Baterista do Black Keys critica o Nickelback

"As pessoas não ligam mais que a maior banda de rock do mundo seja sempre uma merda", disse Patrick Carney, em entrevista à Rolling Stone EUA

Redação Publicado em 05/01/2012, às 16h09 - Atualizado às 16h22

The Black Keys - RS 1148
Rolling Stone EUA

Capa da próxima edição da Rolling Stone EUA, o Black Keys criticou o grupo Nickelback ao dizer que o rock está em decadência. "O rock and roll está morrendo porque as pessoas não ligam que o Nickelback seja a maior banda no mundo", disse o baterista Patrick Carney. "Então, eles não ligam mais que a maior banda de rock do mundo seja sempre uma merda."

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

"Foda-se!", continuou Carney. "Rock and roll é o gênero pelo qual eu sou mais apaixonado e eu não gosto de ver ele sendo arruinado e enfiado goela abaixo nessa porcaria pós-grunge, diluída e horrenda de merda. Quando as pessoas começam a me encher com esse tipo de merda, eu digo: 'Vai se foder', sinceramente."

Criticado pela sua aparência e pelo modo como toca bateria, Carney respondeu às críticas. "Eu sou péssimo na bateria, é aterrorizante", disse. "Eu vejo muitos comentários no Twitter e sobre o quanto sou feio, como toco mal, como pareço estranho e, é, eu concordo com a maior parte dessas coisas. O fato é que eu não posso chegar a cada uma dessas pessoas e dizer a elas o que elas são julgando apenas a foto, e eu sou o tipo de pessoa que poderia, de verdade, fazer isso."

Formado por Carney e o guitarrista e vocalista Dan Auerbach, o Black Keys lançou em 2011 o álbum El Camino, sucessor de Brothers, disco vencedor do Grammy. El Camino foi eleito pela Rolling Stone Brasil o quinto melhor álbum internacional do ano passado. Clique aqui para ver a lista.