Bananada 2015: novatos do Francisco, el Hombre roubam a cena no festival em noite com encerramento do Pato Fu

Festival goiano também teve shows de Jaloo e Scalene

Luciana Rabassallo, de Goiânia Publicado em 16/05/2015, às 11h17 - Atualizado às 17h25

Novatos do Francisco, el Hombre roubam a cena no festival Bananada 2015

Ver Galeria
(8 imagens)

Parafraseando Dorival Caymmi: "Você já foi ao Bananada, nega? Não? Então vá!". Começou na tarde desta sexta-feira, 15, no Centro Cultural Oscar Niemeyer, em Goiânia, a maratona de shows da 17ª edição do Festival Bananada. O evento, que solidificou-se como uma espécie de "centro da resistência da música independente", é, ao lado do recifense Abril Pro Rock, a maior vitrine para bandas nacionais e internacionais que reinventam o conceito do rock.

Bananada 2015: Caetano Veloso invade a madrugada e encanta plateia alternativa do festival com seu Abraçaço.

Festivais como os dois citados acima ainda são a grande alternativa para quem quer ouvir uma concentração de bandas de qualidade e fugir do "hype" que orienta as cenas do Rio de Janeiro e de São Paulo. A produção do Bananada sabe como poucos fazer um evento que mistura três características imprescindíveis: preço honesto para os ingressos, organização impecável, respeito aos mais variados gêneros musicais e, principalmente, ao público. Ao contrário do que se vê em grandes festivais que acontecem pelo país, nos quais o que mais importa é vender 80 mil ingressos, o Bananada presa pelo conforto e bem-estar dos que estão ali.

Bananada 2015: veteranos da banda Merda promovem o rock em noite marcada pelas rodas de pogo .

A seriedade (e paixão) com a qual o evento é realizado é a grande razão que faz bandas de todos os 26 estados brasileiros, mais o Distrito Federal, sonharem em subir ao palco do evento. Caso da novata Francisco, el Hombre, que fez um show surpreendente no palco Pyguá. A banda foi formada em Campinas, interior de São Paulo, pelos irmãos mexicanos Sebastián (vocal e guitarra) e Mateo Piracés-Ugarte (vocal e violão). Na atual formação, eles se juntaram aos brasileiros Andrei Martinez Kozyreff (guitarra), Juliana Strassacapa (vocal e percussão), Rafael Gomes (baixo) e Victor V-B (bateria).

Bananada 2015: ritmos periféricos dão a tônica da segunda noite do festival.

O grupo subiu ao palco para mostrar o repertório de La Pachanga!, EP que foi lançado no último dia 7 de maio. Apresentados pelo produtor Miranda, mestre-de-cerimônias do festival, o nome do grupo rendeu brincadeiras: "Vocês conhecem aquele tal de Chico Buarque? E um outro Chico, o Science? Tem também o Chico César. Mas esses aqui são os Francisco". Durante a performance, a banda impressionou pela sonoridade latina com guitarras afiadas. Algo entre Mano Chao e Nação Zumbi com letras em português, espanhol e inglês. O destaque fica por conta da voz mais do que potente de Juliana, que abriu os trabalhos à capella e paralisou o público.

Bananada 2015: Mauricio Pereira produz risos e lágrimas em terceira noite do festival.

Também passaram pelos palcos do Bananada a banda brasiliense Scalene, os norte-americanos do Allah - Las, os gaúchos do Wannabe Jalva e a prata da casa: Boogarins. Grupo, inclusive, citado - em entrevista ao site da Rolling Stone Brasil - como referência pelos britânicos do Temples, que se apresentaram recentemente em São Paulo. "Os caras que mandam boas músicas psicodélicas a Inglaterra", disse o vocalista.

Atrações do Lollapalooza, Far From Alaska e Scalene lançam música em parceria; ouça “Relentless Game”.

O Pato Fu foi o nome de peso escolhido para encerrar a noite. Os mineiros levaram ao Bananada a turnê de Não Pare pra Pensar, 10º álbum de estúdio deles, que chegou às lojas em 2014. Sempre simpáticos, John Ulhoa e Fernanda Takai mostraram as novas "Ninguém Mexe Com O Diabo", "Não Pare Pra Pensar" e "Cego Para As Cores", além dos hits "Canção Pra Você Viver Mais", "Perdendo Dentes" e "Depois".

