Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Notícias / festival de veneza

Aparição de Woody Allen em Veneza é marcada por protestos

Durante o lançamento de ‘Coup de Chance’, manifestantes protestaram contra cultura do estupro

Redação Publicado em 05/09/2023, às 14h42

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Woody Allen (Foto: Andreas Rentz/Getty Images)
Woody Allen (Foto: Andreas Rentz/Getty Images)

Durante a estreia mundial do filme Coup de Chance(2023), de Woody Allen, no Festival de Cinema de Veneza, um grupo de manifestantes indignados marchou pelo tapete vermelho, gritando palavras de ordem contra o diretor. "Não à cultura do estupro", dizia o grupo, com cerca de 20 pessoas. "Estamos falando por aqueles sem voz contra diretores predadores", e "Um estuprador não é um doente, é o filho saudável do patriarcado".

A ação teve início quando Woody Allen pisou no tapete vermelho de seu próprio filme. Ali, os manifestantes interromperam a marcha, formando uma linha e despiram suas camisas antes de prosseguir.. Essa manifestação durou apenas alguns minutos antes de ser dispersada pela polícia do festival. Uma dos manifestantes explicou ao The Hollywood Reporter que estavam protestando "contra a cultura do estupro celebrada por este festival, que homenageia homens acusados de agressão, enquanto enfrentamos uma epidemia de feminicídios em nosso país."

+++LEIA MAIS: O dia em que Bob Dylan quis socar Woody Allen

Outra manifestante que faz parte de um coletivo transfeminista local e ajudou a organizar o protesto expressou sua indignação: "Decidimos protestar contra a decisão do festival de convidar não apenas um, mas três diretores com um total de 17 acusações de agressão sexual contra eles. São homens brancos poderosos e influentes, frequentemente beneficiados pelo sistema de justiça". Ela enfatizou que o objetivo era enviar uma mensagem clara de que convidar tais homens normaliza a cultura da violação, tornando as vítimas invisíveis.

O protesto ocorreu no rastro de faixas espalhadas pelo Lido no dia anterior, com mensagens como "Ilha de estupradores," "Não há leão de ouro para predadores" e "Cinema sexista/resposta feminista," todas denunciando Allen e Roman Polanski. Uma faixa provocadora questionava se o prêmio Leão de Ouro iria para um diretor acusado de agressão sexual, referindo-se ao filme The Palace (2023) do diretor francês, que competia no festival.

+++LEIA MAIS: Além de Will Smith: Outras personalidades banidos do Oscar - Bill Cosby, Roman Polanski e mais [LISTA]

O festival de Veneza também teve seu outro episódio controverso, com a prisão do ator espanhol Gabriel Guevara, procurado internacionalmente por uma suposta agressão sexual na França. A polícia de Veneza o deteve um dia antes de ele receber o prêmio de melhor ator jovem da Filming Italy, que foi cancelado após sua prisão.