todos os tempos: de Metallica a Charlie Brown Jr.