Anthony Hopkins diz que bajulação por Oscar é “nojenta”

Ator volta às telonas interpretando o diretor Alfred Hitchcock em filme biográfico

Redação Publicado em 20/11/2012, às 14h57 - Atualizado às 14h58

Anthony Hopkins poderá viver vilão em Bond 23
AP

Ainda que Hitchcock sequer tenha sido lançado (a estreia oficial é em fevereiro), Anthony Hopkins, que vive o diretor que dá nome ao longa, já é colocado como um dos favoritos para o Oscar de Melhor Ator na próxima cerimônia da Academy Awards. Mas ele, no entanto, afirmou em entrevista publicada pelo Huffington Post que é avesso à bajulação que se deve fazer para garantir a estatueta dourada na estante.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

O ator de 74 anos e vencedor da premiação em 1992, com sua perturbadora atuação em O Silêncio dos Inocentes, contou que seu agente já ligou pedindo para que fosse para Nova York, sugestão negada por ele. “Sabe, eu consegui um Oscar para mim com O Silêncio dos Inocentes – e precisar ser legal com as pessoas, charmoso e flertar com elas... Oh, tenha dó! Pessoas mudam para agradar o corpo de jurados e eu acho isso nojento. Sempre foi contra a minha natureza”, contou Hopkins.

Hitchcock conta a história do famoso diretor londrino durante a feitura do seu maior clássico, Psicose, em 1960. O foco varia entre a vida profissional dele e a pessoal, ao lado da esposa Alma Reville, interpretada por Helen Mirren nos cinemas.

Na entrevista, Hopkins conta que ficou apreensivo quando se viu diante de um personagem que existiu na vida real – que ele, inclusive, teve a oportunidade de conhecer pessoalmente. “Inicialmente, sim, eu fiquei”, contou o ator. “Eu fiz toda a minha preparação, mas sendo um perfeccionista, eu queria ter a certeza que estava tudo absolutamente certo. Mas Sacha [Gervasi, diretor do filme] disse: ‘Você não é Alfred Hitchcock, você é Anthony Hopkins interpretando ele’. Eu disse: ‘Sim , eu sei’, mas eu sequer olhei para os monitores [durante as filmagens]. Eu não queria me ver e me ouvir”, completou.