Atirador que matou bin Laden diz que o Metallica pediu para o exército norte-americano não tocar músicas da banda para prisioneiros

Depois disso, uma banda de metal cristão chamada Demon Hunter ofereceu seu trabalho musical para essa função antes de interrogatórios

Redação Publicado em 13/02/2013, às 13h01 - Atualizado às 19h45

Metallica
AP

O atirador anônimo que matou Osama bin Laden em 2011 afirma que o Metallica pediu para o exército norte-americano parar de usar a música da banda para enfraquecer prisioneiros no Iraque antes de interrogatórios. Segundo ele, o grupo entrou em contato com o exército para fazer o pedido. O US Navy SEAL foi perfilado pela revista Esquire e falou sobre o assunto na entrevista.

Guitarras, álcool e mulheres - o combustível do Metallica.

“Quando começamos a guerra no Iraque, usávamos músicas do Metallica para amaciar as pessoas antes de interrogá-las... O Metallica ficou sabendo e pediu para que isso fosse interrompido porque o grupo não queria promover a violência. Eu pensei: ‘Cara, vocês tem um disco chamado Kill 'Em All’ [Mate Todos Eles]”.

O atirador garantiu que os militares pararam de tocar Metallica depois do pedido e aí passaram a usar músicas de uma banda de metal cristão chamada Demon Hunter. Segundo o entrevistado, foi o grupo que entrou em contato e disse que era a favor do que os militares estavam fazendo. “Mandaram CDs e um símbolo da banda para prender na roupa que eu usava em todas as missões. Estava usando quando matei bin Laden."

Com a repercussão da matéria, a banda Demon Hunter divulgou um longo depoimento em que diz que ficou “honrada e abençoada de ter oferecido alguma ajuda ou conforto ao Time Seal 6 ou a qualquer militar norte-americano” e se diz uma apoiadora incondicional das tropas.