Apocalipse zumbi de Eu Sou a Lenda é bizarramente parecido com pandemia de coronavírus

O filme protagonizado por Will Smith também apresenta um mundo afetado por um vírus

Redação Publicado em 02/04/2020, às 18h19

None
Will Smith em Eu Sou A Lenda (Foto: Reprodução)

Will Smith protagoniza Eu Sou a Lenda (2007), filme que adapta a história de 1954 de mesmo nome do autor Richard Matheson. Nele, Robert Neville (Smith) é um dos últimos humanos de pé após um surto viral que começa a transformar as pessoas em criaturas estranhas e mutantes, conhecidas como Caçadores das Trevas. O Screerant apresentou um paralelo da trama do filme com a pandemia coronavírus

+++LEIA MAIS: Dark, da Netflix, previu pandemia de coronavírus? Esta cena indica que sim

Neville, um virologista, estuda o surto e tenta encontrar outros humanos vivos, porque cerca de 12 milhões de pessoas ficaram de pé após o vírus matar cerca de 90% da população do mundo, e transformar uma parte em Caçadores das Trevas.

As críticas sobre a produção foram mistas, mas a maioria favorável, com destaque para o desempenho de Smith que não tornou o longa em apenas mais um filme de apocalipse zumbi, apesar do fato que Caçadores das Trevas não são realmente zumbis. 

+++ LEIA MAIS: Médico italiano toca 'Don't Stop Me Now', do Queen, ao final do turno do tratamento contra o covid-19 e emociona a web; assista

Como muitos estão em isolamento, há um sentimento de solidão que permeia 2020 e se reflete fortemente em Eu Sou a Lenda. Neville não tem amigos, apenas o cachorro Sam. Embora esse elemento em particular não é o principal paralelo, ainda é digno de ser mencionado, pois os aspectos psicológicos são semelhantes. 

Em março de 2020, a cidade de Nova York foi uma das áreas de maior impacto nos Estados Unidos devido ao coronavírus. No filme, toda a ilha de Manhattan foi evacuada e colocada em quarentena; é mostrado que foi onde Neville foi separado da família e perdeu a esposa e filha. 

+++ LEIA MAIS: Fãs de Morrissey fazem versões das letras do ex-Smiths para tempos de quarentena

Mesmo com grande parte do isolamento nos Estados Unidos sendo voluntário e o governo emitindo ordens de "ficar em casa", exceto para trabalhos que são considerados essenciais - funcionários de hospitais, motoristas de entrega, operários de fábrica, mercados e restaurantes - nada disso foi imposto pelas forças armadas ou pela polícia, assim como é visto no filme, a quarentena é 'opcional'. 

Eu Sou a Lenda se passa anos após o surto, então as cenas atuais são combinadas com flashbacks dos estágios iniciais. O filme certamente é uma visão baseada em ficção científica das consequências dramáticas de um surto. As origens do vírus são incrivelmente diferentes, contudo, o básico da realidade é bem semelhante, tornando-o ainda mais assustador em 2020.

+++LEIA MAIS: Filmes adiados da Sony ganham datas de estreia oficiais até 2022: Morbius, Ghostbusters e mais


+++ TRAVIS SCOTT: O HYPE EM TORNO DELE REALMENTE FAZ SENTIDO?