Após a morte de Cory Monteith, criador anuncia o fim de Glee

“O ano final da série foi desenhado em torno da história de Rachel e Finn”, disse Ryan Murphy, citando os personagens de Cory e Lea Michele

Redação Publicado em 17/10/2013, às 12h39 - Atualizado às 15h53

Momentos marcantes de Cory - abre
Todd Williamson/AP

Glee chegará ao fim com o término da sexta temporada. E a morte de Cory Monteith teve um papel importante nesta decisão, garantiu o co-criador da série Ryan Murphy. As informações são do site Entertainment Weekly.

As performances mais memoráveis de Cory Monteith em Glee.

“Todo o último ano da série – que será o próximo – foi todo montado sobre a história de Rachel e Finn”, disse ele. “Eu sempre soube disso. Sabia como iria acabar”, completou ele, em entrevista em um evento no Paley Center, em Los Angeles, na noite de quarta-feira, 16.

Ele continuou: “Eu sabia como seria a última cena do show – e ele estava nela. Eu sabia qual seria a última fala – e ela dizia para ele. Então, quando uma tragédia como esta acontece, você meio que precisa parar e descobrir o que vai querer fazer”.

O mais recente episódio a ir ao ar nos Estados Unidos fez uma homenagem a Cory, que interpretava Finn, um aluno que dividia o seu tempo entre as aulas, o namoro com Rachel (personagem de Lea Michele), os ensaios do coral e os jogos de futebol americano.

Foi o melhor desempenho da série desde setembro de 2012, com 7,4 milhões de telespectadores sintonizados: um aumento de 75%m, se comparado à audiência do episódio anterior.

“Eu tenho uma boa ideia”, disse Murphy sobre o fim do sexto e último ano da série, que vai ao ar até 2014. “Vou conversar com o estúdio e com a emissora dentro de uma semana para ver como, após a morte de Cory, poderemos encerrar o programa e eu acho que vai ser bastante satisfatório.”

Corey tinha 31 anos e foi encontrado morto em um hotel de Vancouver no dia 13 de julho deste ano. O relatório final do legista canadense que fez a autópsia afirmou que o ator foi mesmo vítima de uma overdose acidental de um coquetel de heroína e álcool (champagne). “Será meio que uma homenagem a ele, uma ideia que eu amo”, completou, por fim.