Jaloo faz estreia com banda fixa, surpreende e faz acenos ao psicodelismo

Jaloo é o que existe de mais desafiador na cena musical brasileira atualmente. Nascido em Castanhal, região metropolitana de Belém, o jovem de 27 anos ganhou destaque na internet há quatro anos, quando começou, por conta própria, a fazer versões de hits como “Back to Black”, de Amy Winehouse, e “I Feel Love”, de Donna Summer. Na lista de produções dele também estão uma regravação de “Baby”, música famosa na voz de Gal Costa, e um mashup que uniu a rapper brasileira Flora Matos e a cantora inglesa MIA.

Bananada 2015: novatos do Francisco, el Hombre roubam a cena no festival em noite com encerramento do Pato Fu.

O artista mudou-se para São Paulo e passou a se apresentar em casas noturnas. Algum tempo depois, chamou atenção do produtor Miranda e foi convidado para integrar o selo StereoMono, no qual lançou, com exclusividade no site da Rolling Stone Brasil, em 2014 o EP Insight. A faixa homônima “Insight”, ficou na sétima posição entre as melhores do ano segundo a revista.

Exclusivo: Jaloo lança Insight, EP autoral que marca o encontro entre o tecnobrega e o pop.

Na noite desta sexta-feira, 15, durante o festival Bananada, que acontece no Centro Cultural Oscar Niemeyer, em Goiânia, Jaloo fez o primeiro show da carreira dele acompanhado por uma banda. As escolhidas para a missão são Irina Bertolucci, do grupo Garotas Suecas, nos teclados, e a multi-instrumentista Naná Rizinni, que já tocou com Edgard Scandurra, Tiê, Karina Buhr, entre muitos outros, na bateria eletrônica.

Melhores de 2014: artistas falam sobre as músicas.

A apresentação do jovem paraense, agora acompanhado pela dupla, surpreendeu aos que não conheciam o trabalho do artista. E mais ainda aos que acompanham a carreira dele de perto. Simpático e performático, Jaloo circula pelo palco, deita no chão e dança muito, enquanto canta faixas como “Odoiá (In Your Eyes)” e uma versão de "Chuva", gravada por Gaby Amarantos.

A versatilidade do músico é o fator que difere o trabalho dele dos demais artistas que surgiram no norte do país. A mistura entre letras de amor, referências à bass music, alguns toques de R&B, uma boa dose de brega, sintetizadores enlouquecidos e um quê de carimbó ganham, principalmente quando executada ao vivo, uma profundidade deliciosa. Torna-se uma sonoridade psicodélica, crua, soturna e extremamente inovadora na cena da música brasileira - com canções que duram até dez minutos.

Houve quem perguntasse, entre uma música e outra, no meio da plateia, de qual país era aquele trio. É brasileiríssimo! Jaloo, contudo, embarca em breve para Barcelona onde se apresentará, acompanhado por Naná e Irina, no seminal festival Primavera Sound. Ainda em 2015, chegará aos ouvidos do fãs um disco completo de inéditas. Mas ainda é apenas o começo.

O Festival Bananada 2015 continua nesta sábado, 16, no Centro Cultural Oscar Niemeyer, com atrações como J Mascis, King Tuff, Karol Conka e Bonde do Rolê.

Veja a programação completa do festival Bananada 2015.

16 de maio - sábado @ Centro Cultural Oscar Niemeyer

01h00 TROPKILLAZ - Palco Pyguá

00h00 BONDE DO ROLÊ - Palco Yguá

23h15 KAROL CONKA - Palco Pyguá

22h30 J MASCIS (EUA) - Palco Yguá

21h45 APANHADOR SÓ - Palco Pyguá

21h00 KING TUFF (EUA) - Palco Yguá

20h30 CAMERA- Palco Pyguá

20h00 LÊ ALMEIDA - Palco Yguá

19h30 CARNE DOCE - Palco Pyguá

19h00 CAMARONES ORQUESTRA GUITARRÍSTICA- Palco Yguá

18h00 GUILIANO MAIA - Goiânia Crew Attack

16h30 THIAGO RODRIGUES - Goiânia Crew Attack

15h00 MATIAS - Goiânia Crew Attack

17 de maio - domingo @ Centro Cultural Oscar Niemeyer

22h45 CRIOLO - Palco Pyguá

22h00 HELLBENDERS - Palco Yguá

21h15 VIVENDO DO ÓCIO - Palco Pyguá

20h30 GARAGE FUZZ - Palco Yguá

19h45 MASKAVO ROOTS 20 ANOS - Palco Pyguá

19h00 CADDYWHOMPUS (EUA) - Palco Yguá

18h15 MAGALY FIELDS (CHILE) - Palco Pyguá

17h30 MARRERO - Palco Yguá

16h50 GASPER - Palco Yguá

15h00 AR É MÚSICA - Goiânia Crew Attack