Antiga banda do baterista do Rammstein tinha 2 espiões do governo alemão

Na década de 1980, o músico Christoph “Doom” Schneider fazia parte do grupo Die Firma

Redação Publicado em 29/06/2020, às 17h44

None
Christoph “Doom” Schneider (Foto: Jens Koch/Reprodução/Instagram)

Christoph “Doom” Schneider, baterista do Rammstein, era ativo no mundo da música em Berlim Oriental antes mesmo da formação da banda. Da década de 1980, antes da queda do muro de Berlim, em 1989, o músico fazia parte do grupo Die Firma  - e dois integrantes eram espiões do governo alemão. As informações são do Consequence of Sound.

+++LEIA MAIS: Rammstein confirma internação na UTI de Till Lindemann, mas nega teste positivo para o novo coronavírus

Segundo Schneider, o grupo tinha influências góticas, assim como letras de protesto: "Die Firma era como uma banda punk new wave. O estilo era um pouco sombrio, com influências góticas. Tínhamos letras que protestavam contra o sistema. Isso não era permitido, é claro - nós éramos uma banda underground. Todos os outros caras do Rammstein também estavam em bandas underground. Costumávamos tocar em pequenos clubes com todos os tipos de fãs: malucos, góticos, punks”.

No entanto, alguns integrantes do grupo eram espiões: “O governo tinha pessoas em todos os lugares: espiões do Serviço Secreto. O engraçado foi que eu não conseguia imaginar nenhuma banda mais forte do que a minha na época, e tínhamos duas pessoas na banda que eram espiões - o cantor e o tecladista! Ha ha! Incrível. Eles não eram profissionais: eram espiões contratados que recebiam um pequeno pagamento e de vez em quando tinham que relatar sobre a cena musical”.

+++LEIA MAIS: É verdade que Rammstein usou bolha de plástico para se proteger do Coronavírus em show?

Na época, os artistas enfrentavam diversas restrições. Para tocar em shows, era necessário obter um certificado provando legitimidade. “Na Alemanha Oriental, tínhamos bandas profissionais que estudavam música e tinham permissão oficial para tocar música. Eles eram autorizados a trabalhar como profissionais e tinham o direito de cobrar dinheiro por seus show”, disse Schneider.

Segundo o músico, as classificações funcionavam de forma diferente quando se tratava dos não profissionais: “Se você era amador, tinha que ser classificado em um determinado nível. Havia três níveis, e cheguei ao primeiro! Tinha um certificado que me permitia cobrar quatro marcos alemães por hora quando eu tocava um concerto. Sem esse certificado, era ilegal fazer shows e você não podia entrar em contato com promotores sem um. As pessoas aceitaram isso porque precisavam”.

+++LEIA MAIS: Vocalista do Rammstein lança clipe com violência e sexo explícito - mas YouTube tem versão ‘censurada’


+++ RAEL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO