Amy Winehouse ganha memorial em Londres

Fãs e vizinhos deixam flores, cigarros, vinho, copos, arte e poesia para a cantora

Por Matthew Perpetua Publicado em 26/07/2011, às 11h21

Fãs deixam flores, desenhos, poemas e bebidas perto da casa de Amy Winehouse

Ver Galeria
(2 imagens)

Logo depois de ter sido divulgada a notícia de que Amy Winehouse tinha morrido, no último sábado, 23, seus fãs e vizinhos começaram um memorial no bairro de Camden Town, em Londres. Agora, a atmosfera lá é sinistramente quieta, conforme várias pessoas em luto, jovens e velhos, a homenageiam deixando flores, cigarros, latas de cerveja, garrafas vazias de vinho, poemas e desenhos. Um dos poemas encontrados lá, escrito com canetinha em uma cartolina, se chama "Oh, Amy, por quê?" e implora "Por que, Amy? Por que, Amy? Por que isso aconteceu? Você era tão jovem, tinha um dom, era tão talentosa". Outra nota, presa em um buquê de flores, diz "obrigada, Amy, você fez um roqueiro velho querer tocar de novo, viver de novo".

Winehouse era habitué de Camden Town, bairro com uma vida noturna bastante ativa, e frequentava o pub Hawley, onde sempre interagia com os clientes - e às vezes os servia. Um deles contou à Rolling Stone EUA que o pub está planejando pegar todo o lucro extra da noite do último sábado, 23, e doar o dinheiro para alguma causa "digna de Amy".

Simon, um morador de Camden Town há mais de 30 anos, que não quis revelar seu sobrenome, lembra de Winehouse da época quando ela trabalhava na lavanderia local e de suas performances no Jazz Cafe. "O fato de que ela era sofrida não torna as coisas menos piores, aquela era uma mulher com dores", ele disse. "Eles vão se lembrar dela como uma ótima londrina, ótima artista, uma das maiores vozes dos últimos 50 anos."

Outra vizinha, Carola, disse à Rolling Stone EUA que Amy Winehouse parecia estar em boa forma nas semanas que antecederam sua morte. "Dava para ver, ela ficava meio destruída, às vezes, mas achei que depois de sua reabilitação, ela estava parecendo um pouco melhor. Sim, completamente surpresa."

As irmãs Trudi e Kelly Wilkes, que moram perto, em Primrose Hill, também conheceram Amy no pub Hawley. "Devo dizer, muito do jeito dela me fazia rir, mas era como se risse com ela, não dela. Muita gente fez comentários horríveis no Facebook, mas essas são as mesmas pessoas que querem que seus filhos sejam famosos quando crescerem", disse Kelly. "As pessoas não percebem o preço da fama."

"Como pode alguém não ser fã de Amy Winehouse?", perguntou Trudi. "Parte de mim sempre quis acreditar que ela ia superar isso e ajeitar a vida. Todo mundo adora gente que dá a volta por cima. Não conseguimos acreditar que ela se foi."

O lugar do memorial também atraiu muitos turistas. Marta Mayo, uma visitante da Espanha, parou por lá com uma lata de cerveja em uma mão e um cigarro na outra, "da forma como Amy ia querer". Comentando o espírito do memorial, ela disse: "É tão quieto, é estranho. Eu quase me sinto como se a gente devesse estar cantando, porque é isso que Amy faria. Se eu soubesse cantar, eu começaria algo".

Londrinos também passaram por lá a caminho de casa, saindo do trabalho. "É tão emocionante estar aqui", disse Tom Marshall, um músico de 27 anos de Londres. "Não fiquei surpreso quando soube da notícia mas, de certa forma, fiquei chocado. Claro, eu não a conhecia pessoalmente e provavelmente só tinha a visão de tabloide dela, de uma drogada. Uma das coisas tristes é que isso pode ter contribuído para o que aconteceu: a pressão dos paparazzi do lado de fora da casa dela o tempo todo."

Marshall complementou: "O pôr do sol de Londres no dia que ela morreu foi incrível. Nunca vi algo assim. Tirei uma foto dele e coloquei agora no memorial. Eu e meus amigos que moram comigo pintamos as palavras 'descanse em paz, Amy Winehouse' na frente da nossa casa. Coloquei também uma foto disso no memorial".