Diretora de Cinquenta Tons pode abandonar continuações por causa de atritos com a autora, diz jornal

A escritora E.L. James estaria insatisfeita, especialmente, com a falta de calor nas cenas de sexo

Redação Publicado em 17/02/2015, às 15h33 - Atualizado às 15h41

Da esquerda para direita, a diretora Sam Taylor-Johnson, os atores Jamie Dornan e Dakota Johnson e a escritora E.L. James
Joel Ryan/AP

Responsável pela direção de Cinquenta Tons de Cinza, primeiro filme da trilogia Cinquenta Tons, recém-divulgado nos cinemas e já um sucesso mundial, Sam Taylor-Johnson pode não participar da continuação da trama, que deve contar com mais duas produções.

Sexo chocho e ator sem carisma destroem apelo do filme: leia a crítica .

Segundo o jornal inglês The Sun, Sam estaria decidida a encerrar o trabalho por problemas de relacionamento com Erika Leonard James, mais conhecida como E.L. James, a autora do best-seller erótico que deu origem à película.

“Sam não vai voltar para as sequências de Cinquenta Tons. Ela quer sair e a Universal (estúdio responsável pela gravação) sabe que essa é a melhor decisão. A relação dela com Erika se tornou tóxica”, disse uma fonte do jornal, segundo a qual a suavização das cenas de sexo é a grande razão da insatisfação da escritora.

Cinquenta Tons de Cinza quebra recorde de Matrix nas bilheterias.

James teria recebido cerca de R$ 13 milhões – para ajudar a transpor sua obra do papel para a telona, exigindo controle total sobre o processo criativo.

A diretora admitiu anteriormente à revista Porter que teve problemas durante a filmagem. “Foi difícil, não vou mentir. Definitivamente, nós brigamos, mas eram brigas a respeito da criação e acabamos resolvendo-as. A questão era encontrar um meio-termo entre nós duas, satisfazendo a visão do que ela havia escrito, assim como minha necessidade de visualizar essas pessoas na tela.”

Exibição de Cinquenta Tons de Cinza é proibida no Quênia.

Conflitos à parte, Cinquenta Tons tem alcançado índices de público impressionantes desde a estreia, na última quinta-feira, 12.

Cinquenta Tons de Cinza se torna longa com direção feminina de melhor estreia na história do cinema.

O longa-metragem registrou a melhor bilheteria de estreia de um filme dirigido por uma mulher nos Estados Unidos; o recorde de venda de ingressos pela internet no país e o recorde de arrecadação de uma obra adulta no exterior, marca antes pertencente a Matrix Revolutions, segundo o site da revista Variety. Somente no Brasil, foram 1,7 milhão de espectadores.

Cinquenta Tons de Cinza quebra recorde de Matrix nas bilheterias.

Cinquenta Tons de Cinza já foi projetado em 9.637 salas de cinema de mais de 58 territórios e ainda chegará a países como Coreia do Sul, Trinidad e Tobago, Índia, entre outros.