Beatles: Paul McCartney realmente escreveu "Get Back" como indireta para Yoko Ono?

"Eu acho que há algo implícito sobre Yoko lá", dizia John Lennon sobre a faixa

Redação Publicado em 05/12/2019, às 09h18

None
Yoko Ono, John Lennon e Paul McCartney em 1968 (Foto: Peter Kemp/AP Photo)

Durante uma conversa com David Sheff, da revista Playboy, em 1980, John Lennon disse que Paul McCartney havia escrito a música "Get Back" como indireta para sua esposa, Yoko Ono.

"Eu acho que há algo implícito sobre Yoko lá", disse Lennon. "Você sabe, 'Volte para o lugar de onde veio.' Sempre que ele cantava esse verso no estúdio, olhava para Yoko."

Sheff, que não conseguia acreditar no que estava ouvindo, perguntou: "Você está brincando?"

"Não", respondeu Lennon. "Mas talvez ele diga que sou paranóico. Você sabe, ele pode dizer: 'Eu sou um homem normal, de família. [John e Yoko] são doidos."

+++ LEIA MAIS: Os Beatles foram invenção socialista para fazer garotas abortarem, diz novo presidente da Funarte

Embora seja impossível adentrar a mente de McCartney, sabemos como a canção evoluiu ao longo do tempo.

Tudo começou com uma crítica social. No início de 1969, durante as sessões do álbum Get Back (mais tarde, Let It Be), o cantor, compositor e multi-instrumentista britânico apresentou a letra de "Get Back" pela primeira vez, concebendo-a como uma resposta às visões anti-imigrantes defendidas pelos políticos da época.

O primeiro rascunho de McCartney incluía versos sobre "muitos paquistaneses vivendo num apartamento do conselho", além de confrontar a liderança da Grã-Bretanha: "Candidato Macmillan, diga-nos qual é o seu plano."

Contudo, os Beatles acreditavam que o público poderia mal-interpretar a ironia do refrão, no qual ele escreve: "Volte para o lugar de onde você veio."

+++ Leia mais: Os Beatles eram analfabetos em música, diz Olavo de Carvalho

E, então, McCartney voltou à prancheta, baseando-se nas narrativas fictícias que ele costumava escrever. Contando a história de Jojo e Loretta, ele posteriormente revelou: "Eu não tinha uma pessoa em particular em mente. Era um personagem fictício, metade homem, metade mulher, tudo muito ambíguo. Muitas vezes deixei as coisas ambíguas, gosto de fazer isso nas minhas músicas."

Escute a música abaixo: