Após 30 anos, Pepsi volta a apostar no Rock in Rio e em experiências musicais

"Tivemos essa sensibilidade de olhar o mercado muito mais voltado à experiência e ao consumidor que quer aproveitar um momento", explica gerente de música da marca

Redação Publicado em 19/09/2015, às 11h05

Rock in Rio
Raul Aragão / I Hate Flash

A partir da segunda metade do século 20, a música passou a ser produzida, consumida e comercializada atrelada a um suporte físico. Se, na época em que a música clássica reinava, era necessário ir até um concerto para poder ouvir qualquer música, com o advento dos LPs até a maior banda do mundo – os Beatles – poderiam privar-se de fazer shows, concentrando-se em gravar mais e mais discos de acetato.

Rock in Rio 2015: primeiro dia de festival tem retorno do Queen e homenagem a Cássia Eller.

Nos últimos dez anos, contudo, o crescimento da internet provocou diversas mudanças na indústria fonográfica. Além de ser consumida basicamente de maneira digital – sem estar mais atrelada a um suporte físico –, a música perdeu parte do valor financeiro que tinha, devido aos downloads ilegais e aos streamings gratuitos.

Sendo assim, as apresentações ao vivo voltaram a ser os grandes produtos de um artista (o que seria dos Beatles em 2015?). Com este pensamento, a Pepsi voltou a investir e apostar em experiências, em shows e festivais, em momentos – e não produtos – musicais. “Antigamente tinha lá o disco de ouro, disco de platina, e com a chegada nas novas tecnologias – mp3 e streaming –, tudo mudou”, analisa Daniel Silber, gerente da plataforma de música da Pepsi.

Rock in Rio 2015: transporte, alimentação e outras dicas.

“É engraçado porque antes as bandas faziam show para vender o CD”, acrescenta. “Hoje, o mercado virou de ponta cabeça. As bandas distribuem CD para as pessoas consumirem a banda – e o show. Com isso, teve um crescimento muito mais do mercado de shows e festivais – de experiências. E aqui dentro tivemos essa sensibilidade de olhar o mercado muito mais voltado à experiência e ao consumidor que quer aproveitar um momento, muito mais do que propriamente a música.”

Para a próxima edição brasileira do Rock in Rio – que tem início esta sexta-feira, 18 –, a Pepsi voltou a ser uma das grandes patrocinadoras, após 30 anos, e decide voltar, também, a apostar nas experiências musicais para construir a imagem da marca. “Criamos, por exemplo, um produto que é uma edição especial do Rock in Rio. São 30 latas diferentes que contam histórias de momentos épicos em shows.”

Rock in Rio celebra nostalgia em box comemorativo de 30 anos.

“Nossos estudos dão conta de que música é um ponto de afinidade para o consumidor” diz Silber, cuja marca da qual é gerente esteve patrocinando evento como Planeta Atlântida, Festival de Verão de Salvador e Lollapalooza nos últimos anos. “Um deles, por exemplo, dá conta que 79% dos jovens de 18 a 24 anos consomem música diariamente.”

“Então, como somos uma marca que quer, cada vez mais, estar próxima do público jovem, ter uma personalidade que é: criar uma via de mão dupla com o consumidor, a gente precisa estar onde esse consumidor está”, acrescenta o gerente de música da Pepsi, resumindo as intenções da marca. “Então a música é exatamente esse começo de conversa entre marca e consumidor.”