Após lidar com a fama repentina e superar as críticas, Macklemore e Ryan Lewis preparam novo disco

“Estou com uma ótima sensação em relação a este álbum. Tem uma boa diversidade de sons e conceitos”, afirma Macklemore

Simon Vozick-Levinson Publicado em 10/11/2015, às 19h07 - Atualizado às 19h49

Rapper superou a tentação das drogas para continuar gravando
DANNY PAYNE/REX

Uma hora antes de subirem ao palco do MTV Video Music Awards, em agosto, Macklemore e Ryan Lewis tinham certeza de que a apresentação seria um desastre. O rapper e o produtor de Seattle tinham acabado de fazer o último ensaio do número – uma versão ambiciosa do novo single deles, “Downtown” – e nada estava dando certo. “O Ryan me disse: ‘Cara, não está nada bom. Vai ser um show de merda’”, conta Macklemore.

No final, a primeira apresentação deles transmitida pela televisão em mais de um ano foi impecável – mas foi um momento muito importante por outro motivo. A última premiação em que Macklemore e Lewis se apresentaram foi o Grammy de 2014, quando eles derrotaram Kendrick Lamar na categoria Melhor Álbum de Rap com o disco The Heist.

As críticas que se seguiram foram brutais: muitos entenderam aquilo como um símbolo da vantagem tida por artistas brancos, até em um gênero historicamente associado a músicos negros. No segundo semestre do ano passado, Macklemore – que ficou limpo em 2008, mas voltou a usar drogas quando teve de lidar com a fama – novamente ficou abstêmio, e diz que a filosofia do programa dos 12 Passos do Alcoólicos Anônimos o ajudou a lidar com as críticas. “O que as pessoas pensam sobre mim não é da minha conta”, afirma. “Se eu ficar o tempo todo em busca de aprovação pública na internet, isso vai acabar comigo.”

No dia seguinte ao VMA, Macklemore telefona de um chalé nas montanhas no estado de Washington, onde ele e Lewis estão finalizando o sucessor de The Heist. “Estou com uma ótima sensação em relação a este álbum. Tem uma boa diversidade de sons e conceitos.” “Downtown”, a primeira faixa revelada do disco, é resultado de um processo de gravação que durou um ano e meio. Aquilo que começou como uma faixa sobre as mobiletes que a dupla comprou para aliviar a monotonia das turnês se transformou em um épico com toques de rock setentista. “Durante muito tempo, achei que não ia conseguir capturar o que estava dentro da nossa cabeça”, Lewis relembra.

Macklemore e Lewis esperam lançar o trabalho até o fim de 2015 – três anos inteiros depois de The Heist. “Nunca fui o tipo de pessoa que solta uma mixtape de poucos em poucos meses”, explica Macklemore. “Eu precisava ter certeza do que queria dizer. Para isso, precisei viver.”