Ativistas querem substituir o hino dos EUA por 'Imagine', clássico de John Lennon

Além da música ter versos racistas, o compositor também era um supremacista branco

Redação Publicado em 29/06/2020, às 16h29

None
John Lennon em 1972 (Foto: AP Images)

O hino Nacional dos Estados Unidos, “The Star-Spangled Banner”, conta com versos racistas, além de ter sido composta por um supremacista branco. Com os protestos antirracistas, os ativistas estão pedindo que o país encontre um novo hino nacional, e apresentaram “Imagine” de John Lennon como opção, como conta o Consequence of Sound

+++LEIA MAIS: Moradores de Minnesota querem que estátua do Prince substitua a de Cristóvão Colombo

No hino nacional do país, o compositor Francis Scott Key refere-se a um "bando" de "mercenários e escravos" cujo "sangue lavou a poluição de seus passos sujos". Como argumentou o historiador Jason Johnson, essas palavras estão ligadas aos negros que lutaram pelos britânicos. 

A Guerra de 1812 foi travada, em parte, pelas tentativas da Inglaterra de impedir o jovem país Estados Unidos de expandir o comércio de escravos na América do Norte. Como a guerra ocorreu longe do solo inglês, os britânicos passaram a libertar escravos negros e depois contratá-los para lutar contra a América. Key, portanto, estava zombando dos negros e sendo extremamente racista.

+++LEIA MAIS: George Floyd: ouça as músicas do homem brutalmente assassinado por policiais nos EUA

Além disso, Key também era proprietário de escravos e racista. Como o jornalista Kevin Powell nos lembra, ele era “alguém que realmente não acreditava na liberdade de todas as pessoas. E ainda assim, nós o celebramos com este hino nacional, toda vez que o cantamos”.

Através do Yahoo News, alguns ativistas - incluindo o jornalista Powell - estão pressionando para que o hino nacional seja substituído por "Imagine", de John Lennon.

+++ LEIA MAIS: Kanye West paga faculdade de filha de 6 anos de George Floyd

"Imagine" é o maior sucesso da carreira solo do ex-Beatle, e não é difícil entender o porquê. A música é tão inspiradora quanto divertida, grandiosa e afirmadora da vida, além de insípida e fácil. Desde o assassinato de George Floyd, os ativistas pressionam os corporativos a dar pequenos passos na direção certa. 


+++ RAEL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO