Ator de Heroes, Leonard Roberts conta ter sofrido racismo no set e foi demitido por causa de Ali Larter; Entenda

Roberts contou como o papel dele na série foi limitado devido a pressão da colega e conivência da produção

Redação Publicado em 18/12/2020, às 10h25 - Atualizado às 10h34

None
Heroes (foto: reprod. NBC Universal)

Mesmo 13 anos sair do elenco de Heroes, o ator Leonard Roberts foi a público para relatar casos de racismo e convivência tóxica no set da série, principalmente com a colega Ali Larter. Segundo ele, o papel foi limitado e cortado previamente por causa de preconceito.

Em entrevista a Variety, Roberts contou sobre todos os tratamentos desiguais. O primeiro foi antes sequer do início das filmagens. Enquanto todos os atores tiveram reuniões com o criador Tim Kring, para discutir os papéis e opinar sobre, Roberts e os outros dois atores negros no elenco nunca foram chamados para a conversa.

+++LEIA MAIS: Eminem pede desculpa para Rihanna em nova versão de Music To Be Murdered By

Já durante as filmagens, ele relata diversas modificações no roteiro para atrasar a estreia do personagem dele, D.L. Hawkins. Inicialmente, D.L. estava no piloto, mas a aparição dele continuou sendo adiada até se concretizar só no sexto episódio.

Depois da estreia, Roberts conta de conflitos com a colega de cena Ali Larter (Niki Sanders). "Eu sou um ator do teatro, então estou acostumado com os intérpretes se tornando um pouco passionais no processo", disse o ator. 

"Por isso, após as primeiras tensões entre nós, enviei uma garrafa de vinho a Ali com um bilhete, afirmando o comprometimento com uma colaboração frutífera. Ela nunca me respondeu ou mencionou isso para mim."

+++LEIA MAIS: Jeremy Bulloch, o Boba Fett na trilogia original de Star Wars, morre aos 75 anos

Roberts também compartilhou momento de briga entre Larter e o diretor de um episódio, Greg Beeman, após ele pedir para ela abaixar as alças da blusa em uma cena na qual Niki e D.L. estavam juntos na cama, conversando, para passar a impressão de que a personagem estava nua.

Pouco depois, Roberts descobriu que Larter já havia filmado uma cena da personagem aparecendo de lingerie, para seduzir Nathan Petrelli (Adrian Pasdar), um homem branco, sem conflitos com a produção. "Não pude deixar de pensar: será que minha cor foi um fator na recusa dela?"

+++LEIA MAIS: Mick Jagger e Ron Wood celebram aniversário de 77 anos de Keith Richards

Sobre a demissão, Roberts diz ter sido chamado para uma reunião com Tim Kring e o produtor Dennis Hammer para discutir a morte de D.L.. O personagem iria morrer fora de cena, entre a primeira e segunda temporada, mas o ator conseguiu mudar o desfecho. 

Os produtores deram a ele mais dois episódios como o personagem, garantindo: "Quando filmarmos, vai ver o quanto você significa para todos nós na família Heroes", teria dito Hammer.

+++LEIA MAIS: O ano de Billie Eilish: 6 conquistas que impulsionaram a carreira da artista em 2020

Quando recebeu os roteiros, Roberts descobriu que D.L. seria morto por um tiro, embora O poder dele fosse a capacidade de atravessar paredes e outros obstáculos sólidos. "Aparentemente, balas de revólver não estavam incluídas aí", ironizou o ator.

"Na cena final de D.L. Hawkins, o meu assassino levantava a sua arma e eu, de costas para a câmera, tiro o meu corpo para fora. Com o som do tiro, a cena termina em um close-up no rosto de Niki, manchado com o meu 'sangue'. Foi tudo filmado em um take."

"Minha colega de elenco [Larter] me deu um abraço de adeus, que foi o maior sinal de afeição que já demonstramos na frente ou atrás das câmeras. Todo mundo foi embora. Enquanto estava andando até o meu carro, as palavras de Hammer ecoavam na minha cabeça: ele estava certo, agora eu via o quanto significava para a 'família' de Heroes."

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++ FROID | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL